Sem medalhas

Por: Redação -
10/07/2015

Após um intervalo de oito anos, Robert Scheidt volta aos Jogos Pan-Americanos, neste domingo (12), em Toronto, em busca de sua quarta medalha de ouro na classe Laser. Mais do que o pódio, a disputa ganha contornos de um “tira-teima” para o velejador, 15º colocado no Mundial de Laser de Kingston, também em águas canadenses, nesta quarta-feira (8).

Assim como nas Olimpíadas, onde soma cinco medalhas (dois ouros, duas pratas e um bronze) entre as classes Laser e Star, a trajetória de Scheidt nos Jogos Pan-Americanos é vencedora. O brasileiro foi ao pódio em todas as edições de que participou, sempre na Laser: ouro em Mar del Plata/1995, Winnipeg/1999 e Santo Domingo/2003, prata no Rio de Janeiro/2007.

“O Pan também será disputado no Lago Ontário, e a previsão é de ventos fracos e rondados, o que leva a regatas bem mais técnicas. A competição terá apenas 15 ou 16 barcos”, explicou Scheidt. “Por outro lado, todos os americanos que disputaram o Mundial estarão lá, também. O guatemalteco Juan Maegli, os americanos (Christopher Barnard e Charlie Buckingham), o peruano (Stefano Peschiera), o argentino (Julio Alsogarai, medalha de bronze no Pan de 2007, quando Scheidt ficou com a prata). O nível será bem alto.”

A competição em Toronto tem 12 regatas previstas para a classe Laser, divididas entre as fases classificatória e final. No sábado (18), os dez melhores colocados brigam pelo pódio na medal race, valendo pontos dobrados. Para Scheidt, o esforço de disputar o Pan apenas quatro dias após o Mundial em Kingston valerá a pena.

“Eu estaria muito mais chateado se estivesse voltando para casa com um 15º lugar. Agora tenho uma outra competição pela frente, e a chance de mostrar que posso fazer um resultado muito melhor. Estou bem preparado, com boa velocidade no barco e pronto para brigar por mais um título”, garantiu.

O vento fraco e inconstante na raia montada no Lago Ontário exigiu doses extras de paciência e estratégia dos velejadores. Com um desempenho irregular, Scheidt chegou ao último dia da fase classificatória do Mundial, no domingo, em 41º lugar. Mas a experiência de quem soma 14 títulos mundiais, 11 deles na Laser, foi fundamental para a virada, nesta quarta-feira (8), quando o velejador venceu uma regata e encerrou a competição na 15ª posição, primeiro entre os brasileiros.

“No domingo, tivemos uma brisa muito rondada, vinda de terra, e fiquei do lado errado do vento. Numa competição com flotilha numerosa como a do Mundial, com mais de 50 barcos, a largada é fundamental. E as pequenas decisões tomadas logo após a largada contam muito. Eu entrei na disputa muito bem preparado fisicamente, com um bom volume de treinos. Mas não consegui encontrar soluções no tempo ideal”, explicou o velejador. “Resultados ruins são normais em competições de alto nível, não é novidade. É preciso ter paciência e sangue frio, analisar o que dá para melhorar e focar nas próximas provas.”

Scheidt começou a crescer justamente na fase final, quando os 53 melhores velejadores foram reagrupados na flotilha ouro. Na quarta-feira (8), último dia de disputa, venceu uma das regatas e fez um 13º e um 19º nas outras duas, somando 132 pontos perdidos, apenas 35 de desvantagem para o medalhista de bronze, o australiano Tom Burton. “Consegui acertar a largada e velejar melhor, e subi bem na classificação. Sei que poderia ter ido muito melhor, mas agora é pensar em representar bem o Brasil no Pan e buscar mais uma medalha”, reforçou o velejador, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela.

Classificação do Mundial de Laser de Kingston
1. Nick Thompson (GBR) – 67 pontos perdidos (5+2+6+3+4+1+[24]+7+2+4+[25]+15+18)
2. Philipp Buhl (ALE) – 93 pp (1+2+1+5+15+5+7+16+15+[27]+13+[48]+1)
3. Tom Burton (AUS) – 97 pp ([19]+4+2+2+1+11+10+15+[27]+2+16+11+23)
4. Juan Maegli (GUA) – 105 pp (2+1+1+4+3+15+[30]+28+[54]+33+7+9+2)
5. Matthew Wearn (AUS) – 106 pp (1+1+[21]+12+2+17+20+[24]+9+11+9+14+10)
15. Robert Scheidt (BRA) – 132 pp (3+12+26+4+[35]+[35]+14+8+19+13+19+1+13)

Foto Divulgação

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda

    Adolescente para lancha desgovernada e impede acidente em lago nos EUA

    Imagens gravadas por quem estava no local mostram jovem de 17 anos saltando de um jet em direção ao barco que rodopiava sem condutor

    Público do Brasília Boat Show tem desconto exclusivo em hotéis parceiros; saiba como funciona

    Visitantes do evento náutico, que atraca pela primeira vez no Lago Paranoá, poderão desfrutar de condições especiais no momento da reserva

    Navio de pesquisa de 1962 é capaz de “ficar de pé” no mar; assista em ação

    Quando na vertical, paredes internas viram pisos e móveis são adaptados para a nova posição

    Na dúvida de qual jet comprar? Confira modelos da Sea-Doo para cada necessidade

    Empresa conta com opções que atendem desde iniciantes no universo náutico até apaixonados por velocidade ou pesca