Luto

Por: Redação -
10/06/2016

Nesta sexta-feira, 10, o falecimento de Abílio Ascot completa um mês. Chamado carinhosamente de “Bilico” pelos mais próximos, entrou no ramo náutico pelo universo da salvatagem. Com Antônio de Castro, sócio da Arimar Comércio e Indústria Ltda., fabricante dos produtos Ascot, Abílio esteve à frente de um negócio pioneiro, desde meados da década de 1960. Desde os primeiros coletes confeccionados em fibra vegetal — o Kapok, da família da paina de seda ou sumaúma — sob um tecido resistente na cor laranja e as boias, confeccionadas em fibra de vidro, quase artesanalmente, a família Ascot cresceu. Nas buscas por aperfeiçoar os produtos, Abílio deu os primeiros passos para o desenvolvimento de uma luz para coletes, com célula foto-elétrica, que foi patenteada e fabricada pela Ascot.

Com os anos, a fábrica investiu em equipamentos modernos, novas matérias-primas e modelagens; ampliou sua aérea de atuação e passou a exportar para os países da América do Sul. Vieram os coletes para todos os tipos de navegação, bem como embarcações, para resgate, desembarque de tropas da Marinha, para o Corpo de Bombeiros, para trabalho em Plataformas de Petróleo, assim como para cada modalidade esportiva. Sempre desenvolvendo um modelo adequado, incluindo pessoas com necessidades especiais e pets, novos tipos de boias e aparelhos flutuantes. A Ascot atendeu às orientações e especificações da Marinha do Brasil, e também às Normas Internacionais como a SOLAS e a IMO. Teve seus produtos aprovados e certificados, o que rendeu à fábrica o título de “Indústria de Interesse Nacional”. Por muitos anos, a marca liderou o mercado e, até hoje, é conhecida por seu pioneirismo e qualidade.

Apoiador do esporte, Abílio desenvolveu os equipamentos de segurança para a primeira viagem volta ao mundo em solitário de Amyr Klink, em 1983. “Acima de tudo, ele era um amante da vida e acreditava que a sua grande missão era proporcionar segurança para salvaguardar a vida das pessoas que desenvolvem atividades profissionais, de esporte e desfrutam o recreio na água”, relata Luana Peña, neta de Abílio, que faleceu no dia 10 de maio, aos 80 anos, deixando filhas, netos, bisnetos, inúmeros amigos e uma história que se mistura à própria evolução do mercado náutico brasileiro.

Foto: Arquivo pessoal

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória