Empresa americana pretende relançar lendário “barco voador”

Versão modernizada do clássico Catalina pode voltar aos céus até 2029

28/07/2023

O anfíbio avião Catalina, ícone da Segunda Guerra Mundial, pode retornar nos próximos anos. Pelo menos, é isso que a empresa estadunidense Catalina Aircraft, detentora dos Certificados de Tipo do clássico Consolidated PBY Catalina, mais conhecido como “barco voador”, planeja até o final desta década.

Anunciado durante a Oshkosh 2023, maior feira de aeronaves do mundo, a versão moderna do Catalina tem planos de divulgar a reinicialização em 25 de julho, no show aéreo de AirVenture Oshkosh, em Wiscosin (EUA).

Na feira, a empresa sediada na Flórida divulgou o novo nome da nova embarcação, que será chamada de Catalina II Amphibious Turboprop. Inclusive, a versão modernizada da aeronave já está preparada para receber pré-encomendas, segundo a empresa.

 

Lawrence Reece, presidente da Catalina, se mostrou entusiasmado com o novo barco, ressaltando a importância que sua aeronave moderna oferecerá em missões e diversos segmentos do mercado.

O interesse no renascimento deste lendário anfíbio tem sido extraordinário – Lawrence Reece, presidente da Catalina

Segundo Reece, o novo modelo contará com motores e aviônicos modernos, que darão à embarcação “capacidades que nenhum outro anfíbio pode fornecer hoje.” O barco voador ainda será maior, mais rápido, terá maior alcance e capacidade de carga em relação ao antigo Catalina.

 

A empresa americana, responsável pela nova versão do barco, afirma que seu novo lançamento poderá operar em pistas pavimentadas, de grama, terra, em rios e baías, além de lagos e em mares abertos, sendo capaz de enfrentar ondulações de até três metros.

Em seu retorno ao mercado, a Catalina pretende atender operadores civis e militares, com diferenças técnicas entre cada uma. A variante civil, por exemplo, terá peso máximo de decolagem de 14.515kg, com capacidade para 34 passageiros ou 5.443kg de carga.

Enquanto isso, a versão militar terá um peso máximo de decolagem maior, alcançando até 18.143kg. Em ambos os modelos, o barco voador será impulsionado por motores turboélices e a aeronave será construída com materiais modernos e resistentes, segundo a empresa.

História do Catalina

Foto: U.S. Naval History and Heritage Command / Divulgação

O Catalina foi criado para ser um avião de patrulha a ataque antissubmarino, e cumpriu sua missão. A aeronave fez seu primeiro voo em 1935, sendo fabricado até 1945 com 4 mil unidades entregues ao redor do mundo.

 

Realizando missões de bombardeio, escolta marítima, busca e salvamento de transporte, o Catalina teve um papel muito importante durante a Segunda Guerra Mundial. Com muita praticidade de pousar tanto nas águas quanto no solo, o avião ainda voava longas distâncias.

 

A FAB (Força Aérea Brasileira) possui dois Catalinas tombados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Um está localizado no Memorial da FAB na Amazônia, na Base Aérea de Belém (PA), e o outro está no Musal (Museu Aeroespacial), no Rio de Janeiro.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Casarini Boats levará mistura de bote com jet ao Rio Boat Show 2024

    Embarcação inovadora será um dos destaques do evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    No NÁUTICA Talks, Paula Vianna mergulha nos desafios da fotografia subaquática

    Vencedora de concursos internacionais, fotógrafa é presença confirmada no Rio Boat Show 2024

    Série de NÁUTICA com família a bordo de barco centenário já tem data de estreia

    Com 10 episódios, “A Europa como você nunca viu” acompanhará um casal, uma criança e um cachorro pelos canais dos Países Baixos

    NÁUTICA Talks: velejador Silvio Ramos palestra sobre "cruzeiro dos sonhos" no rio Amazonas

    Criador do BRally, o empresário contará como foi a circum-navegação, em bate-papo que acontece dentro do Rio Boat Show 2024

    Governo abre inscrições para curso gratuito de Condutor de Turismo Náutico

    Formação, totalmente online, foi criada em parceria do Ministério do Turismo com Universidade Federal Fluminense