Por que “bolha fria” está resfriando parte do Oceano Atlântico?

Enquanto oceanos esquentam pelo mundo, anomalia faz com que parte dele esfrie

17/08/2023

Na contramão dos recentes relatos sobre o aquecimento de oceanos pelo mundo, uma mancha chamada “bolha fria” (conhecida como “cold blob”, em inglês), localizada entre o Canadá e a Groenlândia, parece estar contrariando essa tendência.

Mesmo com o mês de julho sendo o mais quente da história recente, os cientistas vêm observando há anos uma estranha bolha fria, responsável por manter as temperaturas do Oceano Atlântico mais amenas e geladas do que o normal.

Foto: NOAA/ Reprodução

No mapa térmico compartilhado pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), é possível visualizar uma mancha azulada, no norte do Oceano Atlântico. Enquanto isso, o restante do globo está em vermelho, indicando altas temperaturas no oceano.

Mudanças climáticas

Uma das teorias mais aceitas para explicar a bolha fria atribui a anomalia à desaceleração de um sistema oceânico importante: a Circulação Meridional de Capotamento do Atlântico (AMOC, em inglês). O sistema de correntes oceânicas transporta águas quentes dos trópicos até o norte do Atlântico.

Foto: NOAA Climate.gov/ Reprodução

Segundo estudo realizado pela Universidade Estadual da Pensilvânia, as mudanças em grande escala nos padrões climáticos podem significar um papel importante na formação da bolha fria.

A mudança na circulação atmosférica é significativa o suficiente para induzir um impacto de longo prazo nos sistemas climáticos – Laifang Li, professora da universidade e coautora da pesquisa.

Além disso, um padrão de circulação atmosférica envolvendo um sistema de baixa pressão perto da Islândia, junto a um sistema de alta pressão perto das ilhas dos Açores — conhecido como Oscilação do Atlântico Norte (NAO, em inglês) — também tem contribuído significativamente para a existência da bolha fria.



Esse efeito influencia a forma como os ventos do oeste sopram no oceano. Segundo Li, durante uma fase do NAO, os ventos sobre o Atlântico Norte subpolar se intensificam, ajudando a explicar o motivo da bolha fria não ser sinal de uma não-existência do aquecimento global – mas apenas uma manifestação da mudança climática.

Quais serão os impactos da bolha fria?

Embora possa ser encarada como uma ferramenta boa contra o derretimento das geleiras no Ártico — e reduzir a temperatura média global — os pesquisadores da Penn State não estão muito otimistas com essas possibilidades, e buscam entender os impactos negativos da bolha fria.

Aumenta a instabilidade na atmosfera e favorece a passagem de tempestades que podem atravessar a bacia oceânica e trazer eventos climáticos extremos para a América do Norte e Europa – Laifang Li, pesquisadora

Além disso, a pesquisadora ainda acrescenta que a bolha fria “pode adicionar outra camada de complexidade às projeções de futuros eventos climáticos de alto impacto”. Por isso, os cientistas consideram importante acompanhar a sua evolução.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória