De combustível a roteiros: equipe da Victory conta bastidores de pesca oceânica

Eduardo Granda e Marcelo de Agostini dividiram suas histórias de pescadores experientes no Estúdio NÁUTICA

26/10/2023

Navegar muitas e muitas milhas para ter a experiência de pescar no meio do oceano exige preparo, paciência e equipamento adequado. Com todos esses atributos à mão, o time da Victory Yachts revelou no Estúdio Náutica os bastidores de viagens de pesca oceânica que já fizeram.

Eduardo Granda, proprietário do estaleiro, e Marcelo de Agostini, gerente comercial da Victory Yachts, acumulam muitas milhas navegadas. A dupla contou suas experiências a bordo e deu detalhes de como funcionam seus roteiros de pescas oceânica.

 

Por exemplo, chernes, lírio e namorado são alguns dos tipos de peixes encontrados na pesca no meio do oceano. “Cada profundidade tem um tipo de pescado-alvo”, explicou Marcelo de Agostini.

 

 

Marcelo, que está no mundo náutico desde os seis anos, explicou que as viagens de pescaria oceânica deles na região do pré-sal têm como destino os arredores das plataformas de petróleo existentes — embora tenha algumas pescarias antes, na quebra das plataformas continentais.

 

A mais próxima das plataformas de petróleo, segundo ele, fica a 86 milhas náuticas da costa, enquanto a mais distante está a 127 milhas. Assim, a pescaria funciona como um circuito.

Primeiramente ocorre a pesca de fundo na quebra da plataforma continental. Em seguida, os entusiastas desse tipo de pesca vão até a região da primeira plataforma de petróleo e tentam achar peixes. Depois, seguem mar adentro — inclusive passando a noite pescando — e seguem na busca por peixes até o meio da manhã, quando finalmente voltam rumo à plataforma continental, encerrando a atividade.

 

A distância total navegada é de mais de 300 milhas e Marcelo aponta que a lancha Victory 398, escolhida por eles para isso, encara muito bem essa jornada. De acordo com o gerente comercial, a embarcação oferece um conforto ímpar para pesca oceânica e, hoje, seria “o único barco do Brasil com total autonomia para se deslocar”.

 

Vale destacar que esse barco da Victory Yachts tem velocidade de cruzeiro entre 24 e 27 nós — rápido para pescaria oceânica — e capacidade de 1.500 litros de combustível no tanque. Eduardo Granda explica que este não é o ponto mais importante para o pescador, mas sim o consumo médio por hora, que também é econômico na Victory 398, segundo o empresário.

“A autonomia do barco não está apenas atrelada a quantidade de combustível. É o projeto e como ele foi concebido para ter um consumo baixo numa velocidade de cruzeiro alta”, disse o dono do estaleiro Victory Yachts.

Tem que levar em consideração não o consumo de cruzeiro, mas o consumo do motor. Não esquece que um trio de motores, você tem um consumo de 3 ou 4 litros/hora, num regime de mil giros– Eduardo Granda

O dono do estaleiro ainda lembrou casos em que a pessoa pernoita no barco de pesca, que pode chegar até 24 horas com o motor ligado, sem encerramento.

 

A dupla da Victory conta que os barcos da marca também foram criados pensando no conforto e na funcionalidade para a pesca — o que inclui grande capacidade de bagagem e urnas de gelo eficientes.

Eduardo reflete que o aumento na confiabilidade dos motores de popa foi importante para a tendência da pesca oceânica chegar ao Brasil. Ele conta que, antigamente, esta atividade era praxe nos Estados Unidos, a bordo de uma center console, tendo como destino de pesca o Golfo do México e as Bahamas.

Ficou mais inclusivo pro pescador de menos recurso poder pescar num barco menor na pescaria de oceano– Eduardo Granda

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano