Arqueólogos encontram navio viking de 700 d.C em ilha na Noruega

Descoberta derrubou lenda popular e revelou tradição marítima dos povos escandinavos do século 8

13/06/2024
Imagem Ilustrativa / Envato

A chamada Era Viking (793 d.C. a 1066 d.C.) tem como um de seus pontos mais significativos as famosas expedições marítimas pela Europa, organizadas pelos vikings. Até hoje, o período é retratado em filmes e séries, atraindo aficionados do mundo todo. Essa história, contudo, acaba de ganhar um novo capítulo na realidade, com a descoberta de um navio viking de 700 d.C em uma ilha na Noruega.

Mais precisamente em um monte funerário na ilha de Leka, arqueólogos e detectores de metais encontraram um navio viking, datado de cerca de 700 d.C. Mais do que um curioso achado, a descoberta é um feito também histórico, já que trata-se do mais antigo exemplo conhecido de um enterro de navio na Escandinávia.

Fragmentos de madeira do navio encontrados na Noruega. Foto: P.H. Sommerschild / Reprodução

Antes da descoberta, acreditava-se que, ali, jazia os restos mortais do rei Herlaug (norueguês que governou de 872 d.C a 930 d.C.) e seus companheiros, que teriam se suicidado em massa para evitar uma derrota em batalha. A lenda, que agora caiu por terra, dá lugar a parte da história da humanidade, que chega ao conhecimento público.


Como era o navio viking

A descoberta do antigo navio viking se deu graças ao um estudo liderado pelo arqueólogo Geir Grønnesby, da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. Acredita-se que a embarcação possuía entre 39 e 46 pés, mas além das características materiais, o barco revela pontos sobre a vida e a tecnologia dos vikings antes da era mais conhecida.

O túmulo do navio em antigo mapa. Foto: P.H. Sommerschild / Reprodução

O achado traz vestígios de como era a construção naval e a capacidade marítima da época. Graças a análises, os arqueólogos acreditam que a embarcação era capaz de navegar pelo Mar do Norte, uma grande proeza marítima para um navio que ganhou, através da datação por radiocarbono, uma data de fabricação que antecede a própria Era Viking, alcançando de 793 d.C. a 1066 d.C.

Não sabemos se o navio era oceânico, ou seja, se cruzava o Mar do Norte até a Inglaterra. Mas ele tinha uma competência marítima que permitia ir ao longo da costa até o continente– disse Grønnesby, ao The New York Times

Além de Leka, acredita-se que cerca de 2,3 mil outros montes funerários estão espalhados pela Noruega, alguns também com lendas que resistem ao tempo, como a do cão Saurs, que governou Inderøy após ser imbuído de sabedoria mágica.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano