Frete marítimo atinge número recorde nos últimos meses devido à pandemia

Por: Redação -
02/02/2021

Do aumento no frete marítimo à falta de contêineres e redução do período de free time: esses são alguns dos impactos que a pandemia tem causado no universo naval desde o começo de 2020. As alterações têm acontecido desde os meses de março a junho, quando foi instaurado o lockdown em uma série de países.

 

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

 

O free time é um período de tempo no qual o importador pode utilizar o contêiner sem precisar pagar a demurrage, que, por sua vez, é a cobrança feita sobre a estadia do destinatário quando o contêiner permanece no terminal por um período de tempo maior do que aquele contratado junto ao armador.

 

Esse período varia de 5 a 30 dias e, durante esse intervalo, o importador deve nacionalizar a carga, transportá-la ao seu destino, descarregá-la e devolver o contêiner.

A justificativa para todas as alterações é autoexplicativa: durante os meses de lockdown, as atividades econômicas globais — e, consequentemente, a mão de obra para a movimentação desses contêineres — foi reduzida.

 

Além de tudo, muitas empresas deixaram os contêineres parados nos portos, tanto pela falta de recursos para pagar impostos e nacionalizar essa carga, quanto pela impossibilidade de recebê-las. Há, ainda, a grande redução na quantidade que era transportada, assim como no setor aéreo. Os transportadores decidiram, então, suspender as linhas deficitárias, além de antecipar docagens obrigatórias das embarcações.

 

Leia também

» Igreja submersa em 1987 em Pernambuco tem proposta de tombamento atendida

» Estúdio australiano lança série de embarcações híbridas a partir de 70 metros

» Setor náutico perde Alberto Sodré, grande nome da fotografia no país

 

Desta forma, os contêineres têm levado muito mais tempo para sair com as cargas dos portos, e retornar aos locais vazios. Em alguns deles, a média de atraso gira em torno de 4 a 6 dias. O resultado de tudo isso é um super congestionamento e grande lentidão na movimentação, que provoca redução na capacidade logística dos países afetados.

 

Por outro lado, essas consequências impulsionam o mercado de exportações, já que, com o grande crescimento, os navios em navegação foram reduzidos e reposicionados de forma a acompanhar a crescente demanda.

A quantidade de navios contêineres em atividades só voltou a apresentar crescimento progressivo depois de julho. Um grande exemplo dessa retomada foi a China, que conseguiu se reequilibrar economicamente e resgatar a recuperação econômica antes dos outros países. Isso fez com que eles aumentassem deliberadamente a sua exportação, tornando o cenário até assimétrico, devido a tanto crescimento.

 

Como solução para toda essa confusão, alguns transportadores vêm reduzindo o período de free time. O mercado, por sua vez, tem se regulado de forma autônoma, a começar pelo aumento dos fretes devido à falta de contêineres.

 

É uma situação caótica e que tem prejudicado a muitas empresas dependentes do comércio internacional, que já começaram a sentir os efeitos até nos estoques — tanto pela falta de materiais quanto pela dificuldade de envio.

 

É importante lembrar que o transporte marítimo representa mais de 90% dos envios desse mercado. Especialistas explicam que, enquanto houver pandemia e riscos de um novo lockdown, não há expectativa para nos livrarmos dessa realidade.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

 

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Procurando um terreno? Ilha intocada na Patagônia Chilena está à venda

    Local tem cerca de 445 km², mais de 80 lagos, a Cordilheira dos Andes de fundo e custa aproximadamente R$ 173,6 milhões

    1ª embarcação capaz de produzir seu próprio hidrogênio está prestes a finalizar volta ao mundo

    Boberto por 202 m² de painéis solares, barco percorreu quase 63.040 milhas náuticas apenas com energias renováveis

    Expedição realizada no Chile pode ter descoberto mais de 100 novas espécies marinhas

    Biólogos do Censo Marinho têm o objetivo de descobrir 100 mil novos seres do mar nos próximos 10 anos

    Casal troca apartamento para viver em veleiro com seis gatos

    Embora a rotina de manutenção do catamarã seja dura e exigente, Aline e José garante que vale a pena

    Novo submarino Tonelero será lançado ao mar no fim de março, no Rio de Janeiro

    Embarcação militar de 71,6 metros é oriunda do Programa de Desenvolvimento de Submarinos, selado entre Brasil e França