Baía das fumaças

Por: Redação -
30/07/2015

Reykjavík. Esta cidade não figura nem entre as 51 listadas na seção de meteorologia dos grandes jornais nacionais. Para conseguir pronunciá-la, dá até nó na língua. Mas não pense que é um elo perdido ou um lugar no meio do nada. Trata-se da capital da Islândia, que apesar de ser uma ilha e estar localizada na parte mais ao norte do planeta, é o 11º país mais rico do mundo. A Islândia está entre as nações que possuem as menores densidades demográficas, com apenas 278 mil habitantes ocupando 103 mil quilômetros quadrados – ou seja, menos gente do que em muitos bairros brasileiros. Destes, 170 mil pessoas moram em Reykjavík e o resto se espalha pelas pequenas cidades e povoados que formam um cinturão em volta da ilha. No meio, não mora ninguém, nem construíram estradas. Até por que seriam intransitáveis na maior parte do ano, quando a neve encobre toda a superfície.

No verão, vai à Islândia quem quer ver o sol da meia-noite. Em janeiro, chega a outra turma, que prefere assistir à aurora boreal, um fenômeno meio fantasmagórico também conhecido como as luzes do norte – ondas de luzes verdes e roxas tingindo o céu estrelado. Mas o clima é sempre incerto, e a partir de outubro os dias vão  encurtando até quando apenas uma tímida luminosidade consegue penetrar pela densidão das nuvens do rigoroso inverno.

À beira do Atlântico azulado, rodeada por montanhas, Reykjavík é composta por centenas de casinhas multicoloridas, entre as quais despontam algumas torres de igreja. Um charme só! Atrás da Prefeitura, uma das poucas edificações modernas,  o lago Tjörn é um reduto de cisnes e patos que saem da água para vir comer na palma da mão de lindas criancinhas louras. O cenário parece mesmo uma pintura. Nem é preciso alugar carro para se locomover dentro da cidade, ainda mais se estiver hospedado num hotel central, como o tradicional Börg. Andando a pé, mapa na mão, é fácil se achar. Ao mesmo tempo que parece uma vila de interior, com poucas pessoas transitando nas ruas, Reykjavík revela aos poucos porque já foi eleita a capital cultural do continente europeu. Existem inúmeros museus, galerias de arte e teatros. Esculturas estão por toda parte, expressões modernas e clássicas de artistas nativos. Até a famosa cantora islandesa Björk já teve o seu busto esculpido. Praças públicas se transformam em palcos para shows e concertos durante o verão, e os eventos culturais são tantos que ocupam páginas inteiras dos guias turísticos.

Mas a verdade é que diante de tantos atributos,  Reykjavík é um destino cobiçado, e as operadoras que embarcam turistas de todo lugar da Europa estão ousando esticar o período das excursões e otimizando os pacotes. Tanto para antes da alta estação, como maio, e para depois, como setembro e outubro. Há quem esteja fazendo planos para ir passar o Natal e Ano Novo lá. Maluquice? Nem tanto: além dos islandeses festejarem como poucos estas datas, com uma magnífica decoração natalina pela cidade e um arsenal de fogos de artifício para a noite do Réveillon, as agências turísticas locais criam atrativos condizentes com alguns metros de neve. A nível de aventura, é claro. Portanto, quem gosta de um passeio de snowmobile, esse é o lugar apropriado.

Reykjavík, cujo nome significa baía das fumaças, deve seu nome às fontes de água quente que jorram por todo o país.  Além de serem atrativas para o banho, os cidadãos utilizam esta energia geotérmica e não poluente para aquecer e iluminar as suas casas.  Ou seja, estamos falando da capital menos poluída do planeta. E se da água do chuveiro do hotel emanar um odor sulfúreo, não estranhe. Dizem que faz bem à pele. Afinal, o terreno é vulcânico. E ainda hoje, vulcanicamente falando, esta terra é um dos lugares mais ativos do mundo, porque a Islândia é ainda um bebê. Faz pouco mais de 20 milhões de anos que vulcões irromperam ao norte do Atlântico e espalharam a lava que serviria de fundação para a ilha. A população está permanentemente ameaçada por vulcões, que podem entornar a sua caldeira a qualquer momento. Mas os islandeses não só convivem tranquilamente com a situação como são até capazes de ter senso de humor, rotulando por exemplo a erupção do Mount Hekla, em 1991, como “erupção para turistas”.  Na ocasião, não houve maiores danos e quem viu garante que o espetáculo valeu a pena. Crateras pipocam por todos os lados, algumas encobertas pela vegetação rasteira, outras ainda escuras. A paisagem é meio lunar. Por cima, constroem condomínios e imagine que até mesmo um campo de golfe foi incrustado no meio de uma imensa área de proteção ambiental, costeando o mar. Também são gratos pela água quente que jorra da terra. E por que não? Num clima frio, nada mais bem vindo do que piscinas geotérmicas à vontade. Assim como os Vikings que desembarcaram há quase mil anos atrás, os habitantes se banham nas águas sulfúreas com a mesma facilidade que o brasileiro mergulha no mar. A mais reputada é a Lagoa Azul, localizada na península de Reykjanes, a cerca de 32 km da capital e vinte minutos do aeroporto. A água a 38° C, rica em minerais e salina devido à proximidade do mar, é reputada pelos seus efeitos curativos nas doenças de pele e no embelezamento em geral.  O azul do nome da lagoa não foi dado em vão: a cor é de esmeralda com uma luminosidade que estonteia de longe.

A palavra “geysir” (gaiser, em português) foi inventada na ilha e descreve não só as fontes de água quente em geral como todos os jatos de água fervendo. Dirigindo-se em direção sul, a pouco mais de uma hora de Reykjavík, você pode  ver estes fenômenos naturais em plena exibição.  Haukadalur, onde ficam os gaisers, é um dos lugares mais frequentados pelos turistas, que querem ver de perto, mas muito perto mesmo, o célebre Grande Geysir.

Antes de contorcer a língua para aprender a pronunciar nem que seja o básico da polidez, como bom dia ou obrigado, é bom saber que no idioma islandês não existe uma palavra única para um mero  “por favor”. Então, orgulhe-se se conseguir apenas decorar o nome da capital, em si só uma proparoxítona complicada. Mas, caso for convidado para ir comer na casa de algum cidadão islandês, é de bom tom gravar pelo menos uma expressão que revela as praxes mais enraizadas na cultura nórdica – a de ser grato pela comida recebida: takk fyrir mig – obrigado pela refeição.

Deslumbre-se com algumas imagens da bela capital islandesa:

 

A jornalista e fotógrafa carioca Antonella Kann é uma travel expert em viagens que combinam atividades esportivas com quesitos de luxo 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano