Há 22 anos, sorteio de barco no Rio Boat Show mudava a vida de garoto de apenas 11 anos

Hoje músico, Bernardo Fajoses conta como ganhar um barco no salão foi um dos momentos "mais decisivos e impactantes" de sua vida

26/04/2024
Foto: Arquivo Revista Náutica

Bernardo sempre teve sorte em abundância de coisas que realmente importam na vida: nasceu em uma família que o ama e apoia, tem amigos que o admiram e alunos que nele se inspiram. Mas aquela outra sorte, do jogo, nunca foi seu forte. Porém, bastou que ela pairasse sobre ele por um único dia, para que tudo o que ele é hoje se tornasse realidade — e foi em 2002, durante um Rio Boat Show.

Famoso “carioca da gema”, Bernardo Fajoses Barbosa, de 33 anos, nasceu no Méier e se criou entre Grajaú, Andaraí, Vila Isabel e Tijuca. Orgulhoso de trazer dentro de si as raízes da Zona Norte do Rio de Janeiro, Bernardo é músico e professor de musicalização infantil, profissão que ele carrega no peito — ao lado do escudo tricolor — com muito simbolismo, já que é fruto de uma infância em meio à música.

Foto: Arquivo Pessoal

Tenho relatos de familiares sobre um Bernardinho andando pra lá e pra cá com uma guitarra de brinquedo e batucando nas panelas. Um clássico– comenta Bernardo sobre sua infância

Bernardo e a mãe, Mônica. Foto: Arquivo Pessoal

Sem nem conseguir precisar quando a música passou a fazer parte de sua vida, Bernardo conta que ficava horas a fio vendo seu pai tocar violão. “Minha mãe havia tocado piano quando mais nova, então era um lar muito musical”, ressalta.

Bernardo e seu pai, Sérgio Luiz. Foto: Arquivo Pessoal

Mas a nota que faz seu coração vibrar mais forte toca quando ele lembra dos momentos ao lado de sua avó Vilma, com quem o músico passava horas ouvindo jazz, música instrumental e, principalmente, Dorival Caymmi — um primeiro indício de que o mar o traria boas ondas. E, se a maré trouxesse uma guitarra de brinde, melhor ainda, já que esse era o grande sonho do pequeno Bernardo.

Bernardo e sua avó, Vilma. Foto: Arquivo Pessoal

O dia em que tudo mudou

Oriundo de um lar repleto de arte, não é de se estranhar que o dia que mudaria sua história tenha tido também um pouco disso. Bernardo e os pais seguiam rumo a um museu no centro do Rio, mas um engarrafamento fez com que a família desviasse a rota pela Marina da Glória, que recebia naquele mesmo dia o Rio Boat Show 2002, e fez a família trocar a arte em terra firme pela arte sobre as águas.

Foi sensacional. Fiquei impressionado com aqueles iates, que pareciam um palácio por dentro– ressalta Bernardo sobre sua experiência no salão

“O que eu mais me lembro desse momento é que eu estava acompanhado de meu pai. Na época ele estava trabalhando muito, e tinha pouco tempo para a família. A feira náutica, para mim, foi uma boa oportunidade de ficar horas na companhia dele”, conta Bernardo sobre o dia em que visitou a feira, quando tinha apenas 11 anos.


Enquanto se impressionava com a dimensão dos barcos e embarcava na imersão náutica que só o Boat Show do Rio consegue proporcionar, o jovem Bernardo descobriu que, naquele dia, um veleiro Dingue seria sorteado durante o evento e, ainda sem saber que a sorte para o jogo não era sua maior aliada, não pensou duas vezes antes de participar.

Lembro exatamente da urna: era transparente e dava para ver os milhares de papéis lá dentro. O veleiro Dingue ficava bem atrás, em um tabladinho. Fui lá com toda a minha confiança de criança e poim! Coloquei o papel que eu mesmo preenchi lá dentro– conta Bernardo sobre o dia que marcou sua vida

A essa altura do campeonato, não é difícil deduzir que, sim, a sorte resolveu caminhar ao lado do jovem Bernardo justamente naquele dia. “Ligaram lá pra casa dizendo ‘parabéns, o Bernardo ganhou um barco!’ Meu pai atendeu, achou que era trote e desligou. Ligaram novamente, explicaram a situação, ele não se convenceu até que colocaram para a gente ouvir a galera gritando meu nome. Eu não acreditei”, relata o músico com entusiasmo.

Foto: Arquivo Revista Náutica

Cada escolha, uma renúncia

Depois de ganhar o pequeno Dingue, Bernardo viu uma grande porta se abrir diante de seus olhos: era a oportunidade de sua vida, a chance de finalmente ter a sua própria guitarra, e não uma qualquer, mas o modelo dos seus sonhos: uma Fender Telecaster. Isso porquê Bernardo vendeu o veleiro no evento mesmo e, apesar de não lembrar o valor exato da venda, ele conta que “daria pra comprar umas 10 guitarras na época”.

A Fender Telecaster acompanha Bernardo até hoje. Foto: Arquivo Pessoal

Se eu pensei em ficar [com o barco]? Bom, eu penso nisso até hoje. Principalmente na hora dos perrengues da estrada — vida de músico não é fácil. Não é raro me ouvir dizendo: ‘ai, meu barquinho…’– comenta ele, que conta a história para todo mundo

A decisão de vender o barco — além da vontade gigante de ter um instrumento para chamar de seu –, partiu também do apoio dos pais e da família, que sempre acreditaram e estimularam seus sonhos musicais, “sem julgamentos ou preconceitos, respeitando as vontades e orientando com carinho e zelo”, como ele mesmo faz questão de ressaltar.

Foto: Arquivo Pessoal

“Isso criou em mim um senso de generosidade implacável, que se reflete na minha musicalidade. Sempre toquei com todo mundo, sempre estimulei as pessoas e meus alunos a se dedicarem cada vez mais e melhor, pois vale a pena”, ressalta o músico.

Uma carreira que se materializou em um Boat Show

Apesar de ter nascido em um lar musical, cheio de referências e lembranças que Bernardo carrega no DNA, a carreira de músico talvez hoje não fosse uma realidade se o trânsito do Rio de Janeiro não o tivesse levado para a Marina da Glória.

Se eu não tivesse ganhado o barco eu ia ter que continuar arranhando o violão do meu pai escondido, porque guitarra eu não teria condições de ter tão cedo– menciona Bernardo sobre como aquele dia impactou sua vida

“Esse evento é um dos mais decisivos e impactantes da minha vida, sem sobra de dúvida. Me fez acreditar que o universo sempre vai dar um jeito de trazer o que você precisa para sua vida, na hora certa que você precisa, mas não necessariamente da forma que você quer. Foi a melhor surpresa que um garoto poderia ter”.

Foto: Arquivo Pessoal

Atualmente, a Fender Telecaster de Bernardo ostenta uma quilometragem de turnês pelo Brasil, Estados Unidos e Europa, além de uma assinatura de Sergio Dias, guitarrista e cantor da banda Os Mutantes, que teve sua primeira formação, em 1969, composta por Sergio, Arnaldo Baptista e Rita Lee.

E quem disse que eu não fiquei com o Barquinho? Ele ta no meu coração, para sempre… só que, ao invés de velejar pelas ondas do mar, eu preferi velejar pelas ondas sonoras. De guitarra ou barquinho, navegar é preciso– finaliza Bernardo

Foto: Arquivo Pessoal

25ª edição do Rio Boat Show

Bernardo, que costumava sair de barco com o pai para “praticar pesca esportiva pela enseada do Rio de Janeiro” a bordo do Snooker, barco de alumínio com motor de popa de um amigo da família, vai ter a chance de ver outros tantos modelos semelhantes durante a 25ª edição do Rio Boat Show, evento para o qual o músico foi convidado para reviver as memórias náuticas do jovem Bernardinho sortudo.

Foto: Arquivo Pessoal

“Quando saio em turnê e volto para casa, a primeira coisa que eu faço é ir até o mar, agradecer por ter ido e voltado sem maiores problemas, como as ondas do mar, mesmo. Tem essa simbologia para mim. É muito especial morar aqui no Rio e manter esse contato com a natureza”, conta Bernardo, que traduz em palavras a sensação de estar próximo ao mar do Rio.

Rio Boat Show 2024

Evento náutico mais charmoso do Brasil, o Rio Boat Show chega a sua 25ª edição recheado do que de melhor esse lifestyle pode oferecer. As águas da Baía de Guanabara, na Marina da Glória, recebem o evento entre os dias 28 de abril e 5 de maio. Por lá, o grande público poderá ver de perto os principais lançamentos e destaques do mercado náutico com barcos na água e test-drive de embarcações.

O repertório é grande: lanchas, veleiros, iates, jets, motores, equipamentos, acessórios, decoração e serviços náuticos estarão reunidos em um só lugar, ao lado de especialistas do setor, preparados para auxiliar todos os visitantes. Além disso, o Rio Boat Show exibe destinos náuticos, artigos de luxo e quadriciclos.


O público da 25ª edição do evento terá ainda atrações diversas, como palestras, desfile de moda e o tradicional Desfile de Barcos — em que os modelos de destaque do evento navegam pela Baía de Guanabara, junto com um show de luzes, música e até mestre de cerimônia.

Anote aí!

RIO BOAT SHOW 2024
Quando: De 28 de abril a 5 de maio;
Horário: De segunda a sexta-feira, das 15h às 22h | sábado e domingo, das 13h às 22h;
Onde: Marina da Glória (Av. Infante Dom Henrique, S/N, Glória);
Ingressos: site oficial de vendas
Mais informações: rioboatshow.com.br.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial

    Schaefer Yachts anuncia barco que não afunda, ideal para resgates em alto-mar

    Com o nome de Interceptor 48 Pilot, novidade é fruto de parceria com a empresa irlandesa Safehaven Marine