Robert Scheidt encerra o período de preparação de 2020 em Portugal

Por: Redação -
04/12/2020
Foto: Divulgação

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Robert Scheidt desembarcou em Portugal nesta quinta-feira (3) para um período de treinos e competição na classe Laser. É a chance de encerrar 2020 fazendo o que mais gosta, após um ano difícil, no qual a pandemia interrompeu boa parte da preparação e adiou o principal evento esportivo da temporada, a Olimpíada de Tóquio, transferida para o próximo ano, quando o velejador se tornará recordista brasileiro, com sete em participações nos Jogos.

Scheidt vai realizar a última etapa de preparação do ano em Vilamoura. Além de treinar, o bicampeão olímpico vai competir no 3rd Portugal Grand Prix – round 1, entre 8 a 12 de dezembro. “Espero que corra tudo bem. O objetivo é treinar contra os melhores da Europa e aproveitar o campeonato para ganhar ritmo. Este foi um ano totalmente atípico, no qual tive poucas chances de velejar e estou animado com a possibilidade de voltar a competir e terminar 2020 disputando regatas”, afirma o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios.

Leia também

» Nirvana IV: o veleiro que une tecnologia, inovação e sustentabilidade

» Estaleiro polonês lança catamarã ecológico com nova tecnologia de energia solar

» Estaleiro chinês lança catamarã de 56 pés em salão náutico internacional. Confira

O bicampeão olímpico explica porque escolheu finalizar os treinos de 2020 na região do Algarve, no sul de Portugal. “Vilamoura é hoje um grande centro de treino de inverno em função da temperatura ser mais amena nos meses de inverno. Além disso, oferece boas condições de velejada, com mar aberto e ondas no oceano Atlântico. Com bom regime de ventos, os melhores atletas do continente costumam vir para a cidade nessa época do ano”, analisa Robert Scheidt.

O Portugal Grand Prix será a segunda competição de Scheidt desde o início da pandemia. Em setembro, o bicampeão olímpico conquistou o vice-campeonato italiano da classe Laser, em Follonica, na região da Toscana. O título não veio por apenas um ponto. Ele venceu a última regata do campeonato que reuniu 45 velejadores de oito países. Com isso, terminou com 12 pontos perdidos, enquanto o norte-americano Charlie Buckinghan, ficou em 11.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda

    Vila flutuante nas Maldivas promete ser o mais novo "point" dos milionários

    Projeto da rede de hotéis de luxo Soneva traz uma série de comodidades luxuosas com diárias a partir de R$ 25,6 mil

    São Paulo inaugura estruturas náuticas de uso público para alavancar turismo

    Municípios de Pereira Barreto, Três Fronteiras e Rubinéia deram início à primeira fase do Programa de Turismo Náutico

    Nada de bingo! Aos 81 anos, velejadora aposentada bate recordes navegando sozinha

    Mesmo aposentada, Jeanne Socrates já realizou voltas ao mundo num veleiro, e totalmente solitária

    Solara Boat House fará sua estreia nas águas durante o Rio Boat Show 2024

    Estaleiro terá ainda 3 lançamentos e outros 6 barcos no evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória