Satélites podem ajudar na limpeza da poluição por plásticos nos oceanos

Por: Redação -
04/05/2020

Embora o plástico seja uma ameaça terrível à vida marinha, detectar a poluição causada por ele no oceano é um grande desafio. Isso porque os plásticos possuem diversas cores, dividem-se em tamanhos microscópicos e são feitos de vários produtos químicos. Além disso, soma-se o grande tamanho do oceano, no qual milhões de toneladas de plástico são descartadas anualmente.

Para que os esforços de limpeza e prevenção de poluição sejam direcionados de forma efetiva, é essencial identificar quais partes do oceano acumulam mais plástico. De acordo com uma pesquisa publicada recentemente no Scientific Reports, jornal científico da Nature Research, os satélites equipados com machine learning (aprendizado de máquina) podem estar preparados para rastrear a poluição causada por plásticos nos oceanos.

Um time de cientistas do Laboratório Marítimo de Plymouth, no Reino Unido, testou se os dados de satélites operados pela Agência Espacial Europeia poderiam ser analisados usando um algoritmo de machine learning treinado para detectar plástico. Os dois satélites Sentinel-2 usados na pesquisa foram equipados com sensores de instrumento multiespectral (MSI) de 12 bandas, que permitem uma resolução de 10 metros nos dados coletados. Com os esforços dos dois satélites combinados, as informações são armazenadas repetidamente em todos os locais costeiros do mundo entre cada 2 e 5 dias. Em outras palavras, todas as partes do mundo em que a terra encontra o mar são observadas e têm dados coletados entre 6 e 15 vezes por mês. 

LEIA TAMBÉM
>> Conheça a regata volta ao mundo em que os competidores fazem o próprio veleiro
>> NHD Boats se prepara para lançar lancha de 34 pés com abertura lateral dupla
>> Novo catamarã de pesca de 35 pés da catarinense SEC Boats estreia na água

Entre outras coisas, os satélites coletam dados sobre sinais de luz. Com isso, os materiais podem ser distinguidos com base nos comprimentos de onda da luz que eles refletem. Enquanto a água limpa absorve a luz no infravermelho próximo (NIR, na sigla em inglês) para a faixa de luz infravermelha de ondas curtas (SWIR), materiais flutuantes como detritos naturais e plásticos refletem NIR. Essas diferenças na absorção de luz permitem que os satélites detectem objetos flutuantes do espaço.

Os sinais NIR de vários objetos flutuantes variam. Usando os dados do satélite, os pesquisadores treinaram um algoritmo de machine learning para identificar o sinal luminoso do plástico flutuante. Para isso, liberaram um flutuador de plástico na costa da Grécia e obtiveram os dados associados do sinal de luz dos satélites. Em seguida, usaram esses dados para ensinar o algoritmo a associar certos sinais de luz NIR com detritos plásticos flutuantes. Da mesma forma, o algoritmo também aprendeu a distinguir materiais naturais e plásticos, como algas, troncos e espumas marinhas.

Depois que o algoritmo foi instalado, os pesquisadores o testaram contra dados de satélite de águas costeiras em quatro lugares do mundo: Accra (Gana), Ilhas do Golfo (Canadá), Da Nanng (Vietnã) e Escócia (Reino Unido). No geral, o algoritmo detectou plástico com 86% de precisão e foi 100% preciso na análise dos dados das Ilhas do Golfo. Nada mal para os dados coletados a milhares de quilômetros de distância!

É importante ressaltar que esse algoritmo está equipado apenas para localizar grandes peças plásticas flutuantes. No entanto, é a partir desses “macroplásticos” flutuantes que muitos microplásticos prejudiciais se formam. Os resultados da pesquisa mostram que os dados de satélite combinados com algoritmos de machine learning podem ajudar no rastreamento e na limpeza da poluição por plásticos em todo o mundo.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Semana de Vela de Ilhabela: na BRA-RGS, vencedor cruzou linha de chegada após 12h de regata

    Percurso de Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, de 55 milhas náuticas, foi marcado pela variação de vento; confira resultados gerais

    Lago Paranoá, palco do Brasília Boat Show, tem vila submersa e pequenas ilhas; conheça

    Fruto de um projeto arquitetônico, lago possui uma rica história e é ponto de lazer, pesca e esportes na região

    Marine Center atracará no Brasília Boat Show com produtos de primeira linha para barcos

    Considerada um dos maiores atacados náuticos do Brasil, empresa estará no salão que acontece de 14 a 18 de agosto no Lago Paranoá

    Raríssimas imagens flagram baleia azul amamentando filhote; assista

    Cenas também mostram cetáceos em outros momentos íntimos, que envolvem desde reprodução até ‘ida ao banheiro’

    Growdeck levará deques náuticos e acessórios à primeira edição do Brasília Boat Show

    Considerada uma das principais marcas de pisos náuticos no Brasil, empresa atracará no Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto