Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

14/06/2024
Foto: Scottish Canals/ Divulgação

Uma das maiores e mais criativas soluções da engenharia. Assim pode ser descrita a Falkirk Wheel, uma espécie de elevador gigante apenas para barcos. A estrutura, localizada na Escócia, liga o Forth & Clyde Canal ao Union Canal. O detalhe é que os dois canais são separados por 35 metros de altura.

Primeiramente, é preciso saber como era a vida no local antes desta gigante roda. Os dois canais (Forth & Clyde e Union) se cruzam, em meio a duas valas artificiais cheias de água. Mesmo que nada impedisse a passagem dos barcos, havia um porém: um enorme desnível, maior do que um prédio de dez andares.

Foto: Instagram @falkirkwheel/ Reprodução

Para driblar essa situação, os dois canais eram conectados por 11 eclusas. Essas espécies de “degraus hidráulicos” até permitiam a passagem das embarcações, mas até que os barcos descessem todo o desnivelamento, se perdia quase um dia inteiro.

Foto: Scottish Canals/ Divulgação

Pensando em agilizar esse processo, o elevador gigante para barcos foi criado. Logo, além de substituir as 11 eclusas, a engenhoca elimina 32 obstruções de navegação. Com essa “roda gigante”, as dezenas de horas perdidas antigamente se transformaram numa economia de tempo absurda. Confira!

 

Caminho até o elevador rotativo

A jornada até que esse elevador para barcos nascesse foi longa e cheias de contratempos. Dos anos 30 até meados dos anos 90, os canais foram renovados e fechados mais de uma vez, além de viver uma época de muita burocracia e poucos planos que, de fato, facilitassem a vida dos navegantes.

Foto: Instagram @falkirkwheel/ Reprodução

Reconstruir ou tentar consertar as eclusas estava fora de cogitação. E em meio ao vácuo de ideias, a British Waterways, órgão britânico fundado nesse meio tempo, criou um plano para reabrir os canais. Assim, em parceria com outras instituições, nascia a ideia do elevador rotativo.

 

O design atual, porém, só surgiu em 1999, após consultoria com uma equipe de 20 arquitetos. E, após muitas projeções, em 2002 finalmente era inaugurado — e com presença da Rainha Elizabeth II — a roda de Falkirk, de vão único, capaz de descer uma carga enquanto outra sobe, simultaneamente.

Lembra que os antigos viajantes levavam horas para essa missão? Com essa enorme roda, o transporte de um canal a outro dura apenas quatro minutos.

 

E mais um ponto positivo do elevador para barcos é seu consumo mínimo de energia, já que o peso do barco (ou quantidade de água) que desce ajuda a levantar o que está na outra ponta.

Foto: Visit Scotland/ Divulgação

O processo de montagem ainda exigiu uma escavação de um túnel e o levantamento de um aqueduto “impossível de ser construído” — pelo menos, era o que se dizia na época. Mas graças a utilização de técnicas bem inovadoras, mais esse obstáculo foi derrubado pela engenharia.

Deu a volta por cima

Como uma roda gigante, este elevador para barcos também já viveu seus altos e baixos — com muito mais altos. Pouco antes da sua cerimônia de abertura, vândalos forçaram os portões da Falkirk Wheel, causando um dano de 350 mil euros (quase R$ 2 milhões em conversão realizada em junho de 2024).

Foto: Instagram @falkirkwheel/ Reprodução

Mas hoje, a gigantesca roda de Falkirk é um verdadeiro sucesso e virou até um ponto turístico na Escócia. Mais de 500 mil pessoas visitam o elevador para barcos todos os anos. Além de lindo de se ver, o local oferece um passeios a bordo de barcos, stand-up paddle, canoagem e muito mais atrações.

Foto: Instagram @falkirkwheel/ Reprodução

É claro que uma obra tão engenhosa como essa não poderia ficar sem premiações. Por conta dos esforços dos idealizadores em fazer um projeto eficiente, com pouco uso de energia e impacto quase zero no meio ambiente, a Falkirk Wheel é multipremiada pela Green Tourism Business Scheme (GTBS), organização britânica ligado ao turismo verde.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano