Sítios arqueológicos submersos de, pelo menos, 7 mil anos são descobertos na Austrália

Por: Redação -
02/07/2020

Os primeiros sítios arqueológicos aborígines subaquáticos foram descobertos no noroeste da Austrália. Eles foram datados de milhares de anos atrás, quando o atual fundo do mar era terra seca.

As descobertas foram feitas através de uma série de levantamentos arqueológicos e geofísicos no arquipélago de Dampier. O trabalho é parte do projeto Deep History of Sea Country (DHSC), financiado pelo Discovery Project Scheme do Conselho de Pesquisa da Austrália (ARC, na sigla em inglês).

Os artefatos aborígines descobertos na costa de Plibara, na Austrália Ocidental, representam o caso de arqueologia subaquática mais antigo da Austrália.

Uma equipe internacional de arqueólogos da Universidade Flinders, da Universidade da Austrália Ocidental, da Universidade James Cook, da ARA – Airborne Research Australia e da Universidade de York (Reino Unido) fizeram parceria com a Murujuga Aboriginal Corporation para localizar e investigar artefatos antigos em dois locais subaquáticos que produziram centenas de ferramentas de pedra feitas por povos aborígines, incluindo moagem de pedras.

Em um estudo publicado na revista Plos One, os antigos locais subaquáticos, em Cape Bruguieres e Flying Foam Passage, fornecem novas evidências dos modos de vida aborígines de quando o fundo do mar era terra seca, milhares de anos atrás.

LEIA TAMBÉM
>> Teste Intermarine 62: navegamos em uma das lanchas mais desejadas do Brasil
>> 11 barcos-conceito fantásticos que podem ir para as águas nos próximos anos
>> Navegador argentino cruza o Atlântico para ver seus pais em meio à pandemia

As paisagens culturais submersas representam o que é hoje conhecido como País do Mar para muitos aborígines australianos. Eles têm uma profunda conexão cultural, espiritual e histórica com esses ambientes subaquáticos.

“A Austrália é um continente maciço, mas poucas pessoas percebem que mais de 30% de sua massa terrestre foi submersa pelo aumento do nível do mar após a última era glacial. Isso significa que uma grande quantidade de evidência arqueológica que documenta a vida dos aborígines está agora embaixo da água”, alertou o professor associado Jonathan Benjamin, coordenador do Programa de Arqueologia Marítima da Faculdade de Humanidades, Artes e Ciências Sociais da Universidade Flinders.

A equipe de mergulho mapeou 269 artefatos em Cape Bruguieres em águas rasas, a profundidades de até 2,4 metros abaixo do nível do mar atual. A datação por radiocarbono e a análise das mudanças no nível do mar mostram que o local tem pelo menos 7 mil anos.

O segundo local, na Flying Foam Passage, inclui uma nascente de água doce subaquática 14 metros abaixo do nível do mar. Estima-se que esse sítio tenha pelo menos 8.500 anos. Ambos os locais podem ser muito mais antigos, pois as datas representam apenas idades mínimas.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Concurso levará estudantes para visitar moderno navio de pesquisa da Marinha do Brasil

    Alunos de ensino superior, médio e fundamental podem participar de disputa de redação organizada pelo Centro de Excelência para o Mar Brasileiro

    Volvo Penta levará simulador de atracação virtual ao Boat Show de Itajaí

    Além da experiência imersiva, marca apresentará aos visitantes do evento náutico o sistema IPS para navegação otimizada

    Ícone da vela brasileira, Robert Scheidt lança biografia em livro

    Com noite de autógrafos do velejador, evento de lançamento será nesta quinta-feira (20), em São Paulo

    Mudanças climáticas estão afetando o tamanho das baleias-cinzentas; entenda

    Em estudo, pesquisadores afirmam redução de 13% no comprimento do animal nos últimos 25 anos

    Itajaí é polo náutico forte; conheça alguns estaleiros da região

    Das pequenas lanchas aos grandes iates, estaleiros de renome fabricam seus barcos em território itajaiense