Destroços de iate de Saddam Hussein viram ponto turístico no Iraque

O que restou da embarcação após invasão dos EUA atrai turistas e serve até como ponto de encontro entre pescadores

30/03/2023
Foto: Reprodução / Inside Edition

Saddam Hussein viu as décadas de seu regime chegarem ao fim quando, há 20 anos, o Iraque foi invadido pelos Estados Unidos. A imagem que marca esse ponto da história resiste até hoje na confluência dos rios Tigre e Eufrates. É lá que estão as ruínas do iate de Saddam Hussein, chamando a atenção sobre as águas.

O iate de Saddam Husein leva o nome de Al-Mansur, que significa “Vitorioso”, em árabe. O fato de a embarcação ter virado até ponto de encontro faz sentido, já que não é difícil identificar o que, um dia, foi um megaiate presidencial luxuoso.

Foto: Reprodução / KNUD E. HANSEN

São 120 metros de comprimento e mais de 7 mil toneladas de uma embarcação que simboliza muito bem como se deu o fim de uma era.

Al-Mansur foi bombardeado, mas nunca afundou

A Guerra do Iraque começou em 20 de março de 2003, quando uma coalizão militar internacional, liderada pelos Estados Unidos, invadiu o país. No período que antecedeu o fatídico dia, o iate de Saddam Hussein estava atracado no Golfo.

 

Contudo, o próprio Saddam (que nunca havia embarcado no iate) emitiu ordens para que a embarcação deixasse seu ancoradouro em Umm Qasr.

 

Foi assim que o Al-Mansur chegou até onde está nos dias atuais: Basra, uma das três maiores cidades do Iraque e o principal porto do país. A intenção de Saddam era proteger a embarcação dos bombardeios, mas o que aconteceu foi o contrário.

Foto: Reprodução/Inside Edition

Vários ataques foram lançados contra o iate de Saddam Hussein ao longo de muitos dias. “Ele foi bombardeado pelo menos três vezes, mas nunca afundou”, contou Qahtan al-Obeid, ex-chefe de patrimônio de Basra, em entrevista à agência Reuters.

Como está o iate de Saddam Hussein atualmente

O iate de Saddam Hussein pode ser visto sobre as águas até hoje, carregando as marcas de um momento histórico da história mundial. Seus andares superiores (que ficam mais à vista), encontram-se carbonizados por um incêndio que começou devido ao bombardeio.

Após seus motores serem roubados, o barco começou a se inclinar. “Isso criou aberturas e a água entrou, fazendo com que ele perdesse o equilíbrio”, afirma Obeid. Além dos motores, o iate foi também saqueado, perdendo móveis, lustres e até partes de sua estrutura.

Foto: David Stanley/Flickr

A decadência do iate de Saddam Hussein é um fato. Alguns iraquianos defendem a preservação dos destroços, contudo, foram muitos os governos que não conseguiram alocar fundos para recuperar a embarcação.

Zahi Moussa, capitão naval que atua no ministério iraquiano dos transportes, é um dos que lamentam a situação atual do antigo iate presidencial. Para ele, o iate de Saddam Hussein “é como uma joia preciosa, como uma obra-prima rara que se guarda em casa. Nos entristece que esteja assim”, relata.

Saiba mais sobre o iate de Saddam Hussein

O Al-Mansur foi desenvolvido com casco de aço e superestrutura de alumínio, com deques de teca. Alimentado por dois motores a diesel Wartsila (8ZL40/48) de 8 cilindros e 5.997 hp operando a 560 rpm, o megaiate era capaz de atingir uma velocidade máxima de 20 nós.

Foto: Reprodução/Inside Edition

O iate de Saddam Hussein tem 120 metros e foi construído pelo antigo estaleiro Wärtsila (hoje STX Finland OY), na Finlândia, sendo projetado para o governo da República do Iraque como um iate de luxo presidencial oceânico.

 

Segundo o site do designer responsável pela obra, o dinamarquês Knud E. Hansen, o Al-Mansur foi entregue ao Iraque em 1983, duas décadas antes dos ataques.


Projetado para acomodar confortavelmente até 20 hóspedes em 10 suítes, a embarcação transportava até 120 tripulantes a bordo, com direito a elevador e ar-condicionado. Além disso, o megaiate foi equipado com uma cápsula de resgate mini-submarina. Curiosamente, ela também foi bombardeada durante a invasão americana, mas provou ser difícil de afundar e precisou ser demolida dois anos depois.

 

Agora, os destroços do iate de Saddam Hussein servem como ponto turístico e de encontro para pescadores. Entre eles, está Hussein Sabahi, que gosta de finalizar seus dias no rio Shatt al-Arab com uma xícara de chá a bordo do que restou da embarcação.

 

Segundo ele mesmo afirmou à agência Reuters, “quando era propriedade do ex-presidente, ninguém chegava perto (do barco). Custo a acreditar que isso pertenceu a Saddam e agora sou eu que transito por aqui.”

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho

    Iate Clube Armação de Búzios anuncia eleitos para a nova gestão; confira

    Em eleição realizada na última segunda-feira (13), o medalhista olímpico Marcos Soares foi nomeado o novo comodoro

    Brasileiro fez imagens inéditas de baleia que quase foi extinta: "indescritível"

    Documentarista flagrou uma das baleias mais rápidas do mundo no mar da Patagônia

    Venda de ingressos para o Marina Itajaí Boat Show 2024 já está aberta; garanta o seu

    Segunda edição do evento está ainda maior, com mais expositores e em formato de circuito 360º sobre a terra e as águas