Tipos de proa: conheça os diferentes formatos e a indicação para cada barco

Desenho desta parte da embarcação pode afetar drasticamente o desempenho do barco

Por: Redação -
30/05/2023

Como todo navegante tarimbado sabe, o tipo de proa deve ser definido ainda na fase do projeto do barco e de acordo apenas com o uso para o qual o modelo se destina. Cada formato exige um desenho diferente, em função, principalmente, do tipo de navegação que ele terá.

Ultimamente, as proas de alguns veleiros e lanchas passaram a ficar perpendiculares à linha d’água, ou mesmo com a parte inferior mais lançada, em um ângulo invertido.

 

Mais do que modismo ou tentativa de dar aos barcos um perfil mais agressivo, estes novos e incomuns formatos de proa revelam uma tendência, mas — atenção! — isso não quer dizer que você deva colocar isso como ponto básico na hora de escolher o seu próximo barco.

 

Há, afinal, razões técnicas e não apenas estéticas para cada tipo de proa. “Inovações são sempre bem-vindas, desde que adotadas com critério”, adverte Márcio Schaefer, projetista dos barcos da Schaefer Yachts.


Caso o intuito seja, por exemplo, apenas passear com uma lancha cabinada, com flybridge, acima dos 40 pés, uma proa mais arredondada aumenta consideravelmente o conforto a bordo, uma vez que esse tipo de barco é projetado para navegar em águas costeiras.

 

Já se o objetivo for pescar em mares mais abertos, o melhor é uma proa mais afilada. “O mesmo tipo de proa que melhora o comportamento de um barco na água pode arruinar o desempenho de outro, dependendo do modelo”, afirma o projetista.

 

Antes de escolher o desenho, portanto, é preciso definir o uso que o barco terá. NÁUTICA explica, abaixo, algumas características de cada tipo de proa.

Sete tipos de proa para encarar as ondas

Proa com bulbo

A proa com bulbo é a típica proa de cascos deslocantes, como navios e trawlers. Nela, o bulbo fica um pouco abaixo da linha d’água, o que reduz a resistência e, consequentemente, aumenta a velocidade, além de diminuir o consumo de combustível. Esse bulbo, contudo, pouco interfere na capacidade do casco de enfrentar mares agitados.

Multicascos com proas wave-piercing

Como o nome indica (“wave-piercing” quer dizer algo como “furar a onda”), este tipo de desenho faz com que a proa mergulhe nas vagas, tal qual as proas invertidas.

Foto: Beneteau / Divulgação

Os barcos que utilizam proas wave-piercing geralmente são trimarãs, cujos cascos laterais são mais esguios, enquanto o central é bem volumoso e, quase sempre, fica fora d’água. Há lanchas de passeio que foram lançadas com este tipo de proa.

Proa lançada em V

A proa lançada em V é típica das lanchas de lazer, usada também em alguns navios. Seu formato, em V, ajuda a amortecer o impacto das ondas. Com o barco planando, o bico lançado diminui a resistência à água. Em caso de mar agitado, esta característica também evita que o casco mergulhe nas ondas.

Proa lançada para veleiros

Típico dos barcos a vela mais antigos, a proa lançada para veleiros já caiu em desuso. A grande inclinação na proa garante bom desempenho em mar aberto, mas diminui o comprimento de linha d’água e limita o espaço na cabine de proa.

Proa reta ou pouco lançada

Foto: Axopar / Divulgação

Formato da proa das lanchas mais antigas e, curiosamente, também de algumas ultramodernas, como as dos estaleiros Wally, Axopar e Zonda. Inspiradas nos veleiros da classe IMS, a proa reta ou pouco lançada deixa o casco mais veloz, mas levam o barco a mergulhar em alta velocidade, pois não tem muito volume.

Proa invertida

Nodosa Group / Divulgação

A proa invertida é desenhada para furar a onda, em vez de escalá-la, o que resulta em um navegar mais suave, porém molhado. Esse tipo de proa é usada em alguns barcos militares e em raros barcos de cruzeiro. Um casco com esta proa exige que a área habitável do cockpit seja localizada o mais próximo possível da popa, já que a parte da frente é lavada constantemente.

Proa lançada em V, com flare

Variação da proa lançada em V, a proa em V com flare é mais usada em lanchas de pesca em alto-mar. Debaixo d’água, o V do casco é bem acentuado, mas na parte superior assume uma curva lateral invertida, ou seja, abaulada para fora, para direcionar a água de volta ao mar, mantendo o barco mais seco. Em virtude do grande volume de casco acima da linha d’água, o barco dificilmente mergulha em ondas maiores.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial