Três amigos dão volta à Ilha de Santa Catarina de caiaque em prol do esporte e da natureza

Por: Redação -
08/01/2019
Foto: Cristiano Estrela

Três amigos foram para o mar na manhã desta segunda-feira (7), na missão de dar uma volta completa na Ilha de Santa Catarina em caiaques individuais para divulgar o esporte e, principalmente, conscientizar população e boa parte dos turistas sobre a importância de preservar o meio ambiente.

O ponto de partida de Giliarde Lopes, de 37 anos, Luciano Lopes, de 42 anos, e Silvano Malagoli, de 55 anos, foi na Praia da Daniela, que fica atrás do centro histórico de São José, na Grande Florianópolis. O objetivo do trio é remar seis horas diariamente e, nas paradas para descanso e lanche, conversar com o maior número de pessoas para alertar sobre a necessidade de não jogar lixo nas praias e no mar.

“Esse nosso projeto e também a vontade surgiram através de um longo tempo. Víamos que as pessoas não têm mais a mesma consciência sobre o meio ambiente e isso mexeu conosco. Entendemos que, além de praticar um esporte que gostamos, também podemos divulgar para quem utiliza a natureza como lazer importância da preservação ambiental”, disse Giliarde.

LEIA TAMBÉM
>>Schaefer Yachts constrói iate adaptado para pessoas com necessidades especiais
>>Brasileiro de Optimist, em Ilhabela, conta com palestra de Robert Scheidt na programação
>>Instituto Argonauta e Aquário de Ubatuba lançam boletim informativo do lixo nas praias do litoral norte

O percurso está previsto para durar 11 dias em um total de 170 km entre a partida e a chegada. A duração, porém, pode ser alterada. Isso vai depender das condições de clima e de mar encontradas ao longo do trajeto. A ideia, porém, é que o trio volte em 18 de janeiro à praia atrás do centro histórico de São José.

“A primeira volta à Ilha foi em 1991, quando fizemos uma volta à Ilha para conscientização dos mangues e contra a pesca predatória. Durou 21 dias, porque só pegamos mar grande. Tivemos que dormir alguns dias em ilhas pelo caminho, pois as águas estavam muito agitada e sem condições de navegação. Dois anos depois, em 1993, repetimos a expedição. A gente fez um artigo em defesa das baleias, pois os coreanos matavam as baleias a 35 milhas da costa brasileira. E isso foi decretado e virou a Lei 7.643”, contou Silvano.

Giliarde, Luciano e Silvano ainda vão vistoriar algumas das principais trilhas que cruzam a Ilha de Santa Catarina e que no período de verão recebem inúmeros turistas. A ideia do trio ainda é observar nascentes, manguezais e rios. A atenção com pesca predatória em alto mar é outro ponto importante e que será abordado, pois isso dificulta o trabalho do pescador artesanal.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Primeiro catamarã a hidrogênio dos EUA está pronto para servir como balsa

    Guarda Costeira norte-americana autorizou o início do serviço, que transportará até 75 pedestres por vez pela Baía de São Francisco

    Governo do Rio de Janeiro reduz imposto para fabricantes de embarcações

    Vitória para o setor, incentivo fiscal para o setor náutico reduz de 27% para 7% a alíquota do ICMS para venda de barcos

    Teste Real 40 Cabriolet: lancha se destaca pelo conforto no cockpit, cabine e posto de comando

    Testada nas águas de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, modelo ainda chama atenção pela pilotagem a céu aberto

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho