Conheça a origem do “Bloop”, o misterioso som identificado no oceano há 26 anos

Ruído desconhecido foi um mistério durante décadas, mas hoje se tornou comum e alvo de preocupação

15/01/2024
Foto: NASA/ Goddard Space Flight Center Scientific Visualization Studio

Que não conhecemos a maioria do oceano — 10% dele após 200 metros de profundidade, para ser mais exato — não é novidade. E justamente por conhecer tão pouco, surgem alguns mistérios e lendas sobre as profundezas das águas, como é o caso do “Bloop”, o som misterioso.

Para se ter ideia, o ruído do bloop conseguia ser ouvido a incríveis 5 mil quilômetros de distância e, para cativar ainda mais a atenção do público, foi escutado apenas uma vez.

 

Tudo começou em 1997, quando cientistas ouviram alguns ruídos estranhos vindos do oceano. O som de frequência super baixa soou como um “bloop” deslizante, embora a gravação não modificada seja 16 vezes mais lenta. Ou seja, lembra mais um som de trovão do que qualquer outra coisa. Escute:

 

 

Como o desconhecido chama atenção, não faltaram teorias e lendas envolvendo a história. O misterioso som chegou até mesmo a virar pauta para entretenimento nas mídias populares, recebendo um lugar no documentário “Sereias: O Corpo Encontrado”, do Animal Planet.

 

Uma das hipóteses levantadas para explicar o que acontecera apostava que o som era resultado de exercícios militares navais ou de motores de navios. No entanto, essas suposições não se confirmaram.


Mais simples do que parecia

De cara, podemos descartar aquelas teorias que envolvem criaturas abissais, como monstros gigantes ou algo do tipo. Ao utilizar a localização de dois hidrofones, descobriu-se que a origem do som era na costa sul do Chile, no Oceano Pacífico.

 

Poderia até ser um ruído de baleia, já que o barulho de fato é parecido. Porém, esse “bloop” foi detectado a milhares de quilômetros de distância. Para que isso fosse possível, o animal teria que emitir um som alto demais para ser emanado por uma única criatura subaquática.

Até que, enfim, após anos de espera, descobriu o que realmente era aquele misterioso som do “bloop” no oceano. Cientistas confirmaram que o barulho se tratava de um iceberg rachando e se descolando de geleiras da Antártica. Ou seja, algo semelhante a derrubar um cubo de gelo no copo com bebida. Bloop!

Mais comum do que deveria

Por mais que fosse simples, o resultado surpreendeu os cientistas, pois sons assim estão se repetindo nos últimos anos. Em 2012, o sismólogo Robert Dziak disse que os hidrofones da NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), agência do governo dos Estados Unidos, passaram a captar dezenas de milhares de sons semelhantes ao “bloop” no oceano todos os anos.

 

Afinal, com a aceleração do aquecimento global, a perda de gelo na Antártida está sendo mais recorrente e, com isso, gera mais deslocamentos de geleiras. Prova disso é que mais da metade das plataformas que sustentam a camada de gelo no Hemisfério Sul estão perto de um colapso.

Assim, o som que era objeto de estudo de muitos cientistas e que não tinha sido escutado nenhuma vez, tornou-se no barulho que eles menos querem escutar. O “bloop” agora não é mais um pequeno mistério, mas sim um grande problema.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda

    Vila flutuante nas Maldivas promete ser o mais novo "point" dos milionários

    Projeto da rede de hotéis de luxo Soneva traz uma série de comodidades luxuosas com diárias a partir de R$ 25,6 mil

    São Paulo inaugura estruturas náuticas de uso público para alavancar turismo

    Municípios de Pereira Barreto, Três Fronteiras e Rubinéia deram início à primeira fase do Programa de Turismo Náutico

    Nada de bingo! Aos 81 anos, velejadora aposentada bate recordes navegando sozinha

    Mesmo aposentada, Jeanne Socrates já realizou voltas ao mundo num veleiro, e totalmente solitária