Novo motor Rotax Ghost é proposta ousada que promete revolucionar navegação

Mistura de motor de popa com centro-rabeta, criação da BRP lança nova categoria de motores náuticos

Por: Redação -
08/02/2023

A canadense BRP (fabricante dos jets Sea-Doo) lançou no ano passado um novo conceito de motor para barcos de lazer. Apelidado de Ghost — ou fantasma, em inglês —, o motor Rotax cria uma nova categoria de motores náuticos.

Rotax Ghost é um misto de motor de popa com centro-rabeta. Ele fica escondido sob a plataforma de popa, preso à parte externa do espelho de popa e quase totalmente submerso, desimpedindo totalmente a área da plataforma de popa dos barcos.

É fascinante a simplicidade com que certos milagres são feitos. Essa inovação da BRP surgiu para conquistar espaço no mercado de barcos em que vem investindo nos últimos anos, com a aquisição de três marcas de barcos de alumínio — as americanas Alumacraft e Manitou Pontoon e a australiana Quintrex.

 

A notícia, após a interrupção pela BRP da fabricação dos tradicionais motores de popa Evinrude, soou como música àqueles que consideravam a marca um verdadeiro símbolo de motor de popa — até hoje há uma legião de fãs pelo mundo, inclusive no Brasil.

 

Em termos técnicos, o novo Ghost é um motor de três cilindros, dois tempos, com injeção direta e está disponível nos modelos de 115 e 150 hp.

A maior diferença do motor Rotax Ghost para um motor de popa e centro-rabeta convencionais está na posição: o bloco do motor fica fixado na parte externa do espelho de popa, quase desaparecendo sob a plataforma traseira. Dessa forma, o Ghost trabalha na posição horizontal, formando um “L” com a rabeta.

 

Para evitar a entrada de águas no conjunto engrenagens/motor quando submerso, o novo Rotax recebeu reforço na estrutura do espelho de popa, além de proteção na carenagem contra corrosão e impactos.

Sua carcaça foi projetada e fabricada para atuar como uma caixa estanque usada para a proteção — como a das câmeras de fotografia sub —, o que impede a entrada de água. A entrada de ar na parte frontal superior da carenagem lembra a entrada de um snorkel, ou um submarino funcionando na superfície.

 

Mas, o que esperar do novo motor Rotax Ghost? “A ideia é desobstruir a área de traseira do convés, deslocando o motor para baixo da plataforma de popa, onde ficará fora de vista”, conta Fernando Alves, diretor da BRP no Brasil.

 

O visual fica muito mais bonito, aproveita-se melhor o espaço para o lazer, e a experiência a bordo se torna ainda melhor – Fernando Alves

 

Segundo o diretor, o novo motor se destaca também pelo contexto ambiental, oferecendo melhor desempenho com menos emissões e menos ruído.

“Nos testes, o Ghost foi 20% mais eficiente em termos de consumo de combustível que os motores de popa concorrentes da mesma potência e apresentou redução de 12% nas emissões em geral, sendo que em marcha lenta foi registrada uma redução de até 98% nas emissões de monóxido de carbono”, finaliza Fernando.

 

Por conta da localização (fica quase totalmente submerso abaixo da plataforma de popa), esse propulsor também produz baixo nível de ruído, melhorando o conforto a bordo.

Outro propósito da empresa com o lançamento desse projeto é aumentar o foco e os investimentos em novas tecnologias, oferecendo ao mercado algo diferente e inovador. Porém, esse motor não tem data para chegar ao Brasil, nem a garantia de que isso vai acontecer.

 

“Por questões logísticas e de volume global de produção atual, entendemos que a fabricação local seria mais viável para atender a demanda no Brasil. Mas este não é um projeto para o curto prazo”, esclarece Fernando.

 

Na prática, o que o motor Rotax Ghost promete deve fazer uma senhora diferença. Mesmo quem usa a lancha apenas por lazer tem ótimos motivos para comemorar a chegada do motor que abre espaço na plataforma de popa.

Afinal, é nela que as pessoas preferem ficar quando o barco está parado, em contato com a água, pescando, tomando sol ou entrando e saindo da embarcação para um mergulho.

 

Com o barco em movimento, todos querem ir para a frente. Quando para, acontece o contrário: todos vão para a popa, porque é ali que o barco é mais espaçoso e mais gostoso.

 

A má notícia: o novo motor de popa Rotax não será vendido separadamente. Por enquanto, o “Ghost” equipará apenas as embarcações das marcas Manitou, Alumacraft e Quintrex, que foram redesenhadas para receber a máquina. Ou seja, permanece exclusivo dos barcos de alumínio do grupo BRP.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    E-combustíveis para o setor marítimo podem gerar 4 milhões de empregos, diz pesquisa

    Estudo foi encomendado pelo Fórum Marítimo Global e indica que as vagas serão abertas até 2050

    Futurista e feita de titânio: conheça a lancha de 55 pés que parece uma nave espacial

    Com estilo contemporâneo, será a primeira embarcação lançada pelo estaleiro Mirrari, dos Emirados Árabes Unidos

    Litoral de São Paulo e do Rio pode ter ondas de até 3 metros neste sábado (18)

    Alerta da Marinha do Brasil vale para as cidades de Santos e Campos dos Goytacazes; confira dicas de segurança em caso de ressaca marítima

    Projeto na Croácia quer criar cinco vilas ecológicas de luxo à beira mar com direito a barcos elétricos

    Ideia da eD-TEC visa redefinir o conceito de vida de luxo, oferecendo energia solar às moradias durante os 365 dias do ano

    Criança de 11 anos encontra fóssil de ictiossauro pré-histórico, o maior réptil marinho que já existiu

    Com a companhia do pai e pesquisadores, garota ajudou a desvendar a vida marinha de 200 milhões de anos atrás