Jorginho Zarif estreia no Europeu de Finn, em Portugal

Por: Redação -
15/04/2021

Preparando-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio, onde já tem vaga assegurada, e para o Mundial da Classe Finn (em maio), o paulista Jorge Zarif estreou nesta segunda feira, dia 12 de abril de 2021, no Campeonato Europeu dessa classe, que está sendo disputado nas águas de Vilamoura, em Portugal. O velejador, que não competia em eventos internacionais há quase dois anos, começou com um mau resultado, chegando apenas na 46ª colocação, na primeira regata.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Mas já na prova seguinte, Jorginho, como é conhecido no mundo da vela, ensaiou uma recuperação, largando melhor e terminando na oitava posição. Com isso, ocupa a 30ª colocação na classificação geral do Europeu de Finn.

Segundo o nosso Campeão Mundial de Finn, o problema é enfrentar o enorme número de competidores. “Tem tem muito barco na raia, e apenas uma largada. Então é necessário ficar sempre entre os 10 primeiros para conseguir brigar por um bom resultado”.

A competição prossegue até o dia 16 de abril. Já o Mundial de Finn será realizado na cidade do Porto, entre os dias 5 e 12 de maio.

LEIA MAIS:

>> Classe C30 terá nova tripulação em barco de Ilhabela. Conheça

>> Scheidt supera rivais europeus da classe Laser e conquista título em Lanzarote, na Espanha

>> 36ª America’s Cup: com vitória do Team New Zealand, taça segue em casa

Depois de tanto tempo sem competir, Jorginho encara os treinos e as competições em Portugal como uma oportunidade de ver como estão os seus adversários na classe Finn. Mesmo com a indefinição de calendário, ele diz que treinou em praticamente dois períodos cinco vezes por semana, em Ilhabela e no Rio de Janeiro, para chegar pronto para as regatas de 2021.

Sobre o atleta

Esperança do Brasil para a conquista de medalhas na Olimpíada de Tóquio, Jorginho chamou atenção do mundo da vela ao conquistar, em 2013, com apenas 20 anos (!), o Campeonato Mundial na classe Finn, disputado na Estônia — triunfo que o Brasil não via há 41 anos na categoria. E isso em sua primeira temporada na categoria principal.

Antes, ele já havia conquistado o bicampeão mundial júnior da mesma classe da vela. Tudo somado, as conquistas lhe valeram o título de “Atleta do Ano”, em eleição do Comitê Olímpico Brasileiro. Na disputa estavam dois campeões olímpicos: o ginasta Arthur Zanetti e o nadador Cesar Cielo.

Em 2018, outra proeza: ao lado do proeiro Guilherme de Almeida, Jorginhp conquistou a Copa do Mundo de Star, nos EUA. Foi o seu segundo título mundial adulto, em duas classes diferentes.

Em 2016, quando tinha apenas 21 anos, terminou as olimpíadas do Rio em quarto. Agora, mais maduro, o filho de Jorge Zarif Netto (o Guga, que representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Los Angeles-1984 e Seul-1988) tem tudo para conquistar uma medalha em Tóquio.

Por Amanda Ligório, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Gostou desse artigo? Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações para ser avisado sobre novos vídeos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Peixe-lua encontrado em praia dos EUA pode ser o maior já registrado na história

    Espécie rara de 2,2 metros foi encontrada já sem vida na cidade de Gearhart, no estado de Oregon

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares