Casal que largou tudo para morar em veleiro conta prós e contras da vida a bordo

08/07/2022

Largar toda a vida em terra para viver no mar envolve muitos aspectos e muitas mudanças. O casal Ryan Ellison, 40, e Sophie Darsy, 35, é a prova disso! Eles estavam namorando há três meses quando decidiram largar tudo e se mudar para um veleiro juntos.

A aventura começou quando eles compraram um veleiro de 40 pés – o Polar Seal – por US$ 95.000 em 2016, e zarparam oficialmente em 2018. Ao longo dessa jornada, eles destacam alguns aspectos positivos da vida que escolheram levar, como ter a oportunidade de viajar pelo mundo e conhecer todos os tipos de lugares novos, imergindo na cultura local, além de conhecer novas pessoas e se encantar com as belas paisagens que o oceano oferece.

A parte boa é tão boa que isso ‘faz a vida valer a pena’

De acordo com o casal, chegar de barco aos países em vez de avião ajuda a imergi-los na cultura imediatamente, já que as docas são cheias de locais. “Quando você é um turista e viaja de avião, é muito fácil se isolar dessas realidades dos lugares que você visita”, explicou Ryan em entrevista à Forbes. “Para nós, é simplesmente impossível porque, quando aterrissamos no local, às vezes não conseguimos fazer as coisas turísticas imediatamente. Somos jogados na cultura muito rapidamente”, acrescentou.

Outro lado positivo são todas as conexões e amizades que fizeram ao longo de seus quatro anos na água. Seu estilo de vida os força a formar laços rapidamente, no entanto, depois de se aproximarem de alguém, eles podem seguir caminhos separados e não se ver novamente por anos.

Apesar de serem solitários no mar, o casal acrescentou que a espontaneidade faz tudo valer a pena. Algumas das coisas que eles testemunharam foram peixes de bioluminescência, golfinhos e pores do sol maravilhosos. Ryan e Sophie disseram em entrevista ao Insider que, embora tenham “mais baixos do que altos, os altos são tão altos que isso faz a vida valer a pena”.

Nem tudo a bordo é um “mar de rosas”

Existe a ideia de que morar a bordo é um “mar de rosas”, mas Sophie e Ryan mostram os desafios que enfrentam nesses quatro anos viajando o mundo em tempo integral em sua página no Instagram, onde acumulam quase 23 mil seguidores.

Eles ganham dinheiro com patrocínios e anúncios, enquanto Sophie também trabalha como consultora. Eles estimam que levam para casa cerca de US$ 5.000 por mês, o que dificulta o pagamento da manutenção do barco. “Eu diria que a primeira coisa que descobrimos é que o sonho do veleiro de ser grátis ou barato não era verdade”, admitiu Ryan.

Além de gastar entre US$ 500 e US$ 1.000 por mês para atracar o barco, eles também têm que pagar por comida, contas e seguro, e cobrir o ‘custo de manutenção da operação do barco’ – que está entre US$ 10.000 e US$ 20.000 por ano.

Imprevisibilidade e desgaste no relacionamento

O casal admitiu que o estilo de vida prejudicou seu relacionamento e alertou os outros: “Nunca entre nesta vida pensando que isso salvará seu relacionamento. Porque, na verdade, desgasta-o mais do que a vida em terra”. Ryan e Sophie explicaram que às vezes se cansam um do outro, já que são a única companhia que um ao outro tem por meses a fio.

Sophie revelou: “Você se torna tudo para o seu parceiro. Então, Ryan é meu namorado, mas também é meu melhor amigo, meu confidente, meu terapeuta, minha enfermeira e minha colega. Você tem que preencher todos os papéis um para o outro e nem sempre funciona pular de um papel para outro em um momento”.

Ela acrescentou que a imprevisibilidade da vida no barco muitas vezes deixa o casal desejando uma vida de volta à terra. “É muito intenso viver em um barco e viajar pelo mundo. No final das contas, somos todos criaturas sociais e anseio pelo meu grupo de amigas com quem vou almoçar todos os domingos”.

“Há tantas noites em que vamos dormir e acabamos sendo acordados no meio da noite porque algo está se movendo no barco, ou algo não parece certo, ou você está estressado porque essa tempestade tropical está chegando”, compartilhou Ryan.

Deixar uma vida de hábitos para trás não é tão fácil quanto parece

Em uma entrevista à Forbes, Sophie falou sobre a luta para deixar sua vida anterior para trás quando ela se mudou para o barco – o que significava que ela teve que reduzir seu guarda-roupa para apenas algumas malas, deixar seu emprego no mundo corporativo e dizer adeus a seus amigos e familiares.

“Também tivemos que reduzir nossas vidas. É claro que deixamos nossos empregos, mas essa foi a parte mais fácil”, disse ela. “Tive que reduzir meu guarda-roupa a duas mochilas – não há espaço a bordo para vinte pares de sapatos, mas a coisa mais difícil foi dizer adeus à família e amigos. Não há internet no meio do oceano, então manter contato com nosso círculo mais próximo exigiria mais esforço do que quando vivíamos em terra”.

Coisas simples, como ir ao banheiro, são muito mais trabalhosas para eles, pois eles precisam dar a descarga manualmente, o que significa que eles precisam bombear o lixo cada vez que vão. “Você literalmente tem que se exercitar toda vez que quiser fazer xixi”, disse Sophie ao Insider, acrescentando que a cada quatro meses, eles também precisam entrar no tanque para limpá-lo.

Buscar ajuda é sempre importante

Sophie relatou que ela e Ryan estão em aconselhamento de casais, o que os ajuda a lidar com seus desentendimentos. “Somos humanos e somos um casal, então discordamos às vezes”, disse ela. “Além disso, estar em circunstâncias um tanto perigosas pode ser estressante, então há lágrimas ocasionais. E são tantos os momentos de aprendizagem.

“Tenho um histórico de ansiedade e depressão, e Ryan e eu tendemos a superar qualquer esforço para alcançar nossos objetivos, o que ocasionalmente leva à sobrecarga e exaustão. Então começamos a nos aconselhar… e isso realmente nos ajudou a sermos melhores parceiros e a alcançar nossos objetivos como velejadores e como pessoas”.

Eles fazem pausas na vida marinha – até dois meses por ano – e agora querem comprar uma casa permanente na costa para que possam encontrar um equilíbrio entre terra e mar.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial

    Schaefer Yachts anuncia barco que não afunda, ideal para resgates em alto-mar

    Com o nome de Interceptor 48 Pilot, novidade é fruto de parceria com a empresa irlandesa Safehaven Marine