Cientistas descobrem por que polvos-pérola formam “jardim” no fundo do mar da Califórnia

Estudiosos afirmam que cerca de 20 mil animais da espécie se reúnem no mesmo local

30/08/2023
Fotos: MBARI / Divulgação

Depois de um robô de mergulho fazer várias viagens ao fundo do mar para observar mais de perto um conglomerado de polvos-pérola, cientistas chegaram a uma conclusão sobre o comportamento dos animais que, juntos, formam uma espécie de “jardim de polvos” no fundo do mar da Baía de Monterey, na Califórnia.

Operado remotamente por uma equipe do Instituto de Pesquisa do Aquário da Baía de Monterey (MBARI), o robô ajudou os estudiosos a entenderem o comportamento do animal. Segundo os pesquisadores, a espécie utiliza o calor das águas de fontes vulcânicas próximas ao local para ajudar seus bebês a eclodirem mais rapidamente.

Em condições normais da espécie, em águas muito mais profundas e geladas, os filhotes chegam a levar uma década ou mais para eclodir. Já no local em que foram encontrados, os bebês polvo emergem dos seus ninhos após menos de dois anos, por conta do calor da água.

 

Sondas de temperatura mostraram que a água que banha os ovos na região da Baía variava de 5°C a 10°C, enquanto a menos de um metro de distância, a temperatura caía para 1,6°C. Essa seria também a razão pela qual os animais formam o “jardim”, já que se limitam ao espaço de água quente, oriundas de fontes hidrotermais.

Nunca fica superaquecido [o suficiente] para cozinhar os ovos de um polvo – Dr. Jim Barry, do MBARI

Câmeras foram posicionadas entre os ninhos para gravar em time-lapse, rastreando as idas e vindas dos moluscos. Ao longo do ano, chegavam novas fêmeas e machos adultos. Os animais não foram vistos se alimentando, assim como nunca foram acompanhados por polvos menores.

Isso indica que o local é utilizado exclusivamente para acasalamento e construção de ninhos da espécie — que coloca cerca de 60 ovos, prendendo-os diretamente nas rochas, e depois aguarda até que eclodam.

 

Com base em fotos que cobrem uma parte do local, Barry e seus colegas estimam que o jardim de 333 hectares contém mais de 20 mil polvos, a maior agregação encontrada pelos cientistas.


Agora, os estudiosos buscam saber até que ponto os animais migram para os locais dos ninhos e se, tal como o salmão, regressam ao local onde nasceram. A expectativa de Barry é que haja mais viveiros da espécie para descobrir.

 

O “jardim de polvos” está protegido dentro do santuário marinho nacional da Baía de Monterey, mas há uma preocupação de possíveis outros locais estarem vulneráveis ​​à pesca de arrasto e à mineração em alto-mar.

 

“É importante considerarmos o valor destas pequenas manchas e não destruirmos indiscriminadamente áreas do fundo do mar”, afirma Barry.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Poluição sonora no mar pode ser catastrófica para as baleias

    Barulhos provenientes da navegação de barcos, extração de recursos e outras atividades marítimas afetam a circulação dos animais que se comunicação pelo som

    Confira a melhor forma de chegar ao Rio Boat Show 2024

    Evento náutico mais charmoso da América Latina contará com transfer todos os dias e estacionamento 24h; saiba mais

    NÁUTICA Talks: Izabel Pimentel e Marcelo Osanai contam acontecimentos inesperados na navegação

    Dois navegadores que já passaram por apuros em alto-mar relatam suas incríveis histórias no Rio Boat Show 2024

    Yamaha vai ao Rio Boat Show 2024 com cinco motores e dois jets

    Entre os equipamentos, estão cinco modelos de popa; evento acontece de 28 de abril a 5 de maio

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 2019

    Evento chegou a sua última edição antes da pandemia consolidado como o mais importante salão náutico outdoor da América Latina