Navio Polar Almirante Maximiano, da Marinha do Brasil, cruza o Círculo Polar Antártico pela primeira vez

Feito inédito contribui para o desenvolvimento de pesquisas e projetos científicos da 42ª Operação Antártica

13/03/2024
Foto: Flickr Marinha do Brasil / Divulgação

No último dia 8 de março, a Marinha do Brasil celebrou um feito inédito com uma das embarcações da instituição: o Navio Polar (NPo) Almirante Maximiano cruzou o Círculo Polar Antártico pela primeira vez.

Batizada carinhosamente de “Tio Max”, a embarcação já soma mais de 50 anos. O marco, além de inédito, contribui para o desenvolvimento de pesquisas e projetos científicos, uma vez que faz parte da 42ª Operação Antártica (OPERANTAR).

Foto: Flickr Marinha do Brasil / Divulgação

“O fato de ter cruzado o Círculo Polar Antártico representou um estímulo para toda tripulação e pesquisadores após cinco meses de comissão”, declarou o Capitão de Mar e Guerra e comandante do NPo Dieferson Ramos Pinheiro.

Além do desafio de navegar em ambiente tão inóspito e longínquo, o ineditismo para a pesquisa científica brasileira foi inspirador– Dieferson Ramos Pinheiro, Capitão de Mar e Guerra e comandante do NPo

42ª Operação Antártica

Além de reforçar o compromisso da Marinha do Brasil em garantir ao país a condição de Membro Consultivo do Tratado da Antártica (acordo firmado desde 1959, que determina o uso do continente para fins pacíficos), o feito do Navio Polar Almirante Maximiano eleva o Brasil na promoção de pesquisas na 42ª Operação Antártica.

Foto: Flickr Marinha do Brasil / Divulgação

A OPERANTAR integra o Programa Antártico Brasileiro, e é dividida em atividades tanto logísticas quanto de pesquisa, sendo que essas são realizadas durante o período de verão da OPERANTAR — de outubro a março.


Os estudos são desenvolvidos a bordo dos navios da Marinha — como o Tio Max — , na Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), no módulo Criosfera 1, em acampamentos isolados e em estações estrangeiras, por meio de acordos de cooperação entre os países.

 

Participam da operação os projetos de pesquisa aprovados e divulgados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), sendo que cada grupo de estudo apresenta a proposta de trabalho e as necessidades de apoio para a operação, por meio de formulários científicos, logísticos e ambientais, que serão avaliados.

Foto: Flickr Marinha do Brasil / Divulgação

De acordo com a Agência Marinha de Notícias, com a base nas informações adquiridas, os projetos são distribuídos nas fases de pesquisa, fazendo uso dos meios disponíveis para acessar os locais autorizados, onde ocorre a coleta de amostras e a realização de estudos e experimentos científicos.

O Navio Polar Almirante Maximiano

O NPo Almirante Maximiano teve o seu “batimento de quilha” (cerimônia que marca o início da construção de um navio) em 20 de agosto de 1973, sendo que a embarcação foi lançada ao mar em 13 de fevereiro de 1974 e entregue em junho do mesmo ano.

 

Sua incorporação à Marinha do Brasil, contudo, se deu em 3 de fevereiro de 2009 e, antes disso, o navio teve outros nomes, como Ocean Empress, Naeraberg, American Empress, Maureen Sea, Scotoil I, e Theriot Offshore I, antes de ser rebatizado em homenagem ao Almirante Maximiano Eduardo da Silva Fonseca, hidrógrafo de destaque e Ministro da Marinha de março de 1979 a março de 1984.

Foto: Flickr Marinha do Brasil / Divulgação

Um gigante dos mares, o Tio Max possui 93,4 m de comprimento, 13,4 m de boca e 6,59 m de calado. O navio é movido por 2 motores diesel de 12 cilindros Caterpillar, modelo 3612TA de transmissão direta, que geram 4.262 bhp cada, acoplados a dois eixos com hélices de passo fixo.

 

A embarcação atinge uma velocidade de 10 nós em cruzeiro e 13 nós de velocidade máxima. Seu raio de ação lhe fornece 20.000 milhas náuticas e 90 dias de autonomia. Ao todo, 106 pessoas (76 militares e 30 pesquisadores) conseguem navegar a bordo do Navio Polar Almirante Maximiano.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Danimar leva scooter aquática e modelos off road ao Rio Boat Show 2024

    Concessionária oficial de marcas como Segway, empresa também apresentará UTV e quadriciclo ao público do evento náutico

    André Homem de Mello recorda histórica volta ao mundo a vela no NÁUTICA Talks

    Primeiro brasileiro a alcançar o feito em solitário e sem escalas integra agenda recheada do Rio Boat Show 2024

    Fernando Moraes conduz mergulho pelas ilhas brasileiras no NÁUTICA Talks

    Biólogo marinho trará à tona detalhes sobre biodiversidade e história de locais emblemáticos durante o Rio Boat Show 2024

    Prós e contras do envelopamento náutico serão discutidos com Pedro Dias no NÁUTICA Talks

    Especialista em adesivagem náutica, "Pedrinho" vai conduzir bate-papo na série de palestras do Rio Boat Show 2024

    Canal Náutica no YouTube fará cobertura ao vivo do Rio Boat Show 2024

    Evento náutico mais charmoso da América Latina contará com transmissão ao vivo todos os dias