Conheça 7 navios-fantasmas e suas histórias misteriosas

Desaparecimentos misteriosos, naufrágios sem sobreviventes, embarcações abandonadas... conheça embarcações enigmáticas

28/10/2022

Navios-fantasmas costumam despertar o fascínio de muitas pessoas, desde curiosos até os marinheiros mais experientes.

 

Desaparecimentos misteriosos, naufrágios sem sobreviventes, embarcações abandonadas… para entrar no clima de Halloween, NÁUTICA apresenta a história de sete navios-fantasmas. Conheça um pouco mais sobre essas embarcações enigmáticas!

Mary Celeste

Em 4 de dezembro de 1972, um grupo a bordo do navio Dei Gratia encontrou uma embarcação chamada Mary Celeste à deriva no Oceano Atlântico, não muito longe dos Açores. O que mais chamou a atenção é que ela estava completamente deserta – sabe-se que ao menos dez pessoas estavam a bordo do Mary Celeste.

 

O grupo ficou confuso, porque, embora um bote salva-vidas estivesse faltando, nada no navio dava indicação a respeito do motivo pelo qual o Mary Celeste fora abandonado. O navio estava transportando mais de 1.700 barris de álcool, alguns dos quais já haviam derramado dentro da embarcação.

 

A tripulação do Dei Gratia levou o Mary Celeste para Gibraltar, onde as autoridades britânicas começaram uma investigação sobre o que aconteceu. Eles não foram capazes de chegar a uma resposta definitiva e o caso do navio ainda permanece sem solução, bem como todas as pessoas que estavam a bordo nunca foram encontradas.

 

Flying Dutchman

O navio fantasma mais famoso de todos é o Flying Dutchman, que assombra as águas perto do Cabo da Boa Esperança, na África do Sul.

 

Existem diversas variações da história, mas a mais famosa é que o piloto do navio, o capitão Hendrick Vanderdecken, que viveu no século 17, encontrou uma tempestade no Cabo da Boa Esperança e amaldiçoou Deus e todos os elementos que Ele estava enviando. O navio atingiu uma rocha e afundou, levando toda a tripulação junto com ele.

 

Desde então, há relatos de que o capitão e toda a tripulação fantasma podem ser vistos navegando pelas águas, esperando o dia de serem perdoados.

 

“Sua entrada foi recusada em todas as portas e estão condenados a ficarem no oceano até o período em que a sua penitência expirará”, conta uma história publicada em um livro de 1803 escrito por John Leyden.

 

El Caleuche

El Caleuche é um navio fantasma que supostamente sempre está nas águas da costa do Chile. “El Caleuche sempre navega à noite e aparece de repente em meio ao nevoeiro, sempre muito bem iluminado”, escreve a autora Ann Bingham.

 

Em seu livro “Mitologia do Sul e Mesoamericana de A a Z” (Chelsea House, 2010) ela diz que o navio “guarda as águas e pune severamente todas aquelas pessoas que trazem dificuldades para o mar ou para as criaturas que vivem nele”.

 

HMS Erebus e HMS Terror

Em 19 de maio de 1845, dois navios — HMS Erebus e HMS Terror — partiram para a Inglaterra, com a vela definida para o Ártico canadense. Seu objetivo era navegar através das águas traiçoeiras que separavam os oceanos Atlântico e Pacífico. Lideradas por Sir John Franklin, as embarcações saíram para coletar amostras e realizar estudos científicos ao longo do caminho.

 

Dentro delas partiram 134 oficiais e homens da expedição, mas nenhum deles retornou. Mais tarde, foram encontradas mensagens por uma missão de resgate, que indicavam que os navios ficaram presos no gelo da Ilha do Rei William, no Ártico canadense. Franklin morreu em 11 de junho de 1847 e as embarcações foram abandonadas em 22 de abril de 1848.

 

Os sobreviventes tentaram atravessar o gelo e alcançar o continente canadense em segurança, mas não é preciso dizer que a missão falhou.

 

København

Em 14 de dezembro de 1928, o København, um veleiro dinamarquês, deixou o Rio de la Plata, entre o Uruguai e a Argentina, rumo à Austrália. Ele era notável por ter cinco mastros. “Era uma embarcação bem fácil de ser encontrada, equipada com rádio, motor auxiliar e amplos botes salva-vidas”, escreveu Hamish Ross para a revista Sea Breezes.

 

“Ele era um navio em treinamento e levava uma tripulação de 60 homens. Muitos deles eram cadetes, alguns de famílias dinamarquesas muito importantes”. A embarcação entrou em contato por meio do rádio com o navio a vapor norueguês William Blumer em 21 de dezembro, mas depois disso nunca mais foi vista.

 

“Após o desaparecimento do København, muitas teorias surgiram a respeito, mas o mais provável é que ele tenha atingido um iceberg na escuridão ou neblina”, escreve Ross. “Houve relatos de visões de uma embarcação fantasma de cinco mastros em 1930. Em 2012, destroços que poderiam ser do København foram encontrados na Ilha de Tristão da Cunha.

HMS Eurydice

Em 1878, o HMS Eurydice, um navio de treinamento da Marinha Real, sumiu enquanto navegava perto da Ilha de Wight. Uma repentina tempestade de neve afundou o navio, matando 364 tripulantes, depois de um dia calmo. O fenômeno ocorreu tão de repente que as pessoas não tiveram tempo para reagir, de acordo com reportagens da imprensa.

 

“O Eurydice continuou com a vela levantada e com as suas portas abertas antes de desaparecer no meio da nevasca”, escreveu Victoria Bartlett em um artigo para o site da BBC. “Por fim, havia apenas dois sobreviventes”, Bartlett observou. O navio ainda continuou flutuando, mas, por estar fortemente danificado, acabou afundando.

 

Desde então, vários relatos de uma embarcação fantasmagórica estão assombrando a área. Marinheiros e visitantes afirmam ter visto um navio fantasma na Ilha de Wight. Na década de 30, um submarino britânico encontrou o HMS Eurydice em sua forma “morta”. Além disso, o príncipe Edward, filho da rainha Elizabeth II, supostamente teria visto o navio durante as filmagens de um documentário, em 1998.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Adegas rifam vinho de R$ 5 mil, envelhecido no fundo do mar, para ajudar RS

    Empresas já arrecadaram mais de R$ 100 mil com bilhetes vendidos a R$ 10 cada

    Temporada de baleias: confira regras e onde avistar o animal no Brasil

    De junho a novembro, cetáceos saem da Antártica em busca das águas brasileiras para se reproduzirem

    Cidade perdida no meio do Pacífico tem localização remota e mistério sobre sua construção

    Localizada sobre um recife de corais, a cidade perdida de Nan Madol tem fama de "amaldiçoada" e intriga cientistas

    Registro raro: lula de mar profundo ataca câmera com tentáculos “acesos”; assista

    Filmagem mostra animal sendo atraído por isca presa a uma câmera a mais de mil metros de profundidade no Pacífico Sul

    Ex-dono da lancha de JK largou tudo para resgatar de jet mais de 150 animais no RS

    Gerard Souza contou à NÁUTICA sobre os onze dias de voluntariado intenso nas regiões afetadas pelas enchentes