Antigo porta-aviões, rejeitado no Brasil e na Turquia, começa a se afastar da costa brasileira

Grande embarcação que seguia vagando pelo nosso litoral causou até impasse no governo brasileiro

23/01/2023

O antigo porta-aviões São Paulo começou a ser retirado do Porto de Suape, em Recife. A grande embarcação estava “vagando” pela região do Nordeste brasileiro, até que a Marinha brasileira reassumiu o controle da situação.

É no casco da grande embarcação onde se encontra o grande problema, já que ali foram encontrados altos níveis de amianto, uma substância química muito forte, capaz de causar grandes estragos ao meio ambiente.

 

Assim, o porta-aviões São Paulo foi rejeitado e proibido de atracar em quaisquer portos do Brasil.

Porta-aviões São Paulo navegando no mar

Como começou o impasse pelo porta-aviões São Paulo

A embarcação que serviu a França, foi comprada pela Marinha brasileira em 2000 e atuou até 2004. Depois de um grave acidente em maio daquele ano, o porta-aviões passou por uma série de reformas.

 

Mas, em 2012, um grande incêndio atingiu a embarcação. Assim, a partir de 2014 o porta-aviões deixou de navegar definitivamente foi atracada na Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro. Depois de algumas tentativas de venda, o São Paulo foi arrematado em um leilão, em 2021, pela empresa turca Sök Denizcilik Tic Sti (Sök).

 

No final de agosto do ano passado, o porta-aviões, saído do Rio de Janeiro, estava a caminho da Turquia. No momento em que havia chegado próximo do Estreito de Gibraltar, o governo turco proibiu a atracação do porta-aviões, ao saber dos níveis de amianto presente na embarcação. Como resultado, a partir deste impasse começou a saga de navio vagando pelo Atlântico.

 

Além disso, na cláusula de venda do porta-aviões, o governo francês criou uma lista de estaleiros exclusivos para realizarem o desmonte do porta-aviões e somente eles poderiam escolher, dificultando ainda mais a história.

O porta-aviões São Paulo, quando esteve atracado no Brasil

Desse modo, impedido de chegar à Turquia, o porta-aviões São Paulo voltou para as águas brasileiras, com destino a Pernambuco. Neste momento, o governo pernambucano acionou a Justiça Federal para impedir tal ato, visando proteger o litoral do estado.

 

Multa alta e indecisão de destino

Na decisão tomada pelo órgão, o porta-aviões estava impedido de se aproximar do litoral brasileiro e haveria uma multa diária de R$ 100 mil tanto ao governo federal quanto à empresa que agencia a embarcação.

A volta do porta-aviões — que consome cerca de 20 t de combustível diariamente — às águas brasileiras funcionou como um pedido de ajuda, já que os donos turcos afirmavam estar com poucos recursos para cuidar da manutenção da embarcação. Dessa forma, por não ter como sustentar mais o alto nível de gasto, logo depois a empresa internacional renunciou à propriedade do porta-aviões.

 

Com o propósito de proteger a costa pernambucana, desde o último dia 19, o São Paulo está sendo movimentado para longe. Duas embarcações da Marinha acompanham todo o traslado do porta-aviões.

Porém, nem a Marinha brasileira, nem Zilan Costa e Silva, o representante da MSK Maritime Services & Trading, responsável pela navegação entre o Brasil e a Europa, informam o destino do porta-aviões. Outro mistério acerca da embarcação é saber quem pagará por mais esse transporte.

 

Por Felipe Yamauchi, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 2019

    Evento chegou a sua última edição antes da pandemia consolidado como o mais importante salão náutico outdoor da América Latina

    Fountaine Pajot leva catamarã de 16 metros ao Rio Boat Show 2024

    Aura 51 é o maior catamarã a vela sem flybridge do estaleiro francês e estará no evento náutico de 28 de abril a 5 de maio

    No NÁUTICA Talks, Elio Crapun palestra sobre revolução dos hidrofólios nas embarcações

    Velejador abordará detalhes sobre realidade e avanços de barcos que navegam sobre fólios durante o Rio Boat Show 2024

    Casarini Boats levará mistura de bote com jet ao Rio Boat Show 2024

    Embarcação inovadora será um dos destaques do evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    No NÁUTICA Talks, Paula Vianna mergulha nos desafios da fotografia subaquática

    Vencedora de concursos internacionais, fotógrafa é presença confirmada no Rio Boat Show 2024