Salvo pelo reflexo do relógio, pescador sobrevive quase 24 horas em alto-mar

Homem caiu após tentar fisgar um marlim e foi resgatado por três pescadores na Nova Zelândia

12/01/2024
Foto: Facebook/ Will Fransen/ Reprodução

Um homem saiu para pescar e depois de 23 horas foi parar na emergência, além de voltar para casa sem o peixe e sem a embarcação. Essa é a história de Will Fransen, pescador que caiu do barco na tentativa de fisgar um marlim e ficou em alto-mar por quase um dia inteiro — segundo ele mesmo.

O acidente aconteceu no dia 2 de janeiro, perto das Ilhas Alderman, na Nova Zelândia, e o resgate ocorreu apenas no dia seguinte. Tudo porque, ao tentar fisgar o peixe na borda do barco de 36 pés, o pescador caiu no oceano, sem colete salva-vidas e sem ajuda. Mas ele tinha o mais importante: um relógio.

Foto: TVNZ/ 1News/ Reprodução

Segundo Fransen, 23 horas após cair no oceano — com tubarões passando perto e muito frio –, ele teve a sorte de perceber que tinha um barco navegando na mesma região. O pescador conta que usou o reflexo do relógio que estava em seu pulso para tentar chamar a atenção da embarcação — e deu certo.

Google Earth / Reprodução

Os três pescadores que estavam no barco perceberam o reflexo na água, e o resgataram na cidade de Whangamatã, na costa sudeste da Península de Coromandel, na Ilha Norte da Nova Zelândia. Com o corpo frio e pálido, Fransen foi encaminhado para as equipes de emergência.

Quando entrei na água, sabia que as chances de alguém saber que eu estava na água eram muito pequenas. Fiquei bastante pessimista desde o início. Eu simplesmente continuei vivo– Will Fransen

Ao cair do barco, o pescador até buscou se salvar de outras maneiras. Primeiramente, tentou nadar de volta para onde caiu, mas a corrente o puxou rapidamente. Exausto e com arnês de segurança como único equipamento, ficou flutuando e esperando a sorte.

Foto: The Coromandel/ Divulgação

O pescador não teve nenhuma consequência grave, além de ficar queimado por causa do vento e com dores no corpo. Para evitar cair no mar novamente, ele afirmou que vai melhorar a segurança do seu barco. Mas para isso, terá que encontrá-lo primeiro, visto que ainda não se sabe o paradeiro da embarcação.

Escapou do pior

Por mais que a história tenha terminado com um final feliz, Will Fransen, ao que parece, descumpriu alguns mandamentos básicos da navegação, como por exemplo, nunca ficar na borda da embarcação.

 

Outra medida importante que poderia evitar maiores problemas é informar à marina sua saída, destino e o horário previsto de retorno — mesmo se for ficar por perto. Assim, em caso de atrasos ou possíveis problemas, eles poderão ajudar no resgate.

 

Fransen havia saído em pesca solo e não tinha ninguém para ajudá-lo, mas caso você esteja em um barco e alguém cair acidentalmente na água, mande imediatamente outra pessoa ficar olhando fixamente para a vítima, sem desviar os olhos dela.

 

Para conferir mais dicas de segurança no mar, confira a matéria completa da NÁUTICA sobre os mandamentos para navegar de maneira mais segura.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Casal troca apartamento para viver em veleiro com seis gatos

    Embora a rotina de manutenção do catamarã seja dura e exigente, Aline e José garante que vale a pena

    Novo submarino Tonelero será lançado ao mar no fim de março, no Rio de Janeiro

    Gigante equipamento militar equivale o peso de 234 carros populares e tem 71,6 metros de comprimento

    Carga bilionária: Colômbia vai extrair tesouros do "Santo Graal dos Naufrágios"

    Embarcação espanhola que naufragou em 1708 levou US$ 20 bilhões para o fundo do mar

    Recém-lançado, Neuboat Dock Raymarine é novidade da Marine Express

    Semelhante a uma câmera de ré, o Neuboat Dock é capaz de mapear o ambiente e trazer imagens 360º ao piloto

    Venda de ingressos para o Rio Boat Show 2024 é aberta; garanta o seu

    Evento conhecido por reunir o melhor do lifestyle náutico acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória