Vai começar

Por: Redação -
03/02/2015

A partir dessa quarta-feira, Florianópolis volta a ser o centro das atenções da vela oceânica brasileira. O Veleiros da Ilha sedia a 26ª edição do Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina, na Sede Oceânica, em Jurerê. Ao lado de Ilhabela Sailing Week e da Semana de Búzios, o Circuito Oceânico faz parte dos três principais eventos nacionais do gênero e conta pontos para a Copa Brasil de Vela Oceânica, atraindo tripulações de todo país. Como é o caso do veleiro carioca Ângela Star VI, comandado por Peter Siemsem, que fará nessa semana o lançamento de seu livro “Velas do Brasil”, em Florianópolis.

Atual campeão da classe ORC, o veleiro do Rio de Janeiro foi a única equipe fora do estado de Santa Catarina a vencer o Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina em 2014. “Com certeza, Jurerê é uma das raias mais atrativas do Brasil. Além do Rio de Janeiro e Salvador, é um dos lugares na costa brasileira que mais atraí os velejadores. Todo mundo gosta de competir em Florianópolis”, revela o comandante Peter Siemsem.

Participante de diversas edições do Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina, o comandante do veleiro carioca tem uma excelente relação com a capital catarinense. “Nós já participamos de muitas edições do Circuito Oceânico, mas uma das melhores lembranças que tenho da cidade é quando participamos de uma regata que saiu de Punta Del Este e chegou à Florianópolis. Na ocasião, velejando em um 45 pés feito na Inglaterra, fomos fita azul. Naquela época ainda era o Ângela Star IV”, disse o capitão.

Peter Siemsem vê com excelentes olhos as competições na capital catarinense e acredita que o evento organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina tem grandes perspectivas para os próximos anos. “Eu visualizo esse evento em Florianópolis com grandes perspectivas. Pelo local e pela data na qual ele acontece, o Circuito Oceânico tem tudo para se tornar um dos dois maiores eventos de vela oceânica do país ao lado de Ilhabela, até mesmo pela proximidade com países como Uruguai e Argentina”, ressalta.

Além de competir na raia de Jurerê, Peter Siemsem terá outro importante compromisso em Santa Catarina. Idealizador do livro “Velas do Brasil”, o velejador carioca fará o lançamento da edição em solo catarinense. “A vela no Brasil é um dos esportes de maior sucesso e o brasileiro em geral tem memória curta. Sendo assim, enquanto ainda tenho capacidade física e mental decidi deixar um legado para os mais jovens sobre a história da vela no país”, concluiu Peter Siemsem.

A presença massiva dos veleiros mostra que o trabalho realizado pelo Veleiros da Ilha tem surtido ótimos resultados. “Estamos muito contentes em poder, mais uma vez, receber os melhores velejadores de vela oceânica do país. Serão quatro dias de bastante movimentação em Jurerê e com boas disputas. Esperamos que todos possam ter uma semana agradável em Florianópolis”, disse Lucas Reis, gerente de eventos náuticos do Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha.

Foto: Gabriel Heusi

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sino de navio americano naufragado durante a Primeira Guerra Mundial é encontrado na Inglaterra

    Embarcação naufragou após ser atingida por submarino alemão; objeto será exposto no Museu da Marinha americana

    Com método inovador, jovem inventor quer acabar com plásticos no mar

    Irlandês criou equipamento para monitorar poluição aos 12 anos e foi premiado pelo Google aos 18; conheça

    Procurando um terreno? Ilha intocada na Patagônia Chilena está à venda

    Local tem cerca de 445 km², mais de 80 lagos, a Cordilheira dos Andes de fundo e custa aproximadamente R$ 173,6 milhões

    1ª embarcação capaz de produzir seu próprio hidrogênio está prestes a finalizar volta ao mundo

    Barco percorreu mais de 63 mil milhas náuticas só com energias renováveis

    Expedição realizada no Chile pode ter descoberto mais de 100 novas espécies marinhas

    Biólogos do Censo Marinho têm o objetivo de descobrir 100 mil novos seres do mar nos próximos 10 anos