Expedições aos destroços do Titanic podem estar com os dias contados

EUA querem ter controle de visitas ao local, enquanto empresa dona do navio se opõe à medida

02/09/2023
Fotos: Atlantic Productions / Magellan / Divulgação

Mesmo 111 anos após naufragar em sua viagem inaugural, o Titanic segue escrevendo novos capítulos em sua história. Em um dos mais recentes, o submarino Titan, da empresa OcenGate, implodiu ao tentar visitá-lo no fundo do oceano. A partir deste, surge agora um novo: os Estados Unidos querem impedir expedições aos destroços do navio.

Essa não é a primeira vez que os EUA levantam esse debate. Em 1985, 73 anos após o naufrágio da embarcação, seus destroços foram encontrados durante uma exploração conjunta do ex-oficial da Marinha dos EUA Robert Ballard e do oceanógrafo francês Jean-Louis Michel. A partir daí, autoridades de Washington já se mobilizaram para regular o ao acesso ao local.

Contudo, na ocasião, a RMS Titanic Inc. (empresa dona do navio), ficou com os direitos sob os itens e controle de expedições até seus destroços. Um dos mais importantes jornais estadunidenses, o The New York Times, chegou a noticiar à época que o Congresso do país declarou que “nenhuma pessoa deveria alterar fisicamente ou perturbar o RMS Titanic”.

A volta do debate

Uma lei marítima dos EUA considera o descobridor do naufrágio como seu “dono”. Dado o fato de que o Titanic não foi um naufrágio qualquer, em 2017, um acordo entre EUA, Canadá, França e Reino Unido promulgou a proibição de “qualquer pesquisa, exploração, salvamento ou outra atividade que possa alterar fisicamente ou perturbar o naufrágio ou local do naufrágio do RMS Titanic, a menos que autorizado pelo Secretário de Comércio.”

 

A dona da embarcação, porém, prefere seguir a lei e descarta a possibilidade de cumprir o acordo internacional. Contudo, com a confirmação da implosão do submersível OceanGate, em junho deste ano, o debate voltou a ganhar força.


O governo estadunidense quer agora o direito de fazer com que a Secretário de Comércio e sua unidade marítima, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), tenham o poder de aprovar ou negar permissão à RMS Titanic quando a empresa quiser realizar uma expedição aos destroços.

 

Em entrevista ao The New York Times, Ole Varmer, um advogado aposentado da NOAA, disse que “isso já demorou muito para acontecer”, justificando a necessidade de agora o governo ser “forçado” a intervir.

O que diz a RMS Titanic Inc

A RMS Titanic Inc., por sua vez, não pretende aceitar a ação do governo norte-americano. Em um comunicado também ao NYT, Brian A. Wainger, advogado da RMS, declarou que “a empresa acredita que retém o direito de continuar a conduzir atividades de salvamento no local do naufrágio, sem procurar ou obter aprovação de terceiros que não sejam o Tribunal Distrital dos EUA, que mantém jurisdição sobre o local.”

 

Os restos do Titanic ficam no Oceano Atlântico Norte, cerca de 600 km a sudeste da costa da Terra Nova, no Canadá, e a cerca de 3,8 mil metros de profundidade. O fato de o local do naufrágio ficar em águas internacionais deixa a questão ainda mais complicada. Também por isso, o embate pode durar anos e chegar até à Suprema Corte.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória