Arquipélago dos Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, é aberto ao turismo náutico

Por: Redação -
17/12/2018

O arquipélago dos Alcatrazes, localizado a 45 km do porto de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, foi aberto ao turismo náutico neste domingo (16). Um dos maiores ninhais de aves marinhas do Sul e Sudeste brasileiro, o arquipélago foi, desde a década de 1980 até 2013, local de exercício de tiros da Marinha e estava fechado para visitação.

É a primeira vez que o turismo na região é feito de forma organizada. A descida em terra continua proibida. Os turistas podem ver a ilha do barco e mergulhar de snorkel ou de cilindro em mais de dez pontos da região.

O passeio até o arquipélago pode ser feito apenas por meio de empresas autorizadas pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgão que, junto com a Marinha, faz a gestão da área. Lanchas particulares continuam proibidas de parar no local.

Há 32 operadoras cadastradas pelo órgão, mas apenas duas começaram a fazer o passeio neste domingo: Universo Marinho, com saídas de São Sebastião, e Colonial Diver, de Ilhabela. As operadoras cobraram por volta de R$ 700 pelo mergulho inaugural de cilindro.

Em janeiro, mais três devem iniciar as operações e, até março, mais cinco. Nessa etapa, haverá também barcos partindo de Bertioga e Santos – a lista de empresas autorizadas será disponibilizada no site do ICMBio.

LEIA TAMBÉM

>>Salão náutico alemão completará 50 anos em 2019
>>Yamaha anuncia estratégias de crescimento a médio e longo prazo
>>Azimut-Benetti fica em primeiro lugar no Order Book

Durante um ano e meio, pesquisadores vão analisar os impactos do turismo na preservação dos corais e no comportamento dos peixes. Depois disso, será avaliada a necessidade de fazer mudanças na visitação.

O refúgio abriga mais de 1 300 espécies, 100 delas estão ameaçadas de extinção. Lá encontra-se o maior ninhal de fragatas do Atlântico Sul e é área de alimentação, reprodução e descanso para mais de 10.000 aves marinhas.

Nas águas de Alcatrazes também há a maior quantidade de peixes do Sudeste do Brasil. Durante o ano inteiro, podem ser avistadas baleias-de-bryde e diversas espécies de golfinho. Já as baleias-jubarte aparecem por ali no outono e no inverno.

Em 2016, foi criado o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, que transformou a área de 674 km² em unidade de conservação.

O nome Alcatrazes vem de como eram chamadas espécies de gaivotas marinhas. Uma das hipóteses é que o batismo veio do viajante alemão Hans Staden, que passou dez meses como prisioneiro dos índios Tubinambás, no século 16. Na ocasião, ele navegou por ilhas do litoral paulista.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho

    Iate Clube Armação de Búzios anuncia eleitos para a nova gestão; confira

    Em eleição realizada na última segunda-feira (13), o medalhista olímpico Marcos Soares foi nomeado o novo comodoro

    Brasileiro fez imagens inéditas de baleia que quase foi extinta: "indescritível"

    Documentarista flagrou uma das baleias mais rápidas do mundo no mar da Patagônia

    Venda de ingressos para o Marina Itajaí Boat Show 2024 já está aberta; garanta o seu

    Segunda edição do evento está ainda maior, com mais expositores e em formato de circuito 360º sobre a terra e as águas