Empresa húngara lança o Cyberjet: um jet 100% elétrico

Por: Redação -
15/07/2021

Sonho de todo ambientalista, o GT 95 é um jet 100% elétrico. Não polui, não faz barulho, usa energia renovável e, de quebra, alcança 37 nós de velocidade máxima. O apelido, Cyberjet, é uma referência ao Cybertruck, da Tesla.

Para quem adora andar de jet mas não gosta de barulho nem fica confortável com a emissão de monóxido de carbono, um dos gases responsáveis pelo aquecimento global, a notícia é pra lá de especial.

cyberjet
O Cyberjet é a contrapartida marítima perfeita ao tão falado Cybertruck, o utilitário futurístico da Tesla

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

A Narke Electrojet — fundada por um grupo de empresários da Hungria, tendo entre os sócios a Como Yachts — deu um salto à frente ao apresentar o seu segundo jet “limpo” e de alto desempenho: o Narke GT95.

Não é uma moto aquática qualquer. Além de ser impulsionado por um motor 100% elétrico, o GT95 rompe com os padrões de design.

Projetado para produção em série, seu casco tem estilo ousado, destacando-se como contraparte marítima perfeita ao tão falado Cybertruck, o utilitário da Tesla que causou polêmica com seu visual futurístico, exatamente como o deste jet, ou melhor, Cyberjet.

Muito se falou também da enorme tela multimídia instalada na picape da Tesla. O GT 95 não deixa por menos: apresenta uma tela inteligente (personalizável) de 7 polegadas que exibe funções de navegação e meteorologia por meio de uma conexão Bluetooth, além de mostrar a quilometragem, a temperatura da água e a distância do porto ou fazer ou receber chamadas enquanto você estiver navegando.

cyberjet

O motor produz 95 hp (daí o nome do jet), com velocidade máxima, segundo dados do fabricante, de 37 nós (42,5 mph ou 69 km/h). A bateria de íon de lítio de 24 kWh promete autonomia de 31 milhas com uma única carga.

Antes de a carga acabar de vez, é preciso retornar a marina e “reabastecer”. O carregamento rápido completo leva apenas uma hora e meia. Como alternativa, é possível usar uma tomada doméstica comum — neste caso, a recarga demora cerca de seis horas.

Para avaliar o desempenho de seu Cyberjet, a Narke convidou o campeão mundial de jet Péter Bíró, que ao desembarcar era só elogios. “Fiquei impressionado com a velocidade e com a capacidade de fazer manobra do GT 95. Estou absolutamente emocionado com o quão incrível ele é”, disse o piloto.

Além disso, ressaltou ele, a navegação é silenciosa e a direção, macia, leve e altamente resistente em comparação com modelos convencionais de seu tipo. Sem falar nos benefícios para o planeta.

Leia mais:

» Laboratório flutuante vai estudar a concentração de carbono no Oceano Antártico

» Estaleiro promete embarcação totalmente livre de carbono até 2025

» Empresas se unem para criar robô capaz de identificar e recuperar resíduos plásticos marinhos

Batizada de Eco-conscious personal watercraft (motos aquáticas ecologicamente corretas), a linha de jets elétricos da Narke tem ainda um modelo 50% menos potente, o GT45, lançado em 2018.

Com 3,96 metros de comprimento (13 pés), o GT95 tem um conjunto de assentos de três lugares e plataforma de popa estendida. Mas, se é suave na água, no bolso ele pesa um pouco. Na Europa, está sendo vendido por € 39.000. É o preço que se paga pelo pioneirismo.

cyberjet

Em um projeto de cinco anos para lançar modelos elétricos de cada uma de suas linhas de produtos, a BRP planeja investir 300 milhões de dólares nos próximos cinco anos no desenvolvimento de produtos, equipamentos especializados, infraestrutura, ferramentas de produção e instalações.

Estima-se que o primeiro modelo elétrico seja lançado nos próximos dois anos.
Para isso, a empresa está desenvolvendo internamente sua tecnologia de powerpack modular Rotax, que será aproveitada em todas as linhas de produtos, aprimorando a experiência do consumidor ao oferecer novas opções elétricas.

E também criou um Centro de Desenvolvimento de Veículos Elétricos no Canadá, que contará com equipamentos de última geração, incluindo várias bancadas de teste sofisticadas e dinamômetros, além de uma célula de fabricação robotizada ultramoderna para baterias elétricas.

Outro polo de desenvolvimento na Áustria terá como foco o torque: o inversor e o motor elétrico de alto desempenho.

“Sempre dissemos que a eletrificação não era uma questão de ‘se’, mas de ‘quando’. Hoje, estamos muito entusiasmados em revelar mais detalhes de nosso plano para fornecer produtos que moldam o mercado, que irão aprimorar a experiência do consumidor, oferecendo novas opções elétricas”, disse José Boisjoli, presidente e CEO da empresa.

“Estamos aproveitando nosso know-how de engenharia e capacidades de inovação para definir a melhor estratégia para o desenvolvimento de produtos elétricos”, acrescentou.

Não perca nada! Clique aqui para receber notícias do mundo náutico no seu WhatsApp.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água