Tartaruga gigante de quase 2 metros pode ter vivido com humanos na Amazônia

Cientistas analisaram fóssil encontrado em área de garimpo e nomearam o animal em homenagem a personagem de Stephen King

20/03/2024
Imagem ilustrativa

Um pedaço de fóssil encontrado em uma área de garimpo de Rondônia revelou que tartarugas gigantes podem ter habitado os grandes rios da região Amazônica há cerca de 40 mil anos. Segundo os pesquisadores, os animais possuíam carapaças com cerca de 1,80 metro, tamanho médio de um homem adulto.

A novidade, publicada na revista científica The Royal Society neste mês, indica que esses super cágados podem ter convivido com os primeiros seres humanos a habitar a região — embora essa possibilidade ainda seja objeto de discussão.

 

Os restos do animal consistem apenas em um pedaço de mandíbula, achado por garimpeiros em uma área do Rio Madeira, na capital Porto Velho. Devido à pequena amostra, cientistas não têm certeza sobre a idade da tartaruga, mas a estimativa usa como base os sedimentos da localização do fóssil.

Foto: Divulgação. As letras (a), (b) e (c) representam, respectivamente, fotografias, contornos e representações 3D da tartaruga gigante, a Peltocephalus maturin. A letra (d) indica a representação 3D da Pe. dumerilianus, para efeitos de comparação. A imagem foi extraída do artigo científico.

Ao que tudo indica, o Peltocephalus maturin — nome científico do animal — foi o último dos cágados gigantes amazônicos e desapareceu no final da Era do Gelo, também chamada de período Pleistoceno.

Está entre as maiores tartarugas de água doce já encontradas. Esta descoberta apresenta a mais recente ocorrência conhecida de tartarugas gigantes de água doce, sugerindo a coexistência com os primeiros habitantes humanos na Amazônia- aponta o estudo.

Indícios observados

Os restos de madeira carbonizada encontrados nas camadas mais baixas do garimpo, estudados pelos pesquisadores, datam de uma época entre 46 mil e 21 mil anos atrás. Porém, a datação feita a partir do osso da tartaruga gigante sugere algo diferente: o animal teria vivido entre 14 mil e 9 mil anos atrás.

 

Essa segunda faixa vai de encontro à chegada dos ancestrais dos povos indígenas à região amazônica, mas os cientistas suspeitam que o estado de preservação do fóssil e as condições ambientais do entorno estejam “rejuvenescendo” a amostra de forma enganosa.

 

Pesquisadores também especulam se há uma relação entre o desaparecimento da tartaruga gigante com a chegada do homem à região, já que há registros de que outros cágados de grande porte foram extintos conforme o avanço da ocupação humana. Mas, por ora, não há dados que comprovem a coexistência com os maturin ou a participação deles na alimentação dos povos antigos.

Nome curioso

O tamanho da tartaruga gigante foi estimado com base em sua poderosa mandíbula, que, por si só, mede quase 30 centímetros.


Os detalhes anatômicos do animal permitem sua classificação como membro do gênero Peltocephalus, o mesmo de uma espécie que vive até hoje no Norte do país: a Pe. dumerilianus – ou tartaruga-de-cabeça-grande-do-amazonas -, com a qual a maturin foi comparada.

 

Já a segunda parte do nome desse animal recém-descoberto contou com a criatividade dos cientistas que o estudaram. “Maturin” refere-se à tartaruga gigante que vomitou o universo nas histórias de Stephen King. O autor conhecido por seus thrillers, por sua vez, se inspirou no personagem Stephen Maturin, um médico e naturalista que conhece tartarugas gigantes nos romances de Patrick O’Brian.

 

Em tempos mais remotos, tartarugas ainda maiores ocuparam a Terra, como a Stupendemys geographica, cuja carapaça se aproximava dos três metros de comprimento. Ela desapareceu por volta de 5 milhões de anos atrás.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Danimar leva scooter aquática e modelos off road ao Rio Boat Show 2024

    Concessionária oficial de marcas como Segway, empresa também apresentará UTV e quadriciclo ao público do evento náutico

    André Homem de Mello recorda histórica volta ao mundo a vela no NÁUTICA Talks

    Primeiro brasileiro a alcançar o feito em solitário e sem escalas integra agenda recheada do Rio Boat Show 2024

    Fernando Moraes conduz mergulho pelas ilhas brasileiras no NÁUTICA Talks

    Biólogo marinho trará à tona detalhes sobre biodiversidade e história de locais emblemáticos durante o Rio Boat Show 2024

    Prós e contras do envelopamento náutico serão discutidos com Pedro Dias no NÁUTICA Talks

    Especialista em adesivagem náutica, "Pedrinho" vai conduzir bate-papo na série de palestras do Rio Boat Show 2024

    Canal Náutica no YouTube fará cobertura ao vivo do Rio Boat Show 2024

    Evento náutico mais charmoso da América Latina contará com transmissão ao vivo todos os dias