Conheça as sete mulheres a dar a volta ao mundo na Vendée Globe

Por: Redação -
04/11/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

A 9ª edição da Vendée Globe terá recorde de participação feminina: seis mulheres se lançarão ao mar para tentar dar a volta ao mundo. Ao todo, apenas sete mulheres já tentaram completar a única prova de volta ao mundo em solitário e sem escalas.

A primeira foi Catherine Chabaud, sexta colocada na Vendée Globe de 1996-1997 e, portanto, a primeira mulher a completar uma turnê mundial solo. Ainda nessa edição, Isabelle Autissier também esteve na linha, mas acabou fora da corrida porque teve de fazer uma parada na Cidade do Cabo, a fim de reparar uma falha no leme. Entretanto, ao voltar para a prova ela não conseguiu continuar.

Ellen MacArthur, na edição 2000-2001, foi a primeira mulher a subir no pódio da Vendée Globe. A navegadora britânica de 24 anos terminou em segundo lugar, apenas um dia atrás do vencedor Michel Desjoyeaux.

Leia também 

>> Vem aí a 9ª Vendée Globe, a mais dura regata da vela mundial

>> Franceses confirmam regata de vela oceânica em solitário para julho

>> Você sabia que embarcações civis salvaram 300 mil soldados durante a Segunda Guerra?

A terceira mulher, depois de Chabaud e MacArthur, a concluir a Vendée Globe, foi a francesa Anne Liardet, que fechou na décima primeira colocação, em 2004-2005, e à frente da compatriota Karen Leibovici, que também completou a prova e terminou na décima terceira posição.

Na volta de 2008-2009, mais duas mulheres na corrida: Samantha Davies fechou em quinto lugar seguida por Dee Affari, que terminou em sexto. Samantha Davies também tentou participar da regata de 2012-2013, mas não conseguiu. Agora, ela tenta novamente neste ano e é a veterana do grupo. Para as outras cinco participantes, será a primeira vez na regata.

Com largada no dia 8 de novembro, com 33 veleiros inscritos na 9ª edição da mais perigosa e radical prova da vela mundial, esse número ostenta o recorde de participação geral. Considerada o Everest dos mares pelos competidores, a prova tem o conceito de competição simples e muito claro: um homem ou uma mulher, o mundo e um barco.

Por Gustavo Baldassare sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasília Boat Show transformará a capital do país no epicentro do mercado náutico

    Primeira edição do salão no Centro-Oeste acontece de 14 a 18 de agosto, nas águas do Lago Paranoá; garanta seu ingresso!

    NX Boats desembarca nos EUA com sua maior lancha, a NX 50 Invictus

    Modelo de 50 pés com hardtop estreou recentemente em águas norte-americanas; estaleiro descreveu momento como “histórico”

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha