Destroços de navio naufragado há 137 anos são encontrados com a ajuda de jornais da época

Pesquisadores encontraram partes do navio Milwaukee, naufragado após colidir com outro barco no século 19

08/04/2024
Foto: Facebook Michigan Shipwreck Research Association / Reprodução

Em 9 de julho de 1886, o navio cargueiro a vapor Milwaukee viajava de Chicago para Muskegon, no Michigan (Estados Unidos), para recolher uma carga de madeira. No sentido contrário, outro navio, o Hickox, vinha lotado do mesmo material. As embarcações acabaram colidindo, e a história, que parecia ter terminado ali, acaba de ganhar mais um capítulo.

Quase 140 anos depois, pesquisadores da Michigan Shipwreck Research Association encontraram os destroços do navio Milwaukee — que acabou naufragando na ocasião –, a cerca de 64 km da costa de Holland, no estado norte-americano do Michigan, a quase 110 metros de profundidade.

Foto: Facebook Michigan Shipwreck Research Association / Reprodução

A descoberta, que marca o 19º naufrágio encontrado pela equipe, foi viabilizada a partir do estudo das correntes de água e com a ajuda de antigas notícias de jornais, que deram aos pesquisadores mais detalhes do acidente ocorrido ainda no século 19.

Foto: Facebook Michigan Shipwreck Research Association / Reprodução

A tecnologia, claro, também se fez presente na busca. No caso, um sonar de varredura lateral foi o responsável por localizar a embarcação e, posteriormente, um veículo subaquático operado remotamente (ROV) conseguiu capturar imagens e vídeos dos destroços do navio Milwaukee.

Foto: Facebook Michigan Shipwreck Research Association / Reprodução

Como o navio Milwaukee naufragou

Conforme relataram os jornais da época, o navio Milwaukee viajava de Chicago para Muskegon, no Michigan, com o objetivo final de recolher uma carga de madeira, afinal, tratava-se de um navio cargueiro. Contudo, no caminho oposto, outro navio, o Hickox, se aproximava carregado do mesmo material.

 

A colisão entre as duas embarcações poderia ter sido evitada, uma vez que Dennis Harrington, o vigia do Milwaukee, notificou o capitão do navio sobre a chegada do Hickox assim que avistou as luzes se aproximando.


Contudo, segundo o jornal The New York Times, ambos os capitães consideraram que a visibilidade era boa, e ignoraram o procedimento recomendado para esse tipo de situação à época: reduzir a velocidade, virar para estibordo e soprar apitos a vapor.

 

Dessa forma, quando um nevoeiro pairou sobre o mar de forma inesperada, já era tarde demais para evitar a colisão. Os capitães bem que tentaram manobrar seus barcos, mas o Hickox acabou batendo na lateral do Milwaukee.

 

Um bote salva-vidas garantiu que a tripulação do Milwaukee conseguisse se salvar — o que não aconteceu com o outro navio, já que, algumas horas depois da colisão, a embarcação afundou. De acordo com a Michigan Shipwreck Research Association, os capitães de ambas as embarcações perderam suas licenças temporariamente, pela falta de cuidado que causou o acidente.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial

    Schaefer Yachts anuncia barco que não afunda, ideal para resgates em alto-mar

    Com o nome de Interceptor 48 Pilot, novidade é fruto de parceria com a empresa irlandesa Safehaven Marine

    Criatura de 18 metros está impactando a cadeia alimentar da vida marinha; entenda

    Gelatinoso e transparente, os "picles do mares" causam perturbações no ecossistema durante as ondas de calor oceânicas e preocupam cientistas

    Minas Gerais ganhará bar flutuante de vinhos na Represa do Funil

    Com o nome de Almas Gerais, iniciativa tem previsão de entrega em julho de 2024 e faz parte do milionário projeto Enovila