BRP fornece jets Sea-Doo para segurança da navegação no Paraná

Em parceria com a Marinha do Brasil, marca disponibiliza motos aquáticas para ações na Capitania Fluvial do Rio Paraná

15/03/2023

O braço brasileiro da canadense BRP acaba de anunciar uma parceria com a Marinha do Brasil, a fim de garantir experiências seguras em motos aquáticas. O projeto da BRP com a Marinha teve a largada dada com a entrega de duas motos aquáticas Sea-Doo GTI SE 170 2023 para a Capitania Fluvial do Rio Paraná.

A iniciativa faz parte do braço de segurança aquaviária inserido no Plano Nacional de Expansão do Turismo Náutico com Motos Aquáticas, liderado pela BRP, que busca ser um pilar da segurança da navegação pretendida para o Brasil.

Os equipamentos farão com que a segurança da navegação seja levada à maior parte do Estado do Paraná, dentro da área de jurisdição de nossa capitania. – Edesio Raimundo, Capitão dos Portos da Capitania Fluvial do Rio Paraná

 

“A BRP vem executando essa prática no mundo todo por meio do programa Piloto Responsável (Responsible Rider). Desse modo, essa iniciativa com a Capitania Fluvial do Rio Paraná é a porta de entrada para mais iniciativas semelhantes em outras Capitanias ainda este ano, com grandes possibilidades de prorrogação”, explica Fernando Alves, Country Manager da BRP Brasil.

O segmento náutico mais seguro está diretamente ligado à capacidade de fiscalização e melhoria na formação do condutor – Fernando Alves, Country Manager da BRP Brasil

Sea-Doo GTI SE 170 2023 Foto/Divulgação

 

Programa Piloto Responsável

O Projeto da BRP com a Marinha é novidade no país, onde as ações e iniciativas que buscam conectar as comunidades de esportes motorizados e suas respectivas entidades acontecem desde outubro de 2022. Contudo, a prática da empresa já vinha acontecendo ao redor do mundo antes deste período, através do programa Piloto Responsável.

 

Parte fundamental nas ações de responsabilidade social da companhia, o programa quer estar presente em todas as experiências com motos aquáticas, UTVs e quadriciclos (em outros países o programa engloba ainda motos de neve) — não se limitando aos modelos da marca.

 

A ideia é que as aventuras dos mais experientes ou daqueles que estão chegando nesse universo sejam compartilhadas. O programa convida as partes interessadas a repensarem como abordar três importantes vertentes: segurança, meio ambiente e conduta de pilotagem, seja qual for o terreno.

Parte determinante neste processo, a Associação Brasileira das Escolas Náuticas (ABENAU), tem desempenhado um papel fundamental, trabalhando para a garantia da segurança entre usuários e embarcações.

A requalificação dos instrutores filiados é um dos projetos conjuntos, buscando o aprimoramento técnico e de comportamento do novo condutor para, no futuro próximo, ser a base para a Academia Sea-Doo no Brasil para instrutores e habilitados – Marcello Souza, presidente da entidade

 

Entenda como funciona o programa Piloto Responsável

Segurança: foca em como se está pilotando, ajustando o estilo de pilotagem às condições existentes. Além disso, incentiva o uso correto dos equipamentos de segurança.

 

Meio ambiente: incentiva os cuidados durante os passeios, mostrando a importância de deixar estradas, trilhas e cursos d’água melhores do que foram encontrados, evitando a poluição e recolhendo todo o lixo.

 

Conduta de pilotagem: busca dividir o passeio com outras pessoas, seguindo as regras, reduzindo o ruído, cuidando da velocidade e respeitando uns aos outros. Com isso, espera-se fomentar o entendimento de que cada um tem seu próprio jeito de pilotar, disseminando formas positivas de compartilhar conhecimento.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Primeiro catamarã a hidrogênio dos EUA está pronto para servir como balsa

    Guarda Costeira norte-americana autorizou o início do serviço, que transportará até 75 pedestres por vez pela Baía de São Francisco

    Governo do Rio de Janeiro reduz imposto para fabricantes de embarcações

    Vitória para o setor, incentivo fiscal para o setor náutico reduz de 27% para 7% a alíquota do ICMS para venda de barcos

    Teste Real 40 Cabriolet: lancha se destaca pelo conforto no cockpit, cabine e posto de comando

    Testada nas águas de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, modelo ainda chama atenção pela pilotagem a céu aberto

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho