Cientistas expõem os danos dos microplásticos que transportam metais na água. Veja

Por: Redação -
13/08/2021

Apesar de seu tamanho microscópico — que varia entre 1 micrômetro e 5 milímetros de comprimento —, os microplásticos não são nada inofensivos. Pesquisadores descobriram que, além de acumular e transportar poluentes orgânicos, esses resíduos também podem absorver e liberar metais e íons metálicos no mar, com o risco de afetarem a vida aquática e, por meio dela, a cadeia alimentar.

As informações são do estudo publicado no Journal of Hazardous Materials Letters, que explica que os resíduos são formados a partir da degradação de plásticos maiores despejados nos oceanos, e já estão sendo chamados de “Cavalo de Troia” do mar.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Também foram realizados experimentos em laboratório, nos quais as partículas do polímero se mostraram capazes de absorver e liberar metais e íons metálicos em condições químicas similares às do trato digestivo.

microplasticos

Os resultados foram obtidos pelos cientistas do Instituto de Química Ambiental Costeira do Helmholtz-Zentrum Hereon, na Alemanha, que analisaram as interações entre os microplásticos que flutuam nos oceanos e os metais dissolvidos em água.

O grupo avaliou o potencial de acúmulo de 55 metais e semimetais diferentes, em partículas de polietileno (PE) e tereftalato de polietileno (PET), que são amplamente utilizadas na confecção de sacolas de compras e garrafas de plástico. Elas mediam de 63 a 250 micrômetros.

Durante os testes, os pesquisadores observaram que, quanto menores as partículas, maior era a sua capacidade de acumular metais e semimetais. Eles também notaram que, enquanto íons como cromo (Cr), ferro (Fe), estanho (Sn) e metais de terras rara aderiram quase inteiramente aos microplásticos — e após apenas 1 hora —, outros como cádmio (Cd), zinco (Zn) e cobre (Cu) quase não se acumularam nos resíduos. Além disso, as partículas de PE apresentaram acúmulo significativamente maior do que as de PET.

Leia também

» Pesquisa divulga expectativa de recuperação do Rio Doce após tragédia em Mariana

» Megaiate híbrido funciona com biocombustível produzido a partir de resíduos de alimentos

» Lancha elétrica norte-americana promete autonomia de até cinco horas. Saiba mais

Na segunda etapa da pesquisa, ao avaliar o comportamento dos metais em uma solução que simulou as condições químicas que prevalecem no trato digestivo, o grupo concluiu ainda que as partículas carregadas com metais e semimetais liberaram quase completamente os respectivos conteúdos metálicos.

microplasticos

Isso, de acordo com os pesquisadores, indica que os microplásticos podem ser um vetor — ou um “Cavalo de Troia” — de metais, muitos deles considerados tóxicos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Os microplásticos não são apenas um perigo potencial para a vida aquática e humana, mas também servem como um ‘Cavalo de Troia’ para cátions metálicos dissolvidos”, escrevem os autores no estudo. “E, quanto menores as partículas, maior seu efeito de ‘Cavalo de Troia’. Portanto, pequenos plásticos particulados são de maior relevância para a vida humana e aquática, devido à introdução potencialmente significativa de metais e metaloides na cadeia alimentar”.

De acordo com o estudo, devido a uma suposta falta de locais de ligação aniônicos, “os cientistas há muito consideram os microplásticos inertes em relação aos íons metálicos”. A investigação é, portanto, descrita como a primeira a indicar que essas partículas também podem acumular e transportar metais nos oceanos.

Ao mesmo tempo, os autores enfatizam que o trabalho “deve ser encarado como uma prova de conceito” — isto é, um modelo prático que tenta provar um conceito teórico, apresentando resultados preliminares. As concentrações de microplásticos e metais também foram “consideravelmente mais altas” do que em uma situação ambiental realista, segundo o estudo.

“Nossa configuração de teste em laboratório foi realmente simplificada e sem organismos modelo”, explica, em comunicado, Lars Hildebrandt, um dos autores da pesquisa. “No entanto, os resultados fornecem evidências importantes de que as partículas microplásticas, quando absorvidas pelo corpo, agem como um tipo de ‘Cavalo de Troia’ para os metais, e que esses metais podem ser introduzidos nos organismos em maior medida dessa forma”.

“Os efeitos correspondentes na saúde aquática e humana ganharão maior importância no futuro próximo devido aos aumentos previstos de lixo plástico marinho e sorventes (substâncias que podem ser acumuladas) microplásticos”, diz o documento.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Não perca nada! Clique aqui para receber notícias do mundo náutico no seu WhatsApp.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial