40 dicas de manutenção para você aplicar no seu barco

A equipe de NÁUTICA reuniu dicas preciosas para você manter sua embarcação sempre em dia

Por: Redação -
25/12/2023

Sair para navegar é a melhor sensação que um amante do mar pode ter. Mas, para aproveitar essa atividade ao máximo, o barco precisa estar com a manutenção em dia, para que o passeio seja agradável, sem turbulências e grandes preocupações.

Pensando nisso, a equipe de NÁUTICA preparou um conteúdo completo sobre manutenção de embarcações, com nada menos que 40 dicas para você deixar seu barco sempre pronto para navegar!

O verão já começou, a temporada de barcos na água está oficialmente aberta. Então, anote todas as dicas a seguir e evite possíveis dores de cabeça.

40 dicas para a manutenção do seu barco

  • Após muito tempo parados, os cabos de comando do timão e motor podem emperrar. Portanto, antes de sair é preciso lubrificá-los;
  • A cera de carnaúba é bastante eficaz para evitar que o gelcoat do casco se torne opaco. Mas ela não dá brilho, apenas hidrata;
  • Para um inflável durar mais, não deixe as bananas expostas ao sol e não deixe cair combustível ou solvente sobre elas. Além disso, lave com água doce e detergente antes de guardá-lo;
  • Se o seu inflável estiver encardido ou manchado, use apenas água, escova e sabão neutro na limpeza. Qualquer produto químico pode estragá-lo;
  • Para aumentar a vida útil dos pneus da carreta, cubra-os quando ficar parado muito tempo ao ar livre, porque eles podem ressecar e rachar;
  • Não aplique óleo fino, como WD-40, sobre borrachas, porque elas ressecam;
  • Nunca enrole ou guarde uma vela que foi molhada com água salgada, porque sua durabilidade cai pela metade. O certo é lavar com água doce e esperar secar, antes de guardar;
  • Alvejantes costumam funcionar bem na remoção do mofo, mas eles podem ser substituídos por vinagre branco, aplicado com borrifador;
  • Não confie na memória. Mantenha uma planilha com o histórico de todos os problemas e revisões nos motores. Ajuda um bocado na hora de conversar com os mecânicos;
  • Sempre que possível, deixe portas, gaiutas e vigias da cabine abertas. Ajuda a circular o ar e diminui o risco de mofo;

  • Se for ficar um bom tempo sem usar o barco, retire os estofados, para eles não mofarem.
  • Depois da água, mais água nele! Não importa o passeio, é preciso lavar o barco antes de guardá-lo no seco.
  • Se os cunhos e olhais estiverem frouxos, basta reapertar os parafusos. Mas, se houver trincas ao redor deles, será preciso um reforço na laminação, o que é bem mais complicado. Mas necessário, para não perder o barco;
  • A expressão “da proa ao porão” não é apenas uma metáfora. Quem cuida bem de um barco, sabe que isso é sempre preciso;
  • É prudente efetuar a limpeza dos tanques de combustível das lanchas uma vez por ano, para retirar borras, sujeiras e até água de condensação dentro deles;

  • Se tiver ar-refrigerado a bordo, retire e lave as telas do filtro uma vez por mês. Mas tenha o cuidado de secá-las muito bem, senão piora o problema da umidade;
  • Para limpar os estofados, use produtos adequados. Nem sempre o que funciona no sofá da sua casa serve para o barco;
  • Mantenha o paiol do motor sempre seco e limpo, porque assim fica bem mais fácil identificar vazamentos;
  • Para não se dar mal com a gasolina parada no tanque, não deixe lá por mais de um mês;
  • Estaiamentos de veleiros devem ser verificados a cada seis meses. Não importa se você navegou muito ou pouco nesse tempo;

  • Lembre-se de verificar periodicamente os parafusos que sustentam a antena do rádio. Muita gente perde a antena na água por causa de corrosão na base;
  • Se a bomba de pressurização de água ligar automaticamente quando todas as torneiras do barco estiverem fechadas, é sinal de que há algum vazamento;
  • Antes de sair para navegar, sempre teste a descarga do banheiro, porque não há nada mais constrangedor do que vaso sanitário entupido;
  • Se não quiser ter mofo a bordo, não guarde roupas ou qualquer outra coisa úmida na cabine. E para fazer o ar circular, vale usar até ventilador;
  • Bons armários são aqueles cujo fundo não fica em contato direto com o casco, porque isso favorece a umidade. E com portas com furinhos;

  • Tudo bem ter carpete no piso, mas não nos costados, armários e paióis fechados, porque isso gera mofo;
  • Quem tem ar-refrigerado no barco deve sempre conferir se ele não está pingando na cabine, porque nada produz mais água do que essas máquinas;
  • Para prevenir vazamentos, troque as mangueiras de combustível a cada dois anos, mesmo que elas, aparentemente, ainda estejam em bom estado;
  • Limo e algas mortas na tubulação do banheiro cheiram muito mal. Para evitar isso, acione a descarga periodicamente, mas use água doce e não salgada, senão o cheiro fica pior ainda;
  • Para evitar que os problemas no barco apareçam “sempre naquele final de semana de sol”, quando a família inteira já está pronta para sair para passear, só há uma saída: não descuidar da manutenção. Barco que fica parado é sério candidato a virar um barco quebrado;

  • O zinabre que se acumula nas instalações e terminações elétricas, além de isolar os contatos, tem cheiro bem desagradável;
  • Antes de encher o tanque de água do barco, deixe correr bastante água pela mangueira, para limpá-la por dentro. Mofo e micro-organismos proliferam facilmente no interior de mangueiras, ainda mais em locais quentes;
  • A manutenção mais barata que há de um barco é usá-lo! Quanto mais usar o seu barco, menos manutenção terá que fazer nele, porque barco parado dá muito mais trabalho do que navegando;
  • Se o seu barco ficar direto na água, limpe o fundo dele a cada 15 dias ou, no máximo, um mês. Isso ativa a tinta anti-incrustante e dobra a vida útil da pintura. Use flanela ou esponja, mas não abrasiva, porque danifica o gel;
  • Nos barcos com motor de centro ou centro-rabeta, é comum a bomba de refrigeração parar de funcionar, por problemas no rotor. Por isso, tenha sempre um rotor sobressalente. E a troca pode ser feita na água mesmo;
  • Não use jatos d’água de alta pressão para remover sujeiras do seu bote inflável, porque eles podem deixar o tecido poroso e menos resistente. Raspe a borracha com uma esponja ou um cartão plástico (como os de banco) e finalize com uma escova;
  • Com o tempo, a fiação elétrica que corre por dentro dos mastros dos veleiros resseca. Quando tiver que trocar o estaiamento, aproveite para substituí-la também.
  • Não importa o estado que estejam os anodos de sacrifício do motor do seu barco, sempre o troque a cada seis meses. Custam pouco e protegem muito;
  • Quando for pintar o barco, não misture outros produtos, como solventes ou pó de cobre, porque isso deixa a tinta mais pesada e mais fácil de soltar depois;
  • Recarregue os extintores pelo menos uma vez ao ano — exceto extintores especiais, que podem durar cinco anos ou mais.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Armatti Yachts vai exibir três lanchas no Marina Itajaí Boat Show 2024

    Modelos de 30, 37 e 42 pés marcarão presença no evento, que acontece de 4 a 7 de julho

    Por que a tocha olímpica não apaga debaixo d’água? Entenda

    Tradicional revezamento que antecede os Jogos contou com trecho submerso na França, a 20m de profundidade no Mediterrâneo

    Enorme submarino de guerra surge em Santos, no litoral de São Paulo

    Embarcação da Marinha, o Tikuna - S34 chamou a atenção ao atracar com tripulantes sobre o casco

    Quase 1.500 anos: cientistas identificam a planta marinha mais antiga do mundo

    Espécie de alga marinha surgiu no Mar Báltico no período das Invasões Bárbaras, de 375 d.C. a 700 d.C

    Copa Mitsubishi de Vela: 2ª etapa termina com premiação e domingo sem ventos

    Participantes disputaram regatas no sábado, mas premiação aconteceu no dia seguinte sem novas competições