Perigo no Pacífico Sul

Por: Redação -
13/03/2015

O ciclone batizado de Pam – de categoria 5 – causou mais uma vez o adiamento da quinta etapa da Volvo Ocean Race, regata que será disputada entre a Nova Zelândia e o Brasil. Especialistas indicam que o fenômeno é o mais forte dos últimos 40 anos no Pacífico Sul e está causando ventos de mais de 200 km/h e chuvas torrenciais. Por isso, a organização e os atletas decidiram por bem adiar a largada visando segurança da tripulação e barcos. Até a próxima terça-feira (17) nenhum veleiro pode deixar Auckland.

“Vimos nove ciclones categoria 5 nos últimos 40 anos no Pacífico Sul e este é o mais forte. Quando se aproxima das águas mais frias, ele vai diminuir de intensidade, mas vamos ver ondas gigantes de 8 e 9 metros”, disse Richard Green, da estação de rádio meteorologista RadioLIVE Nova Zelândia.

Knut Frostad, CEO da Volvo Ocean Race, voltou a se manifestar. “Estas condições são raras na regata e até na Nova Zelândia. Nós não vamos começar a perna até terça-feira”.

A decisão final de quando os barcos vão seguir viagem rumo a Itajaí será neste domingo após o comunicado oficial da Volvo Ocean Race. Para evitar problemas, a organização começou a desmontar as estruturas da Vila da Regata de Auckland, pois o fenômeno se aproxima da terra com ventos próximos 120 km/h.

Um ciclone é o mesmo tipo de fenômeno que um furacão ou um tufão, mas um nome diferente dependendo de onde ele é gerado. Eles se originam de um sistema de tempestades não-frontal caracterizada por um centro de baixa pressão. Roda no sentido horário na direção do hemisfério sul e sentido anti-horário no hemisfério norte. Quando uma tempestade deste tipo ultrapassa 118 km/h é renomeada de ciclone, furacão ou tufão.

“A tripulação do barco Mapfre fez um novo estudo de rota e podemos até nem atrasar tanto a chegada no Brasil no começo de abril. Quando tem condição de ventos fortes e onda gigantes, os barcos não correm tanto para poupar material e equipamento. Com a situação um pouco mais branda, podemos até acelerar mais. Mesmo assim a ansiedade é grande de chegar em casa”, disse o brasileiro André Fonseca.

A organização confirmou que irá realizar, neste sábado (14), a In-port Race ou Regata Local de Auckland. A prova faz parte de um campeonato paralelo da Volvo Ocean Race e os pontos servem para desempate na classificação geral.

Foto: Matt Knighton/Abu Dhabi Ocean Racing

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda

    Vila flutuante nas Maldivas promete ser o mais novo "point" dos milionários

    Projeto da rede de hotéis de luxo Soneva traz uma série de comodidades luxuosas com diárias a partir de R$ 25,6 mil

    São Paulo inaugura estruturas náuticas de uso público para alavancar turismo

    Municípios de Pereira Barreto, Três Fronteiras e Rubinéia deram início à primeira fase do Programa de Turismo Náutico

    Nada de bingo! Aos 81 anos, velejadora aposentada bate recordes navegando sozinha

    Mesmo aposentada, Jeanne Socrates já realizou voltas ao mundo num veleiro, e totalmente solitária

    Solara Boat House fará sua estreia nas águas durante o Rio Boat Show 2024

    Estaleiro terá ainda 3 lançamentos e outros 6 barcos no evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória