Enjoo no mar: veja mitos e verdades e o que comer se estiver mareado

Estômago vazio ou tomar refrigerante amenizam ou contribuem para o mal estar a bordo? NÁUTICA te explica!

Por: Redação -
23/01/2023

Quem costuma ficar sentir enjoo no mar sofre do que os médicos chamam de “cinetose” ou “enjoo do movimento”. Porém, nem todo mundo vai enjoar da mesma maneira em um passeio de barco.

 

Há os que sentem apenas uma leve zonzeira, enquanto outros desabam logo nos primeiros balanços do barco. Estes, em geral, padecem do mal desde a infância, quando até as curvas de uma estrada sinuosa ou certos brinquedos de ação do parquinho de diversões transformavam-se em pesadelos instantâneos.

A diferença é que, naqueles casos, bastava parar e descer. Já num barco fica mais difícil e, por isso, é preciso estar preparado para lidar com a própria propensão a enjoar. Antes de mais nada, é preciso saber que dormir pouco, beber muito ou comer exageradamente antes ou durante a saída de barco são um atalho certeiro para ficar mareado.

Enjoo no mar: o que é mito e o que é verdade?

Embarcar de estômago vazio evita o enjoo no mar: Mito! O certo é alimentar-se normalmente antes, mas apenas com refeições leves. Fugir de alimentos lácteos também ajuda a evitar o enjoo.

 

Fechar os olhos diminui o desconforto causado pelo enjoo: Verdade, porque cessa o conflito entre as informações vindas da visão e do labirinto.

 

Beber refrigerante alivia a náusea, já que provoca arrotos: Mito. As bebidas gasosas aumentam a sensação de estômago cheio e, por isso, fazem o enjoo no mar piorar.

 

É possível habituar-se ao balanço dos barcos: Verdade, porque com o tempo e as saídas frequentes de barco, o organismo se adapta aos estímulos que provocam o enjoo do movimento.

 

Os medicamentos são inúteis depois que o enjoo já começou: Verdade. Eles devem ser tomados preventivamente antes dos estímulos conflitantes que desencadeiam o enjoo. Depois, pode ser difícil até reter o medicamento no estômago.

 

Bebês não sofrem de enjoo causado pelo movimento: Verdade! Crianças recém-nascidas não têm, ainda, o sentido da visão completamente desenvolvido e, por isso, não sofrem com o “equívoco” das informações e não ficam mareados.

 

Conversar evita enjoar no mar: Mito. Conversar apenas distrai. Mas pode atenuar o desconforto se a pessoa ficar olhando para fora do barco e não para a outra pessoa diretamente.

 

Pilotar o barco é bom para combater o enjoo: Verdade. O piloto tem o controle parcial da situação e isso ajuda a diminuir o conflito de informações que gera o enjoo.

 

O que pode e o que não pode comer

Fique de olho em quais comidinhas e bebidas podem fazer bem — ou bem mal — para os mareados.

LIBERADO QUANDO HÁ ENJOO NO MAR:

  • pão
  • bolacha água e sal
  • banana
  • melão
  • granola
  • arroz
  • água sem gás
  • suco de fruta
  • água de coco

 

EVITE QUANDO HÁ ENJOO NO MAR:

  • salgadinhos
  • biscoitos em geral
  • doces em geral
  • carne
  • maionese
  • camarão
  • cerveja
  • refrigerante
  • bebidas destiladas

 

Consultor técnico: Guilherme Kodja

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    E-combustíveis para o setor marítimo podem gerar 4 milhões de empregos, diz pesquisa

    Estudo foi encomendado pelo Fórum Marítimo Global e indica que as vagas serão abertas até 2050

    Futurista e feita de titânio: conheça a lancha de 55 pés que parece uma nave espacial

    Com estilo contemporâneo, será a primeira embarcação lançada pelo estaleiro Mirrari, dos Emirados Árabes Unidos

    Litoral de São Paulo e do Rio pode ter ondas de até 3 metros neste sábado (18)

    Alerta da Marinha do Brasil vale para as cidades de Santos e Campos dos Goytacazes; confira dicas de segurança em caso de ressaca marítima

    Projeto na Croácia quer criar cinco vilas ecológicas de luxo à beira mar com direito a barcos elétricos

    Ideia da eD-TEC visa redefinir o conceito de vida de luxo, oferecendo energia solar às moradias durante os 365 dias do ano

    Criança de 11 anos encontra fóssil de ictiossauro pré-histórico, o maior réptil marinho que já existiu

    Com a companhia do pai e pesquisadores, garota ajudou a desvendar a vida marinha de 200 milhões de anos atrás