Canadá aprova primeiro barco movido a bateria para transporte de passageiros

Por: Redação -
27/08/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

A Ambassatours Gray Line, em parceria com a Glas Ocean Electric, são responsáveis por uma aprovação de segurança inédita do Conselho de Revisão Técnica Marinha do Canadá: um barco comercial de passageiros movido a bateria. A embarcação pode levar até 25 convidados para pescar em alto mar e foi estilizada pelo artista indígena de renome mundial Alan Syliboy, das Primeiras Nações Mi’kmaq. O barco ganhou o nome de Alutasi, que significa “um barco que guia para a melhor pesca”, também nas tradições Mi’kmaq.

O Alutasi – um Cape Islander de pesca -, bem conhecido no leste do Canadá, ganhou um sistema elétrico híbrido paralelo que incorpora o motor a diesel, além de uma reforma na propulsão, e um mural representando vários animais marinhos em seu casco. O barco passou por uma reforma de 17 meses até atender aos parâmetros de energia marinha renovável desejados pela Glas Ocean Electric. Esta, por sua vez, contou com a assistência financeira e doações de uma variedade de fontes públicas e privadas, incluindo a Nova Scotia Power e o Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá.

A intenção era instalar um sistema totalmente elétrico, mas o híbrido foi o escolhido, tanto por segurança, quanto por praticidade. Como a embarcação precisa navegar em dois tipos de águas diferentes a cada viagem – Porto de Halifax e as águas do Oceano Atlântico -, o diesel será usado para trânsito rápido no porto, e o motor elétrico no restante do trajeto.

As baterias de lítio são alternativas sustentáveis aos motores tradicionais, devido à sua versatilidade. São altamente energéticas quando se trata de recarga, já que o lítio é um elemento muito reativo, sendo esta uma das razões pelas quais pode produzir uma densidade de energia tão alta. O resultado é uma carga que é armazenada por mais tempo e se dissipa muito mais lentamente. Ainda existem as vantagens de não reagirem com água, serem relativamente pequenas e não haver a necessidade de requisitos especiais ou tempo de inatividade. Garante alta produção, mesmo em condições menos padronizadas, como temperaturas extremamente baixas (abaixo de zero).

Leia também

» Schaefer Yachts exporta primeira lancha de 77 pés para Porto Rico. Confira

» Operador de marina obtém certificação de Turismo Seguro na Espanha

» Conheça uma inusitada travessia de 154 milhas por rios e canais na Flórida

A Dra. Sue Molloy, CEO da Glas Ocean Electric há 4 anos, conta que um dos principais objetivos é mostrar às pessoas o potencial de barcos elétricos. A equipe, sob a sua liderança, é conhecida internacionalmente por seu trabalho no setor de energia renovável marinha. A Ambassatour Gray Lines, proprietária da embarcação, possui uma frota significativa, e Molloy explica estar confiante de que esta inovação náutica será o pontapé inicial para a influência em outros barcos turísticos. “Basta fazer um passeio pela manhã, carregar e fazer outro passeio à tarde”. Para isso, várias negociações com um dos financiadores – a Nova Scotia Power – estão em andamento. A proposta estudada é a de instalação de carregadores Nível 2 e Nível 3 nas docas da cidade, para carregar todos os barcos elétricos.

A CEO também é responsável por pesquisas sobre energia das marés na Universidade Dalhousie de Halifax, onde atua como Professora Adjunta. Ela conta que todo o processo de certificação de segurança para um barco de passageiros comercial foi muito complicado, porque o transporte canadense tem regulamentos muito rígidos em relação à segurança quando os passageiros estão envolvidos. “Poderíamos simplesmente ter optado por um barco de pesca e ter menos regras para lidar, mas como este é um barco de passageiros, há muito mais rigor”. Nessa mesma universidade, encontra-se uma equipe de pesquisa liderada por Jeff Dahn, voltada somente a baterias de lítio.

Os testes de garantia de sustentabilidade do Alutasi foram feitos com o intuito de mensurar as emissões de gases de efeito estufa e a emissão de ruído em três diferentes hélices – um novo, um em uso e um danificado, e em diferentes cargas. Os estudos apontam que o novo sistema reduzirá as emissões de gases de efeito estufa em 40%, e o ruído subaquático irradiado entre 40% e 60%.

O objetivo da Glas Ocean agora é produzir um barco de pesca totalmente convertido para a versão elétrica. As possibilidades correm pela Costa Rica e pelo Caribe, procurando sempre por barcos semelhantes ao Alutasi, que opera perto da costa. O tempo de retorno em termos sustentáveis é estimado em cinco a oito anos, mas, de acordo com Molly, caso haja operações que sejam usadas com frequência durante o ano todo, o retorno pode ser em dois anos.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 2019

    Evento chegou a sua última edição antes da pandemia consolidado como o mais importante salão náutico outdoor da América Latina

    Fountaine Pajot leva catamarã de 16 metros ao Rio Boat Show 2024

    Aura 51 é o maior catamarã a vela sem flybridge do estaleiro francês e estará no evento náutico de 28 de abril a 5 de maio

    No NÁUTICA Talks, Elio Crapun palestra sobre revolução dos hidrofólios nas embarcações

    Velejador abordará detalhes sobre realidade e avanços de barcos que navegam sobre fólios durante o Rio Boat Show 2024

    Casarini Boats levará mistura de bote com jet ao Rio Boat Show 2024

    Embarcação inovadora será um dos destaques do evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    No NÁUTICA Talks, Paula Vianna mergulha nos desafios da fotografia subaquática

    Vencedora de concursos internacionais, fotógrafa é presença confirmada no Rio Boat Show 2024