Por que a tocha olímpica não apaga debaixo d’água? Entenda

Tradicional revezamento que antecede os Jogos contou com trecho submerso na França, a 20m de profundidade no Mediterrâneo

25/06/2024
Foto: Jogos Olímpicos/ Twitter/ Reprodução

O tradicional revezamento da tocha olímpica, costumeiramente iniciado cem dias antes dos Jogos, ganhou um destaque a mais em Paris 2024, ao envolver um trecho debaixo d’água. Na terça-feira passada (18), a mergulhadora francesa Alice Modolo desceu vinte metros abaixo da superfície do Mar Mediterrâneo para resgatar a chama e iniciar a 34ª etapa do revezamento.

O momento foi filmado e publicado nas redes sociais oficiais das Olimpíadas de Paris.

Foto: Jogos Olímpicos/ Twitter/ Reprodução

‘Mas como isso é possível?’’, você pode estar se perguntando. Ao portal de notícias Metrópoles, o professor de física Diego Borges explicou que a resposta está no método usado para acendê-la.

Como ela é acesa por combustão [a gás], não é problema estar debaixo d’água. Alguns combustíveis têm energia de ativação muito baixa e nem a água consegue impedir quando alcançada– Diego Borges, professor de física, ao Metrópoles

Além disso, a tocha olímpica é projetada para permanecer acesa ao longo de todo o revezamento, independentemente das condições climáticas. Como o cartucho com gás inserido na parte inferior da tocha só tem combustível suficiente para 20 minutos, tochas cheias de gás substituem as que já estão com pouco.

 

 

Para reacendê-las  quando necessário, são transportados também quatro lampiões, sendo que cada um tem combustível para 15 horas.


Símbolo de unidade e paz, a tocha olímpica faz parte da tradição que começou nos Jogos de 1936. Neste ano, após ser acesa em Olímpia, na Grécia, seguiu para a França e passará por 65 territórios do país.

 

A ArcelorMittal foi a empresa responsável pela produção das duas mil tochas olímpicas em aço reciclado. Cada uma conta com 70 centímetros de comprimento e peso de 1,5 quilo.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano