Barco de gelo esculpido impressiona; veja como ele foi construído

Obra feita pelo artista Ivan Karpitski consegue até flutuar na água, mas não navega de fato

02/02/2024
Foto: Instagram @ivan_karpitski/ Reprodução

Este barco de gelo parece vir do filme Frozen ou do Reino Gelado de Hora de Aventura, mas podemos garantir que ele existe — se ainda não derreteu. Feita pelo artista da Bielorússia Ivan Karpitski, a “embarcação” encanta pela magia e funcionalidade e, embora flutue, não te leva a lugar algum.

Tudo começou com Karpitski — que reside em Minsk, capital do país — empilhando grande blocos de gelo, que foram “colados” com água. Na sequência, após serrar muitos cubos gelados, o barco começa a ganhar forma e ser esculpido.

Foto: Instagram @ivan_karpitski/ Reprodução

Confira abaixo o vídeo de como o barco de gelo foi construído!

 

 

Nas margens do reservatório Tsnyanskoe — um lago ao norte de Minsk, perto da antiga vila de Tsna-Yodkovo — , Karpitski utilizou uma variedade de ferramentas, como serra elétrica, furadeira, martelo e até mesmo um secador de cabelo para construir o barco, criar painéis e um leme de gelo.

 

O artista também criou duas rodas de pás removíveis que podem ser instaladas na popa do barco de gelo. Como elas podem ser conectadas a uma fonte de energia em terra, elas até aparentam a sensação de propulsão. Foi uma boa alternativa pela estética, já que um gerador a bordo tornaria o barco de gelo inseguro.

Foto: Instagram @ivan_karpitski/ Reprodução

Porém, não pode-se dizer que o barco é 100% feito de gelo. O artista utilizou tubos de aço em dois momentos: na superestrutura, para dar suporte, e no encaixe das rodas de pás removíveis, localizadas na popa do barco de gelo.

 

 

Mesmo sem poder navegar, o barco de gelo não deixa de ser fascinante, visto que ele realmente flutua e tem capacidade para uma pessoa — quem sabe duas?

Artista do gelo

Na Bielorrússia, país natal de Ivan Karpitski, o artista é bem conhecido pelas construções “glaciais”. Em 2020, ele teve sua primeira aparição nos jornais locais ao esculpir um violino de gelo. Depois, castelos e outras peças magníficas aumentaram a coleção do bielorrusso.

Foto: Instagram @ivan_karpitski/ Reprodução

Desde então, todos os invernos Karpitski esculpe algumas obras com gelo e neve — como torres, chaminés e até personagens de animações infantis. Mas temos que concordar que, desta vez, ele se superou com o barco de gelo.

Fazer barco de gelo é hobby, não um job

Era de esperar que o vídeo do barco de gelo se tornasse viral e, com isso, várias pessoas viessem pedir para que Karpitski fizesse outros sob encomenda — dito e feito. No entanto, o artista bielorrusso recusou todas prontamente. Ele resiste à ideia de construir criações mais duradouras que o perecível gelo.

Foto: Instagram @ivan_karpitski/ Reprodução

Por mais que sejam encantadoras, as obras do artista têm vida curta. O gelo e a neve derretem e a construção se vai para todo o sempre. Talvez só um artista com o talento de Karpitski possa enxergar o encanto nessa missão.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 99

    Evento se destacou por trazer inovações que foram além dos barcos para 51 mil visitantes

    Rio Boat Show 2024 será palco para estreia da Schaefer V44 em águas brasileiras

    Lançamento walk around da Schaefer Yachts estará nas águas da Marina da Glória, de 28 de abril a 5 de maio

    Megaiate apreendido vira "batata-quente" para os Estados Unidos; entenda o caso

    Governo norte-americano quer vender embarcação e alega não ter condições de pagar manutenção

    Reveladas imagens inéditas de navio que afundou com seu capitão há 84 anos

    O graneleiro Arlington foi encontrado nos EUA e traz, além de imagens, a história do capitão que não quis se salvar

    Novo estudo mostra que baleia-azul está acasalando com baleias-comuns mais do que deveria; entenda

    Número até então desconhecido de animais com DNA híbrido colocou pesquisadores em alerta