Vitória do setor

Por: Redação -
31/03/2016

O último dia de março traz uma boa notícia para o mercado náutico. Seguindo uma diretriz já adotada por São Paulo, Santa Catarina e Paraná, que concentram dezenas de estaleiros, o Rio de Janeiro — que, igualmente, reúne uma importante parcela produtiva do setor —, por meio da Secretaria de Estado de Fazenda, decidiu, excepcionalmente, isentar as vendas realizadas por cláusula FOB (que refere-se a transações nas quais o comprador assume todos os riscos e custos relativos ao transporte da mercadoria) da necessidade de adotar a alíquota interestadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), conforme determina a Emenda Constitucional 87/2015. A partir de agora, com a decisão do governo fluminense, somente podem ser consideradas interestaduais operações em que a entrega da mercadoria for feita em unidade federada diferente do estabelecimento remetente. Do contrário, trata-se de venda interna.

Até então, com a emenda constitucional 87/2015, que entrou em vigor em 1º de janeiro, o ICMS passou a ser partilhado entre as Unidades de Federação (UFs) de origem e de destino, cabendo ao estado de localização do destinatário o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna do estado de destino e a alíquota interestadual, a ser pago pelo contribuinte — no caso, o estaleiro. Até 31 de dezembro do ano passado, nas operações interestaduais para consumidor final, o ICMS era recolhido somente para o estado de origem. A nova emenda estabelece, ainda, uma progressão no valor da divisão em favor do estado de destino, que ficará com 100% do imposto a partir de 2019 — hoje, fica com 40%.

Tão logo foi anunciada, há cerca de um ano, as novas regras do ICMS provocaram apreensão nos estaleiros, por conta de impactos nos custos operacionais e de comercialização de embarcações e produtos náuticos em geral. A preocupação tornou-se maior, evidentemente, com a entrada em vigor da emenda e, com o objetivo de esclarecer e exemplificar os novos procedimentos para consumidores finais, a Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e Seus Implementos (Acobar) convidou seus associados para participar de um curso, no início de março, em São Paulo, sob a coordenação do contador da entidade, Alexandre Andrade.

Nos estados onde foi adotada a cláusula FOB, empresas poderão continuar produzindo e comercializando seus produtos sem o ônus da elevação dos custos operacionais. “Nós, da Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e Seus Implementos, trabalhamos em prol do mercado, nas diversas frentes, e a questão tributária é latente”, avalia Eduardo Colunna, presidente da associação, que tem defendido esse pleito junto aos estados da Federação. Ele reforça que o consumidor final também sai ganhando e que isso deverá se refletir, positivamente, no Rio Boat Show, que ocorrerá de 8 a 17 de abril, na Marina da Glória.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória