Designers japoneses projetam cidade flutuante para lidar com aumento do nível do mar

“Dogen City” terá capacidade para 40 mil pessoas, estádio esportivo, parques e hotéis residenciais

20/06/2023
Fotos: N-ARK / Divulgação

Ao longo dos anos, as mudanças no clima e o movimento das placas tectônicas tem feito o nível do mar subir consideravelmente, fazendo com que medidas de prevenção sejam cada vez mais imediatas. Um projeto japonês de cidade flutuante, batizado de Dogen City, é uma dessas alternativas.

A N-Ark, startup por trás da Dogen City, afirma que o local vai fornecer habitat autossuficiente para 40 mil pessoas (10 mil delas de forma permanente). Tudo isso em uma área equivalente a 4 km de circunferência, onde os moradores poderão chegar a qualquer ponto da cidade em uma hora.


Descrita ainda como “cidade médica no mar”, os habitantes da cidade flutuante teriam acesso a cuidados médicos e legumes frescos, cultivados em Dogen City por meio de um método de agricultura que incorpora água do mar.

 

Além disso, dentre as instalações do projeto japonês de cidade flutuante estão um estádio esportivo, parques flutuantes, locais de oração, hotéis residenciais e até cemitérios.

 

Por ano, estima-se que a Dogen City deve consumir um total de 2 milhões de litros de água e gerar 3 toneladas de lixo, enquanto a produção de alimentos chegará a quase 7 toneladas.

Entenda a estrutura da cidade flutuante Dogen City

Ao todo, três partes principais compõem a cidade flutuante. A primeira delas é um anel externo, que guarda as principais áreas de convivência e instalações de água, esgoto e energia. Dentro dele ficam edifícios flutuantes que podem se mover livremente, onde barcos transportarão moradores pela cidade.

A segunda parte fica abaixo da superfície da água, onde há um centro de dados submarino e instalações de pesquisa médica. A terceira, por sua vez, é a estrutura externa, que leva a forma do corpo de um navio para, segundo os projetistas, atuar como uma defesa contra tsunamis.


Comprometida com o New Ocean (inovação empresarial oceânica promovida pela indústria, academia e governo), o projeto japonês de cidade flutuante visa o impacto social, servindo de abrigo em casos de desastres naturais, melhoria do ambiente marinho e acomodação de refugiados climáticos.

 

A ideia dos designers japoneses, caso saia do papel, deve estimular a economia, através do uso de novas tecnologias e negócios, transporte marítimo, recursos e defesa nacional.

Segundo os projetistas, a Dogen City é uma cidade sustentável projetada para funcionar como uma cidade flutuante de assistência médica inteligente em “tempos de paz” e como uma cidade autônoma em casos de desastres naturais.

 

Os responsáveis pelo projeto japonês de cidade flutuante não divulgaram informações sobre o orçamento, localização proposta ou previsão de entrega da Dogen City.

 

E você, moraria em uma cidade flutuante?

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Vokan apresenta serviço de seguros náuticos no Marina Itajaí Boat Show 2024

    A corretora estará presente no evento, que acontece entre 4 e 7 de julho, em Santa Catarina

    Estofados náuticos da Agroquímica estarão no Marina Itajaí Boat Show 2024

    Estande terá opções da marca Kelson's para todos os gostos no salão que acontece de 4 a 7 de julho

    Yachtmax leva Ferretti 720 ao Marina Itajaí Boat Show 2024

    Representante da Ferretti e Okean no Brasil estará com dois barcos no evento náutico, de 4 a 7 de julho

    Gravidez misteriosa de arraia que convivia só com tubarões foi solucionada

    Charlotte apareceu grávida em fevereiro em aquário nos EUA, mas não dividia o recinto com arraia macho

    Yamaha terá jets e motores no Marina Itajaí Boat Show 2024; confira modelos

    Quatro WaveRunners e motores de popa vão compor o estande da marca no salão, que acontece de 4 a 7 de julho