Instituto Argonauta e Aquário de Ubatuba lançam boletim informativo do lixo nas praias do litoral norte

Por: Redação -
08/01/2019
Foto: Divulgação

O problema do lixo marinho sempre foi uma preocupação do Aquário de Ubatuba que,
desde 1997, mantém uma Campanha Contra o Lixo no Mar em parceria com o Projeto Tamar e, posteriormente, com o Instituto Argonauta. A partir do pioneirismo desta iniciativa, diversas linhas de atuação foram adotadas, sempre no intuito de alertar a população sobre os impactos no meio ambiente, na saúde e até na economia das quatro cidades (Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela) baseada, principalmente, no turismo de praia.

Dentro das últimas iniciativas do trabalho, estão a coleta diária de lixo nas praias pela
equipe do Instituto Argonauta (com apoio do Aquário de Ubatuba que cede as sacolas),
recolhendo sistematicamente os resíduos (foram 22 toneladas nos últimos 30 meses) que
fornecem dados para o que os pesquisadores estão chamando de um raio-x sobre o lixo, nas praias do litoral norte de São Paulo. Outra iniciativa recente foi a construção de uma árvore de Natal toda feita com lixo marinho para sensibilizar moradores e turistas.

“Acontece que, apesar de um aumento da preocupação e da veiculação de diversas
notícias sobre o tema, na prática ainda observamos uma enorme quantidade de lixo indo parar nos rios, praias e mar da região e o que é pior, afetando diretamente a fauna marinha”, diz o criador da ideia do boletim, o oceanógrafo Hugo Gallo, Presidente do Instituto Argonauta e Diretor do Aquário de Ubatuba.

“Para se ter uma ideia, de 2600 animais encontrados mortos e necropsiados pela equipe do Instituto Argonauta no âmbito do PMP-BS*, 48% apresentaram alguma interação com o lixo marinho”, ressalta a bióloga Carla Beatriz Barbosa, diretora executiva do Instituto Argonauta e coordenadora do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) na região.

Inspirado no Boletim de balneabilidade das praias editado mensalmente pela CETESB, e
que dá a qualidade da água nas praias no litoral de São Paulo medindo os coliformes, o Boletim do Lixo nas Praias se utiliza de uma metodologia científica adaptada à nossa realidade (Earll, R.C et al. intitulada Aquatic litter, management and prevention—the role of measurement. publicada no Journal of Coastal Conservation, 6(1), pp.67-78)) e estabelece quatro padrões de classificação das praias que vão da mais limpa até a caótica.

LEIA TAMBÉM
>>Schaefer Yachts constrói iate adaptado para pessoas com necessidades especiais
>>Brasileiro de Optimist, em Ilhabela, conta com palestra de Robert Scheidt na programação
>>Mercury Marine celebra 80 anos em 2019 com eventos globais

Os dados ao longo do mês são coletados diariamente pela equipe do Instituto Argonauta e
tabulados gerando um relatório, que deverá sair até o dia 10 de cada mês, sendo disponível online no facebook do Instituto Argonauta e pelo site www.institutoargonauta.org.

Segundo a MSc. bióloga Natalia Della Fina, gestora executiva do projeto, “o referido
trabalho poderá servir como referência tanto para um turista ou morador local que quer ir a uma praia e saber qual o estado de limpeza da areia, como para um gestor municipal direcionar os esforços na limpeza e na colocação de lixeiras. Auxilia também para uma análise mais profunda do problema através da elaboração de artigos científicos que estão em andamento e que serão publicados ainda neste próximo ano”, comenta.

“De fato o problema é bastante complexo e passa por uma solução conjunta que envolve
educação da sociedade, mobilização da sociedade civil organizada, academia e órgãos públicos, incluindo além do executivo, também o legislativo e o judiciário. A Europa já prevê banir os descartáveis ate 2020. Deveríamos começar a pensar da mesma forma”, completa Gallo.

Para quem vai à praia no litoral norte de São Paulo então, fica aqui a dica: consulte
sempre o boletim da Cetesb no site www.cetesb.sp.gov.br, e o do instituto Argonauta no
www.institutoargonauta.org. Se a praia estiver sem esgoto e sem lixo, boa praia! Caso contrário, se prepare para passar calor e evitar a água e a até a areia. Não se esqueça de sempre dispor de seu lixo em local apropriado! A natureza agradece.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Estrada de pedra de 7 mil anos atrás é registro da história no fundo do Mar Adriático

    Cerâmicas e outros artefatos encontrados no local são vestígios que podem ter pertencido a antiga civilização de Hvar, na Croácia

    Curtir paisagens com água diminui a frequência cardíaca, apontam estudos

    Efeito positivo da água sobre a pressão arterial foi comprovado em três experiências com humanos

    Estaleiro holandês Feadship lança seu primeiro superiate movido a energia solar

    Embarcação de 59,5 metros representa mais um passo da marca rumo ao objetivo de ser neutra para o clima até 2030

    Mestra levará seu maior barco ao Marina Itajaí Boat Show 2024

    Estaleiro estará no evento náutico com três opções de lanchas que vão de 29,5 pés a 35 pés

    Com sucata, mecânico constrói barco à mão para ajudar ilhados no Rio Grande do Sul

    Geraldo perdeu quase tudo na enchente, menos a vontade de ajudar ao próximo