Teste SuperJet Yamaha 2023: novo motor para conquistar novas gerações

Uma das maiores evoluções da moto aquática de pilotagem em pé, modelo agora conta com motor 4 tempos de 110 hp

Por: Redação -
24/04/2023

Um clássico das motos aquáticas chegou à sua terceira geração totalmente renovado e com um público fiel e apaixonado. Entre as muitas inovações do SuperJet Yamaha 2023, a principal está na casa de máquina ou porão estanque. Náutica fez o teste dessa máquina  da Yamaha feita para pilotagem em pé.

Só para exemplificar, o modelo passou por atualizações mecânica e eletrônica e teve o casco redesenhado do zero. Mas, além disso, SuperJet Yamaha 2023 agora tem um motor quatro tempos de 1.049 cilindradas e 110 hp de potência, sem carburador. Isso permite manobras ainda mais ousadas e emocionantes.

Para os não-experts no assunto, vale esclarecer que os jets do tipo stand-up são máquinas potentes e ariscas, preparadas para competições ou simples diversão na água: correr, pular e surfar ondas, brincar, dar cavalo de pau. Ou seja, para praticar esportes e gerar adrenalina durante as aceleradas radicais.

 

 

Os primeiros modelos chegaram ao Brasil na década de 1980, quando o “brinquedo” criado pela Kawasaki passou a ser produzido por outras marcas, como Bombardier, Polaris e, claro, Yamaha. Em seguida, ganhou uma grande popularidade e logo vieram as competições. É quando o SuperJet entra em ação.

 

A moto aquática da Yamaha moldou uma geração de apaixonados por esportes aquáticos radicais, como o multicampeão brasileiro Alessander Lenzi. Era uma das queridinhas dos racers, freestylers, freeriders, sem contar os pilotos de fins de semana viciados em velocidade e adrenalina.

Quando a Yamaha o lançou, em 1990, certamente esperava que o SuperJet faria sucesso, mas não a ponto de marcar época. Passados 32 anos, o WaveRunner stand-up continua em ação — renovado, mas sem perder sua alma. Não é difícil entender seu suceso.

 

Segundo os aficionados, ele faz curvas como se estivesse sobre trilhos. Nada a ver com o conforto do jet sentado, em que se navega macio e tranquilo. Voltado para o uso mais ativo, como manobras e corridas, o SuperJet da Yamaha exige melhor preparo físico. O tempo inteiro o piloto faz movimentos de braços e de pernas, e exercita o equilíbrio.

Com cockpit mais largo, assim como a proa, faz a manobra de saída e a transição para a posição de joelhos (e depois em pé) bem fácil, menos complicada do que se pode imaginar. Já nas curvas ou em marolas, sem a prática a coisa complica.

Neste teste, foram duas quedas, até conseguir fazer as curvas fechadas, acelerar e ganhar confiança.

 

No início, para quem não tem mobilidade e um pouco de agilidade, manter-se em pé é difícil e fazer as curvas, ainda mais complicado. Mas logo o piloto pega as manhas, e o que era desafio vira um prazer, uma diversão incomparável.

SuperJet Yamaha ao longo dos anos

A primeira geração do SuperJet da Yamaha, com motor de 633 cilindradas e potência de 50 hp, foi lançada em 1990 e se estendeu até 1995. A segunda geração, com motor de 701 cilindradas e 63 hp (depois 73 hp), foi de 1996 a 2020. Em todas elas o casco era construído com uma folha moldada de poliéster reforçada com fibra de vidro.

Em 2021, para desafiar uma nova geração de pilotos, o stand-up da Yamaha passou por uma mudança completa, ganhando um casco redesenhado do zero e um motor TR-1 de 3 cilindros e 4 tempos, de 1049 cilindradas.

 

Nesse upgrade, o casco — construído por um método de infusão de resina a vácuo — ficou mais compacto, leve (agora pesa 170 kg) e resistente, passando a oferecer maior rendimento, de acordo com a Yamaha, 56 mph de máxima. Além disso, há baixo consumo de combustível.

Por sua vez, as manoplas agora são de alumínio, mais resistentes a impacto que as anteriores, que eram de fibra. O painel ganhou um marcador do nível de combustível. A coluna de direção passou a ser ajustável em três posições: +25/0/-25 mm. Já o tanque de combustível tem capacidade para 19 litros, incluindo 5,5 litros de reserva.

 

Também houve um acréscimo de 20% de espaço para os pés no cockpit em relação aos modelos anteriores, o que facilita especialmente a vida de quem não experiência nenhuma, além da adição de um pega-mão na popa, que ajuda o piloto a retornar a bordo no caso de queda.

Já entre os recursos tecnológicos, o SuperJet Yamaha 2023 tem limitador de potência do motor, que limita a potência do motor para 85%, facilitando a pilotagem dos iniciantes — as pessoas que andam pela primeira vez têm dificuldade em se manter em pé, além de lutar com o controle do acelerador.

À medida que a habilidade aumenta, o restritor pode ser desativado, e o motor passa a despejar toda a sua potência. Então, você tem a sensação de estar num parque de diversões.

Um dos poucos detalhes mantidos das gerações anteriores no SuperJet Yamaha 2023 é a proa larga (embora o velho “nariz quadrado” tenha sido arredondado), com o qual o jet mantém ótima estabilidade tanto nas curvas quanto em linha reta.

 

Além disso, vincos gravados na parte inferior do casco criam uma forte aderência, e melhoram o desempenho nas curvas mais inclinadas. Sem contar que o bocal do hidrojato pode ser ajustável de 16 a 19 graus, de acordo com o estilo do piloto, como o trim da rabeta de uma lancha.

Já na hora de recolher a máquina, após os passeios, há um kit para adoçar o motor, o famoso flush. Você coloca a mangueira de água doce, deixa de três a quatro minutos, e o motor já está pronto para a próxima saída.

Com menos de 2,5 metros de comprimento e 170 kg, o SuperJet pode ser erguido por duas pessoas e levado facilmente na plataforma de popa de qualquer lancha a partir de 35 pés, na traseira de uma picape ou até na parte interna de um automóvel do tipo SUV.

Saiba tudo sobre o SuperJet Yamaha 2023

Velocidade: 56 mph (47 nós)
Capacidade: 80 kg (1 pessoa)
Combustível: 19 litros
Potência: 110 hp
Preço: a partir de R$ 89.890,00 (pesquisado em abril/2023)

 

Reportagem: Guilherme Kodja 
Edição de texto:
Gilberto Ungaretti
Edição de vídeo: Lucas Ribeiro
Fotos: Victor Oliveira e Divulgação

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória