Após ouvir barulhos, dono de veleiro descobre que dividia barco com passageiro inusitado

Episódio aconteceu na Ilha Raymond, na Austrália, com uma criatura típica dessa região

28/11/2023
Foto: Koalas of Raymond Island / Divulgação

Imagine a cena: você está em seu veleiro, curtindo um passeio, quando, de repente, percebe que não está sozinho. Tem alguém a bordo da sua embarcação. Foi o que aconteceu com um velejador próximo à Ilha Raymond, na Austrália. Ele ouviu barulhos estranhos vindos do topo da embarcação e, ao verificar do que se tratava, a surpresa: um coala no barco, agarrado à vela mestra.

Se tratando da Austrália — país conhecido por animais exóticos que aparecem por toda parte –, talvez a cena não tenha surpreendido o dono do veleiro. Apesar disso, ele imediatamente fez contato com um grupo de resgate local, o Coalas da Ilha Raymond, que prontamente atendeu ao seu chamado.

Foto: Koalas of Raymond Island / Divulgação

“Muitos [dos coalas] na Ilha Raymond estão acostumados com as pessoas. Eles vivem nas árvores por toda a pequena área da cidade, nos quintais da frente e de trás, passeiam casualmente em nossos deques, ao longo de nossas cercas”, comentou Shelley Robinson, da Coalas da Ilha Raymond, ao site The Dodo.

 

Apesar de toda essa proximidade, fazer o resgate do animal pode ser estressante. No caso do coala no barco, o processo foi facilitado uma vez que o animal, por conta própria, resolveu descer da vela mestra.

Foto: Koalas of Raymond Island / Divulgação

Cath Winzer, protetora de vida selvagem e integrante da Coalas da Ilha Raymond, logo o colocou em uma caixa de transporte e, posteriormente, o coala passou por uma breve avaliação de saúde e foi solto em um parque. Em pouco tempo, o animalzinho já foi avistado agarrado a um eucalipto.

Libertar qualquer coala é a melhor parte do que fazemos– Shelley Robinson, da Coalas da Ilha Raymond

Desafios enfrentados pelo animal símbolo da Austrália

Nativos da Austrália, os coalas passam por um período conturbado no país, principalmente devido às mudanças climáticas, que têm dificultado a presença do animal em seu habitat natural.

 

Talvez você se lembre que, em 2019, por exemplo, a Austrália passou por incêndios florestais muito sérios, que escancararam os problemas enfrentados pela espécie, quando muitos deles precisaram ser resgatados de árvores em chamas.


Com a perda de seu habitat, a presença dos coalas em meio aos humanos está cada vez mais constante, resultando em situações inusitadas, como a do animal na vela mestra de um veleiro. Pode parecer fofo, mas há algo muito maior por trás disso.

Um dos coalas resgatados pela equipe. Foto: Koalas of Raymond Island / Divulgação

Equipes de resgate, como a Coalas da Ilha Raymond, são dedicadas a proteger esses marsupiais, através de resgates, avaliações de saúde, reintegração e a criação de coalas órfãos, quando necessário.

Saber que fizemos a diferença para aquele coala e que ele viverá livre na natureza é uma sensação incrível– Shelley Robinson, da Coalas da Ilha Raymond

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem nada mais de 100 metros sem respirar em lago congelado e quebra dois recordes

    Aos 52 anos, experiente nadador suíço acumula títulos e já deteve outro recorde mundial; confira

    Resorts 'no meio do nada' oferecem de natação com cavalos a plantio de recifes

    Ultraluxuosos, estabelecimentos cercados por belas águas buscam se diferenciar com passeios extravagantes; conheça 5 deles

    Búzios ganhará Centro de Desenvolvimento da Vela após parceria de ICAB e CBVela

    Parceria inédita prevê treinos das equipes jovem e principal, clínicas, uma escola de vela e projeto social para fomento do esporte na região

    Tubarão mais rápido dos oceanos é filmado no litoral de São Paulo; assista

    Conhecido como tubarão-mako, animal que pode atingir até 70 km/h foi flagrado próximo à Ilhabela

    Pinguim aparece em praia de Cabo Frio (RJ), surpreende banhistas e levanta dúvida: é normal?

    Apesar de ter sido visto navegando tranquilamente no mar transparente da região, presença do animal em águas brasileiras levantou questionamentos