Robert Scheidt conquista o título sul-americano da classe Star no Rio de Janeiro

Por: Redação -
12/11/2018
Foto: @José Olímpio.com/ICRJ/Divulgação

Robert Scheidt é campeão sul-americano da classe Star 2018. E foi com emoção. Em parceria com o proeiro Arthur Lopes, o bicampeão olímpico venceu a primeira regata deste domingo (11), no Iate Clube do Rio de Janeiro, para, na sequência, cruzar em segundo na última prova da competição. Com isso, saiu do quarto lugar na classificação geral, com 20 pontos perdidos, para a liderança, com 14, após os descartes. Contudo, a dupla Lars Grael/Samuel Gonçalves obteve os mesmos resultados no último dia da competição, mas invertidos – segundo e primeiro lugares – e chegou a mesma pontuação. O título foi decidido apenas no terceiro critério de desempate. Estavam iguais em número de vitórias (duas) e segundos lugares (um). A terceira posição obtida no sábado (10), deu a taça a Scheidt/Lopes.

“Foi um domingo bom no Rio de Janeiro, com vento forte e sol. Honestamente, para mim é inacreditável conquistar esse título. Começamos o dia distantes do primeiro lugar e eu acreditava mais na possibilidade de um pódio. Mas foi um dia bem velejado. Estou feliz e  surpreso por virar o jogo nas últimas regatas. E foi a primeira vitória importante com o Arthur Lopes. Havíamos ganho o Campeonato Paulista, mas vencer o Sul-Americano é importante para a gente”, comentou o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios, e que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

A conquista do título estadual da classe Star da parceria Scheidt/Lopes foi em abril, no Yacht Club Santo Amaro, em São Paulo. As águas cariocas trazem boas lembranças para Robert. Há um ano, ele ganhava a Taça Royal Thames, competição disputada no Iate Clube do Rio de Janeiro. Na época, seu proeiro era Henry Boenning, o Maguila. Antes de iniciar o sul-americano 2018, o bicampeão olímpico aproveitou o tempo livre para treinar com Boenning, com quem fará dupla na final da Star Sailors League, em dezembro, nas Bahamas.

O tempo não ajudou os velejadores no Rio de Janeiro nos primeiros dias do sul-americano. No primeiro dia, na quinta-feira (8), as regatas foram canceladas por falta de vento. Na sexta, apesar de as condições meteorológicas continuarem difíceis, foram três provas. Scheidt e Lopes foram melhorando o desempenho ao longo do dia. Começaram com um nono lugar, subiram para sétimo na prova seguinte e terminaram cruzando a linha de chegada na liderança na última regata. No sábado, mantiveram a regularidade com um terceiro lugar e, domingo, apresentaram o melhor desempenho com mais uma vitória e um vice na prova final.

O Brasil dominou o Campeonato Sul-Americano do Rio de Janeiro, que contou ainda com competidores da Europa. Entre os 20 barcos participantes, 16 competiram sob a bandeira verde-amarela, dois eram argentinos, um italiano e um holandês. No pódio, Robert Scheidt/Arthur Lopes e Lars Grael/Samuel Gonçalves tiveram a companhia de Jorginho  Zarif/Ubiratan Matos. No geral, os oito primeiros colocados foram brasileiros.

Focado nas Bahamas – Scheidt competiu no Rio de Janeiro concentrado em elevar seu nível de velejada visando a disputa da SSL Finals, em dezembro, nas Bahamas. Para essa competição, volta a formar dupla como Henry Boenning, com quem conquistou o vice-campeonato em 2017. “O Maguila competiu com o Dino Pascolato no Sul-Americano (terminou em sétimo lugar). Voltaremos a velejar juntos na final da Star Sailors League e, por isso, aproveitamos para fazer alguns treinos antes da regatas começarem”, contou Robert.

Carreira vitoriosa – Robert Scheidt tem duas medalhas de ouro olímpicas (Atlanta/96 e Atenas/2004 e uma prata (Sidney/2000) na classe Laser, mais uma prata e um bronze na Star (Pequim/2008 e Londres/2012). Ao todo, são 11 títulos mundiais na Laser e três na Star. Na Rio/2016, terminou na quarta colocação. Scheidt tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

Maior atleta olímpico brasileiro

Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star)

180 títulos – 88 internacionais e 92 nacionais, incluindo a Semana Internacional do Rio, o Campeonato Brasileiro de Laser e a etapa de Miami da Copa do Mundo, todos em 2016. Em novembro de 2017, pela Star, conquistou a Taça Royal Thames e, neste domingo, o Paulista de Star.

Laser
– Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
– Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
– Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
– Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Saiba como seu barco pode ajudar moradores do Rio Grande do Sul

    Grupo Náutica uniu forças com a CUFA para apoiar o estado atingido por enchentes; instituição busca pequenos barcos para o transporte de doações

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada