Conheça a ilha no Canadá famosa por esconder tesouros procurados há séculos

Lenda aponta que relíquias de piratas e rainha estariam há metros de profundidade; atuais donos do local prosseguem com escavações

08/06/2024
Foto: Nova Scotia/ Reprodução

Pode até parecer coisa de filme, mas não é só nas telonas que ilhas recheadas de tesouros atraem exploradores ao redor do mundo. No Canadá, uma península é alvo de atenção há séculos por parte de aventureiros que acreditam que o local guarda relíquias inestimáveis.

Localizada na Baía de Mahone, na costa da província Nova Escócia, a Ilha Oak conta com 567 m² e é explorada desde 1795, quando surgiu a lenda de que tesouros que pertenceram a grandes figuras históricas — como à rainha francesa Maria Antonieta, ao pirata escocês Capitão Kidd e aos cavaleiros medievais da Ordem dos Templários — estariam enterrados há dezenas de metros de profundidade.

Escavações e construções na ilha em 1931. Foto: Picryl

Tal o fascínio que o local provocava que diversas pessoas e companhias fizeram escavações por conta, a ponto de operários sofrerem graves acidentes e morrerem no percurso.

Como começou a lenda sobre a “ilha dos tesouros”?

Ao que tudo indica, o responsável pelas primeiras investidas foi Daniel McInnes, um garoto de 16 anos que, ao atracar na Ilha Oak para caçar, percebeu que havia uma depressão no solo, próxima ao local onde árvores haviam sido derrubadas.

 

Conhecedor de histórias de piratas na região, o jovem escavou o local junto com dois amigos — Jack Smith e Anthony Vaughan –, até que o trio descobriu um poço profundo, com plataformas de madeira a cada três metros.

 

Em 1803, Jack comprou o lote e fundou a Onslow Company. Um ano depois, relatou que, a 27 metros de profundidade, havia uma placa com uma mensagem criptografada que, ao ser decodificada, dizia: “Quarenta metros abaixo, dois milhões de libras estão enterrados”.


Outras empreitadas foram comandadas por ali, mas devido à proximidade com a Baía de Mahone, o poço inundou e desabou. Há boatos de que outra empresa, ao perfurar 50 metros abaixo do que havia sobrado, voltou com a broca com manchas de ouro e um fragmento de pergaminho de pele de carneiro.

Como está o local atualmente?

Quando o assunto é o suposto tesouro que a ilha esconde, há muitos mistérios e poucas certezas. Não é à toa que o History Channel fez uma série dedicada a explorar — literalmente — os segredos que envolvem a península.

 

Os episódios contam com a participação dos irmãos norte-americanos Rick e Marty Lagina, atuais donos do terreno e fundadores da empresa Cerva Troca — expressão em latim que significa “procure e encontrarás”.

Imagem publicada por Rick mostra escavações atuais. Foto: Instagram @ricklagina__/ Reprodução

Outros vários livros de ficção e não-ficção têm a Ilha Oak no centro do debate, já que o local também é lembrado por supostos fenômenos sobrenaturais. Há, inclusive, uma teoria, de autoria de Joe Nickell, que sugere que tudo não passa de uma lenda da Maçonaria, já que alguns dos itens achados na ilha, como uma cruz, um esquadro e a pedra com inscrições, aparecem na tradição do grupo.

 

Seja com for, reza a lenda que o tesouro seria encontrado na ilha após sete homens morrerem à sua procura. Ao longo dos últimos séculos, seis faleceram durante escavações.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Estrada de pedra de 7 mil anos atrás é registro da história no fundo do Mar Adriático

    Cerâmicas e outros artefatos encontrados no local são vestígios que podem ter pertencido a antiga civilização de Hvar, na Croácia

    Curtir paisagens com água diminui a frequência cardíaca, apontam estudos

    Efeito positivo da água sobre a pressão arterial foi comprovado em três experiências com humanos

    Estaleiro holandês Feadship lança seu primeiro superiate movido a energia solar

    Embarcação de 59,5 metros representa mais um passo da marca rumo ao objetivo de ser neutra para o clima até 2030

    Mestra levará seu maior barco ao Marina Itajaí Boat Show 2024

    Estaleiro estará no evento náutico com três opções de lanchas que vão de 29,5 pés a 35 pés

    Com sucata, mecânico constrói barco à mão para ajudar ilhados no Rio Grande do Sul

    Geraldo perdeu quase tudo na enchente, menos a vontade de ajudar ao próximo