Grupo com mais de 40 mulheres se aventura em pesca esportiva no Pantanal. Confira

Por: Redação -
05/11/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

No último sábado, 31 de outubro, um grupo de 42 mineiras de Uberlândia chegou ao Pantanal para encerrar a temporada de pesca de 2020. A pesca esportiva, atividade que há muito era majoritariamente masculina, hoje já tem um público 40% feminino. Maria Aparecida Oliveira Freitas, a Cida, 61, é uma das coordenadoras do grupo. Ela explica que “algumas colegas já vieram pescar no Pantanal com os maridos, mas a grande maioria vem sozinha pela primeira vez, e sempre muito ansiosa para conhecer a região”.

O grupo é formado por empresárias de diversos ramos. Cida, por exemplo, é cabeleireira e uma das pescadoras mais animadas. “Era um sonho de consumo conhecer o Pantanal e esse esporte tão gostoso. A gente sempre gostou de viajar entre amigas, e o Pantanal nos atraiu porque a estrutura para a pescaria aqui é fantástica”, explica.

pesca feminina

Leia também

» Conheça as sete mulheres a dar a volta ao mundo na Vendée Globe

» Orcas atacam veleiro, partem seu leme e deixam barco à deriva na costa portuguesa

» Marinha dos Estados Unidos completa 245 anos e conta com mais de 330 mil militares na ativa

As mineiras fecharam o pacote com o barco hotel Kayamã, fretaram vôo direto de Uberlândia, e a programação foi de pesca até a véspera do início da Piracema — dia 5 de novembro, no Mato Grosso do Sul. “Está dando tudo certo, e já estamos nos programando para voltar em 2021!”, conta Cida.

pesca feminina
Barco-hotel Kayamã, o primeiro cruzeiro fluvial da região

Partindo do aeroporto, o grupo, que usava camisetas cor de rosa como uniforme, foi levado pela operadora ao porto geral, onde compraram kits completos de pesca em uma loja especializada. De lá, o barco hotel seguiu em direção à região da Serra do Amolar, que fica a 180 km de Corumbá.

A própria dona da embarcação, Joice Santana, que acompanha os torneios de pesca, conta que as mulheres se mostraram muito competitivas na área, principalmente em grupo de amigas ou em família — de qualquer faixa etária. “Elas são muito animadas! Fazem uma diferença e tanto!”, explica Joice.

pesca feminina
Uma das visões ao longo da pesca pela Serra do Amolar.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Armatti Yachts vai exibir três lanchas no Marina Itajaí Boat Show 2024

    Modelos de 30, 37 e 42 pés marcarão presença no evento, que acontece de 4 a 7 de julho

    Por que a tocha olímpica não apaga debaixo d’água? Entenda

    Tradicional revezamento que antecede os Jogos contou com trecho submerso na França, a 20m de profundidade no Mediterrâneo

    Enorme submarino de guerra surge em Santos, no litoral de São Paulo

    Embarcação da Marinha, o Tikuna - S34 chamou a atenção ao atracar com tripulantes sobre o casco

    Quase 1.500 anos: cientistas identificam a planta marinha mais antiga do mundo

    Espécie de alga marinha surgiu no Mar Báltico no período das Invasões Bárbaras, de 375 d.C. a 700 d.C

    Copa Mitsubishi de Vela: 2ª etapa termina com premiação e domingo sem ventos

    Participantes disputaram regatas no sábado, mas premiação aconteceu no dia seguinte sem novas competições