Umidade a bordo: entenda como isso afeta seu barco e saiba as respostas para dúvidas comuns

Consequências podem ir muito além de manchas de bolor ou cheiro de mofo; confira dicas para prevenir

Por: Redação -
17/12/2023

O excesso de umidade a bordo nos barcos costuma causar manchas de bolor, cheiro de mofo e um aspecto de cabine mal cuidada. Mas isso é o de menos. Bem mais sérios são as eventuais reações alérgicas que a umidade pode causar nas pessoas e os problemas no funcionamento dos equipamentos da embarcação.

Se a umidade do ar dentro do barco ficar acima ou abaixo de certos limites, tende a afetar a saúde dos tripulantes, e, também, dos equipamentos. Pensando nisso, a equipe de NÁUTICA separou as respostas para as dúvidas mais comuns sobre esse assunto, e você confere a seguir.

Umidade a bordo: riscos e dicas de como prevenir

Qual o melhor índice de umidade do ar para o conforto das pessoas na cabine de um barco?

Uma umidade relativa do ar (UR) entre 40% e 70% é ideal para o ser humano. Abaixo de 40%, pode provocar problemas no sistema respiratório. Acima de 70%, leva à sensação de “abafamento”, o que é mais frequente nos barcos. Neste caso, a temperatura corporal diminui e o organismo passa a gerar mais transpiração, aumentando a sensação de desconforto.

O que, afinal, a UR mede?

A UR indica quanto de vapor de água está no ar. Ela tem de ser calculada para cada temperatura específica. Quanto mais quente o ar, mais vapor de água pode estar misturado nele. Com uma UR de 100%, começa a condensação do vapor, formando aquele “suor” sobre os objetos ou uma espécie de névoa.

Isso ocorre tanto quando há calor demais quanto frio demasiado. Por exemplo: num calorão de 30 graus centígrados, se houver 26 gramas de vapor de água misturado a 1 quilo de ar, a UR atingirá 100%. Já num frio de 10 graus, ela chegará a este índice com apenas 8 gramas de vapor.

Usar o ar-refrigerado diminui a umidade relativa do ar na cabine?

Sim, e muito. Quando o ar da cabine estiver a 30 graus e com uma UR de 80%, haverá 21 gramas de vapor por quilo de ar. Mas, tão logo este ar passe por aparelhos de ar-refrigerado, diminuirá para 10 graus.

Como nessa nova temperatura só pode haver 8 gramas de vapor de água, 13 gramas dele serão condensados dentro do aparelho e sair pelo dreno. Ou seja, cada vez que for filtrado pelo ar-refrigerado, o ar perde parte substanciosa da sua umidade.

A umidade relativa do ar também pode prejudicar os equipamentos?

Sim. Quando a umidade está elevada, pode provocar a condensação do vapor de água no interior dos equipamentos, causando curtos-circuitos ou correntes de fuga, que são capazes de levar a danos irreversíveis.


Os equipamentos mais sensíveis a esses efeitos são aqueles não previstos para uso náutico, como tv, dvd e micro-ondas. Já o oposto, ou seja, a UR baixa demais, tende a causar o acúmulo de eletricidade estática no corpo humano (aquela que nos faz tomar “choques” ao encostar em algo) e, se ela for descarregada num equipamento, poderá danificá-lo seriamente.

Esterilizadores e secadores de ar funcionam?

Esterilizadores não alteram a UR do ar. Só eliminam fungos, bactérias e resolvem o problema dos mofos e ácaros. Já os secadores podem, sim, operar como os ar-refrigerados, fazendo o ar passar por compostos químicos que absorvem a umidade.

Alguns destes compostos têm um prazo de validade. Outros, como a sílica gel, contam com a vantagem de serem reaproveitados, por meio de um aquecimento, que elimina a água absorvida.

Proteger os equipamentos com capas plásticas ajuda contra os efeitos da umidade a bordo?

Depende. Para se ter uma proteção realmente eficaz contra a umidade do ar, a capa deve impedir qualquer circulação de ar no equipamento. Se isolar o aparelho apenas parcialmente, pode ter o efeito contrário, por acumular ainda mais umidade e impedir que o ar exterior, mais “seco” que dentro, passe por ele. Se não tiver certeza se a capa é realmente estanque, melhor não cobrir os equipamentos.

 

Por Nicola Getschko, engenheiro, professor da Escola Politécnica da USP e especialista em máquinas e automação.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Semana de Vela de Ilhabela: na BRA-RGS, vencedor cruzou linha de chegada após 12h de regata

    Percurso de Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, de 55 milhas náuticas, foi marcado pela variação de vento; confira resultados gerais

    Lago Paranoá, palco do Brasília Boat Show, tem vila submersa e pequenas ilhas; conheça

    Fruto de um projeto arquitetônico, lago possui uma rica história e é ponto de lazer, pesca e esportes na região

    Marine Center atracará no Brasília Boat Show com produtos de primeira linha para barcos

    Considerada um dos maiores atacados náuticos do Brasil, empresa estará no salão que acontece de 14 a 18 de agosto no Lago Paranoá

    Raríssimas imagens flagram baleia azul amamentando filhote; assista

    Cenas também mostram cetáceos em outros momentos íntimos, que envolvem desde reprodução até ‘ida ao banheiro’

    Growdeck levará deques náuticos e acessórios à primeira edição do Brasília Boat Show

    Considerada uma das principais marcas de pisos náuticos no Brasil, empresa atracará no Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto