Copa do Mundo de Vela: Hungria é a campeã e Brasil termina entre as 8 melhores

Primeira edição da SSL Gold Cup foi realizada em Las Palmas, na Espanha, e terminou neste final de semana

Por: Redação -
04/12/2023
Foto: Martina Orsini / Divulgação SSL Golp Cup

A seleção da Hungria levou o título da primeira edição da SSL Gold Cup, a chamada Copa do Mundo de Vela neste final de semana. Realizado em Las Palmas, na Gran Canárias, na Espanha, o evento teve 56 países na disputa — todos com barcos SSL47 rigorosamente iguais, para garantir igualdade de oportunidade entre as equipes.

Apelidados de Xamãs, os húngaros ganharam a regata final, superando Itália e Holanda, que ficaram com a prata e o bronze, respectivamente. Já a Espanha, que corria em casa, foi a quarta colocada.

 

Após 45 minutos de prova, com ventos de fraca intensidade e muito sol, a tripulação da Hungria celebrou o título da Copa do Mundo de Vela no Real Club Náutico de Gran Canárias, com uma bateria de escola de samba local.

Foto: Martina Orsini / Divulgação SSL Golp Cup

”O segredo do sucesso foi o nosso trabalho em equipe. O formato da SSL Gold Cup é inovador e nos deu a chance de mostrar o talento dos atletas húngaros para o mundo. Estamos muito felizes por esse resultado”, contou Zsombor Berecz, medalhista de prata em Tóquio 2020 na classe Finn.

 

Os italianos celebraram o resultado de segundo lugar na Copa do Mundo de Vela, depois de eliminarem Brasil e Nova Zelândia. Liderada por Vasco Vascotto, os Gladiadores chegaram a estar em último, mas após o distanciamento dos húngaros fizeram um match race com os holandeses.

Foto: Martina Orsini / Divulgação SSL Golp Cup

O Brasil — chamado de Brazilian Storm — finalizou entre as oito melhores seleções do mundo na SSL Gold Cup, após as semifinais disputadas no sábado (2). A Seleção Brasileira de Vela foi liderada por Robert Scheidt e Martine Grael, e teve como coach e CEO Bruno Prada. O time contou ainda com André Fonseca, Gabriel Borges, Henry Boening, Juninho de Jesus, Mario Tinoco, Alfredo Rovere, Henrique Wisni, Pedro Trouche e Gabriel Kieling.

 

”Os húngaros leram bem o vento e conseguiram levar esse título. É bom ver uma nação considerada pequena vencendo um evento deste porte. Nós, brasileiros, estamos felizes pelo resultado, mesmo não chegando à grande final. Montamos um time e espero que a gente volte a competir em breve”, contou Robert Scheidt.

Foto: Martina Orsini / Divulgação SSL Golp Cup

A vela brasileira também foi representada por Ricardo Navarro. O catarinense foi o presidente da Comissão de Regata na Copa do Mundo de Vela e ajudou a organizar todas as provas das fases de eliminatórias e finais. Só em Las Palmas foram feitas 65 regatas, em 25 dias das finais.

 

”Nós fiscalizamos tudo do início ao fim. Os barcos foram iguais para todos e escolhemos as velas que eles usaram. Assim, um país emergente pode competir contra uma potência em condições idênticas. Ganharam os melhores e essa é a filosofia da SSL Gold Cup”, explicou Ricardo.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Festa no mar: Tailândia tem mega balada flutuante em catamarã

    Com dois andares e capacidade para 500 pessoas, beach club leva agito a cenário paradisíaco

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 99

    Evento se destacou por trazer inovações que foram além dos barcos para 51 mil visitantes

    Rio Boat Show 2024 será palco para estreia da Schaefer V44 em águas brasileiras

    Lançamento walk around da Schaefer Yachts estará nas águas da Marina da Glória, de 28 de abril a 5 de maio

    Megaiate apreendido vira "batata-quente" para os Estados Unidos; entenda o caso

    Governo norte-americano quer vender embarcação e alega não ter condições de pagar manutenção

    Reveladas imagens inéditas de navio que afundou com seu capitão há 84 anos

    O graneleiro Arlington foi encontrado nos EUA e traz, além de imagens, a história do capitão que não quis se salvar